Miguel Arroyo artigos e trabalhos de pesquisa

  • Síntese de Miguel Arroyo no Fórum Regional de Pesquisas e Experiências em Proeja.

    DOCENTE: SANDRA MARINHO DISCENTE: CAMILA ANDRADE SÍNTESE SOBRE PALESTRA DE MIGUEL ARROYO A palestra foi realizada em setembro durante o Fórum Regional de Pesquisas e Experiências em Proeja, que ocorreu no Cefet Minas Gerais. Arroyo Inicia sua fala com duas questões: Por que o interesse do proeja como políticas publicas e por que tem gerado muitas polemicas? Por que o direito à educação sempre foi tão limitado? Segundo Arroyo, uma das causas seria porque o direito a educação sempre foi tão limitado...

    556  Palavras | 3  Páginas

  • Análise dos capítulos 15 e 16 do livro ofício de mestre, de miguel arroyo

    GONZÁLEZ ARROYO, Miguel. Oficio de mestre: imagens e auto-imagens. 6.ed Petropolis: Vozes, 2002. 251p No capítulo 16, intitulado “Cultura Profissional do Magistério”, o autor inicia tecendo uma crítica a respeito de uma ideia errônea porém ainda vigente em nosso tempo: a crença de que qualquer pessoa pode ser professor, no sentido de que “para ensinar as primeiras letras qualquer um serve.”. Ele busca então estabelecer e afirmar a identidade do professor enquanto profissional, explicando a cultura...

    876  Palavras | 4  Páginas

  • Resenha do texto “Diversidade” De Miguel Arroyo

    Resenha do texto “Diversidade” De Miguel Arroyo De acordo com o currículo Lattes, possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1970), mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (1974) e doutorado (PhD em Educação) - Stanford University (1976). É Professor Titular Emérito da Faculdade de Educação da UFMG. Foi Secretário Adjunto de Educação da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, coordenando e elaborando...

    1070  Palavras | 5  Páginas

  • Projeto de Extens o a comunidade ARROYO

    anos de 1970 e, no Brasil, nos anos de 1980. Revelou-se, desde então, um importante balizador para a análise das relações de poder que envolvem os currículos. O próprio professor Miguel Arroyo contribuiu fortemente para o debate dessa época. Se o referido tema não é novo, qual é o acréscimo que traz o último livro de Arroyo, Currículo, território em disputa? O autor destaca que o currículo não é apenas território de disputas teóricas. Quem disputa vez nos currículos são os sujeitos da ação educativa:...

    3898  Palavras | 16  Páginas

  • arroyo

    Arroyo, Miguel. (2001). Oficio de Mestre. Imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ, Brasil: Editora Vozes. 250 pp.  R$ 19,00     ISBN 85 326 2407-3 Resenhado por Nilton Bueno Fischer Junho 7, 2002 Livro de um educador, com 250 páginas de depoimento reflexivo de um professor, um mestre. A resenha deste instigante livro poderia ser reduzida a esse enunciado simples, direto e também instigador porque estaria carregado de hipóteses, perguntas, dúvidas sobre 'quem é esse mestre que escreve sobre a...

    3418  Palavras | 14  Páginas

  • Ensaio sobre o texto: Condição docente, trabalho e formação – Miguel G. Arroyo

    Ensaio sobre o texto: Condição docente, trabalho e formação – Miguel G. Arroyo Confesso encabulada, que quando comecei a ler o texto em questão pensei: Será um texto de compreensão difícil, cheio de termos técnicos e vocabulário rebuscado. Ledo engano. O texto me surpreendeu positivamente, tornando-se um dos textos mais interessantes indicados até aqui. À medida que o autor vai explanando seu ponto de vista, percebe-se um forte cunho político, um embasamento sócio histórico, e as justificativas...

    767  Palavras | 4  Páginas

  • Sintese Diversidade de Miguel Arroyo

    SINTESE – DIVERSIDADE Miguel G.Arroyo De acordo com o verbete, Arroyo inicia o texto indagando o porquê da atenção, centralidade e diversidade na construção de um projeto para a Educação do Campo. O autor responde a pergunta ressaltando que as lutas pela Educação no Campo carregam as marcas da diversidade dos sujeitos coletivos. Na sequência discute alguns princípios que orientam a Educação no Campo. Aborda o primeiro princípio que os seres humanos se fazem, se formam se humanizam no fazer histórico...

    1033  Palavras | 5  Páginas

  • Os educandos e seus direitos

    Campo Campus Tucuruí Disc: Prática Educativa IV Prof.ª Elisvânia Diogo de Castro AlcântaraTucuruí – ParáJan.2013 | ARROYO, Miguel Gonzáles. Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. Diogo de Castro Alcântara Analisando o livro do autor Miguel Gonzáles Arroyo, tendo a intender e pode perceber que a discursão de currículos tem sido bem intensas é continua e vem adquirindo cada vez...

    2115  Palavras | 9  Páginas

  • historia

    ARROYO, Miguel Gonzalez. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Vozes, 2000. 251 p. Gislene de Barros ( Professora e pesquisadora) Leonardo David de Morais1 Polyanna Coelho de Filippis, O livro Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens, de autoria do professor titular emérito da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Miguel G. Arroyo, traz à luz um conjunto de reflexões, no mínimo necessárias, acerca das imagens e auto-imagens cultivadas por...

    864  Palavras | 4  Páginas

  • RESENHA DO LIVRO - OFÍCIO DE MESTRE

    IMAGENS E AUTO - IMAGENS AUTOR – MIGUEL GONZALEZ ARROYO TRABALHO APRESENTADO Á DISCIPLINA FORMAÇÃO DOCENTE, COMO REQUISITO DE AVALIAÇÃO SOLICITADO PELA PROFESSORA DAISY LARAINE MORAES DE ASSIS, ELABORADO PELO GRUPO DE ALUNOS: LEISA PERELO DE ALMEIDA, MAURÍLIO AUGUSTO MATOS DE SANTANA, ALINY RIBEIRO BASTOS, JEMIMA CARVALHO CEO, JULIET DUARTE, LUCIANA OLIVEIRA E SARLETH CEO BRANDÃO. IBICARAÍ-BA, JULHO DE 2011. Arroyo, Miguel. Oficio de Mestre. Imagens e auto-imagens...

    2023  Palavras | 9  Páginas

  • edital Concurso Coronel Fabriciano

    Direitos e o Currículo – Miguel Gonzalez Arroyo • Caderno 3 – Currículo, Conhecimento e Cultura – Antônio Flávio Barbosa Moreira e Vera Maria Candau • Caderno 4 – Diversidade e Currículo – Nilma Lino Gomes • Caderno 5 – Currículo e Avaliação – Cláudia de Oliveira Fernandes e Luiz Carlos de Freitas • Ofício de Mestre. Miguel Gonzalez Arroyo – 7ª edição – Editora Vozes • Imagens quebradas – trajetórias e tempos de alunos e mestres. Miguel Gonzalez Arroyo – Editora Vozes • Currículo...

    829  Palavras | 4  Páginas

  • Raphael

    de 1970 e, no Brasil, nos anos de 1980. Revelou-se, desde então, um importante balizador para a análise das relações de poder que envolvem os currículos. O próprio professor Miguel Arroyo contribuiu fortemente para o debate dessa época. Se o referido tema não é novo, qual é o acréscimo que traz o último livro de Arroyo, Currículo, território em disputa? O autor destaca que o currículo não é apenas território de disputas teóricas. Quem disputa vez nos currículos são os sujeitos da ação educativa:...

    1852  Palavras | 8  Páginas

  • Ciclos e organização curricular: interfaces entre sujeitos, saberes e práticas

    humano como sujeito que tem direitos. Outra experiência bastante difundida refere-se ao Projeto da Escola Plural, na cidade de Belo Horizonte. Percebemos que essa experiência dos Ciclos de Formação tem sido fortemente difundida pelo educador Miguel Arroyo. Segundo ele: “A simples organização da escola em ciclo nada altera muito, se não mexermos na organização dos tempos, dos espaços e, sobretudo, na organização do trabalho do profissional de Educação. Então, o que buscamos fazer na Escola Plural...

    1197  Palavras | 5  Páginas

  • Resenha sobre a Região Amazonica

    mundo dos grupos sem poder. (WEIGEL, 2006, p. 59) O texto cinco, por uma educação do campo de, Miguel Gonzalez Arroyo; Roseli Salete Caldare, Mônica Castagna Molina (organizadores), relatam que: [...] Sempre falo que os professores, quando fazem as provas bimestrais, deveriam nesse dia, todos juntos, professores e alunos, cantar como hino o seguinte: “tava na peneira, tava peneirando”. [...]. (ARROYO, 2004, p. 84) Para se ter uma boa educação é preciso interagir - professor e aluno e vice-versa...

    2802  Palavras | 12  Páginas

  • Bibliografia Ciclos Cia

    Bibliografia sobre Ciclos & Cia [Atualizada em Março de 2007] ARROYO, Miguel G. Ciclos de desenvolvimento humano e Formação de Educadores. Educação & Sociedade, ano XX, n. 68, p. 143-162, Dezembro/99, Campinas, SP: Cedes. ARROYO, Miguel G. Experiências de Inovação Educativa: o Currículo na Prática da Escola. In: MOREIRA, Antonio Flávio B. (org.). Currículo: Políticas e Práticas. Campinas, SP: Papirus, 1999. ARROYO, Miguel G. Fracasso-Sucesso: o peso da cultura escolar e do ordenamento da educação...

    2207  Palavras | 9  Páginas

  • A educação e a desigualdade de renda: uma análise das relações e consequências no âmbito social e econômico de um país, como resolver?

    contribuições de Pierre Bourdieu, Bernard Lahire, Cláudio Marques Martins Nogueira e Maria Alice Nogueira, Maria da Graça Jacintho Setton e Ricardo Paes de Barros, são fundamentais neste artigo. Com grande importância também, Gaudêncio Frigotto e Miguel G. Arroyo. . INTRODUÇÃO: Pierre Bourdieu definiu “sucesso” e “fracasso” escolar como consequência do conjunto de capital simbólico herdado pelo convívio familiar e que é reproduzido pela escola. Sob a análise de Nogueira e...

    2505  Palavras | 11  Páginas

  • 06444585937

    Trabalho apresentado como critério parcial de avaliação do 1º Bimestre na disciplina de Currículo no 4º ano A do curso de Pedagogia na Sociedade Educativa Amélia LTDA - Secal. Profª. Patrícia PONTA GROSSA ABRIL/2013 Miguel Arroyo vem trazer em seu livro a crise de identidade profissional do professor. Ele pergunta se nos currículos de formação e de educação básica nos tem sido garantido o direito a conhecer a nossa própria história. Ele nos propicia a refletir sobre nossa...

    566  Palavras | 3  Páginas

  • A FORMAÇÃO DOS DOCENTES PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

    foi construída a partir do ideário de pesquisadores e estudiosos da educação do campo, dentre outros, a saber: Roseli Salete Caldart autora e colaboradora do caderno: Como se formam os sujeitos do campo? E do livro: educação em movimento. Miguel Gonzalez Arroyo autor do caderno: A educação básica e o movimento social do campo do campo. Edgar Jorge Kolling autor e colaborador do caderno: Por uma educação básica do campo. O que se defende é uma educação que valorize a vida no campo, não a cópia...

    1045  Palavras | 5  Páginas

  • PEDAGOGIA CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA E DA CRIANÇA

    educação é conduta, interesse e capacitação para os professores e diretores e a sociedade valorizar melhor a educação. Bibliografia Guiomar Namo de Mello Edição Fatima Ali Agosto de 2003 Arroyo, Miguel G. (2002): Ofício de mestre: imagens e autoimagens, 6.ª ed., Rio de Janeiro, Editora Vozes. Arroyo, Miguel G. (2002): Ofício de mestre: imagens e auto-imagens, 6.ª ed., Rio de Janeiro, Editora Vozes. Furter, Pierre (1976): Educação e reflexão, 9.a ed., Rio de Janeiro, Editora Vozes. Gimeno Sacristán...

    563  Palavras | 3  Páginas

  • Relatório de Recreação

    deu-se o primeiro contato com o texto de Miguel Arroyo, “A Universidade e a Formação do Homem”. O texto se prende a uma questão central que fundamenta toda a sua discussão: “o que é formar?” Segundo Arroyo, há uma controvérsia muito grande entre o que é proposto nas instituições de ensino atualmente e a nova demanda social constituída. Mais do que propor uma saída aos problemas encontrados pelos docentes durante o exercício de sua profissão, Arroyo defende que o mais importante é entender o...

    1821  Palavras | 8  Páginas

  • Educação e Cidadania: Quem educa o cidadão?

    BUFFA, Ester; ARROYO, Miguel; NOSELLA, Paolo. Educação e Cidadania: Quem educa o cidadão? 10ª ed. São Paulo, Cortez, 2002. 95p. ESTER BUFFA - doutora em educação pela Université René Descartes, Paris V, Sorbonne. Professora titular aposentada de História da Educação – Universidade Federal de São Carlos. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Uninove. Publicou Ideologias em Conflito: Escola Publica e Escola Particular, e em co-autoria A Educação Negada. MIGUEL ARROYO - mestre em...

    1626  Palavras | 7  Páginas

  • PNE - 2014

    Miguel G. Arroyo POLÍTICAS EDUCACIONAIS E DESIGUALDADES: À PROCURA DE NOVOS SIGNIFICADOS MIGUEL G. ARROYO* RESUMO: O texto destaca como as políticas educacionais têm sido instigadas pelas tentativas de corrigir as desigualdades. Entretanto, ao centrarem-se nas desigualdades intraescolares, as políticas e suas análises se empobrecem. Mas se enriquecem na medida em que avançam na compreensão dos processos históricos de produção-reprodução das desigualdades sociais. O texto se defronta com...

    13125  Palavras | 53  Páginas

  • TG Praticas pedagógicas orientações escolares e não escolares

    ] (PIAGET, 2007, p.50) Segundo Arroyo 2000 [...] os aprendizes se ajudam uns aos outros a aprender, trocando saberes, vivências, significados, culturas. Trocando questionamentos seus, de seu tempo cultural, trocando incertezas, perguntas, mais do que respostas, talvez, mas trocando. (ARROYO, 2000, p 166) Referências Bibliográficas PIAGET, Jean. Para onde vai à educação. Rio de Janeiro. José Olímpio, 2007 ARROYO, Miguel G. Ofício de Mestre: imagem e auto-imagens...

    550  Palavras | 3  Páginas

  • O ensino de história no primeiro ciclo do ensino fundamental

    dos problemas, das fontes históricas, agora há uma diversidade de formas de ensinar e de aprender história. No primeiro ciclo observa-se uma preocupação com o nível de maturidade dos alunos, pois estão iniciando seu processo de alfabetização. Miguel Arroyo (1995) lembra a necessidade de pensarmos cada idade como uma identidade própria, realização própria, não enquanto preparo para uma outra idade, em nome da busca de um adulto perfeito sacrificamos a infância e a juventude, colocamos em segundo...

    744  Palavras | 3  Páginas

  • Por uma educação do campo

    por diferentes movimentos sociais do campo que debatem e discutem uma proposta de educação para a população do campo que prime pelas suas especificidades culturais, sociais e econômicas. Suas proposições estão representados aqui pelos textos de Arroyo, Caldart, Molina (2004) e Fernandes, Cerioli, Caldart, (2004). 4 O GPTE, a partir do diagnóstico “Perfil da Educação no Campo”, elaborado pelo INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, referente ao sistema...

    6090  Palavras | 25  Páginas

  • realidade escolar e trabalho pedagogico

    requisito parcial da Sala Ambiente de Realidade Escolar e Trabalho Pedagógico Professora Formadora: Marineide de Oliveira da Silva Assistente de Turma: Sérgio Silva POLO CONFRESA– MT 2013 Após a leitura dos textos de:  1- ARROYO, M. Quando a Violência Infanto-Juvenil Indaga a Pedagogia. In:Educação e Sociedade: revista de ciência da educação. Campinas: Cortez/CEDES. V. 28, Nº 100, 2007. http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a0828100.pdf 2- VASCONCELLOS, C. S. Os desafios...

    722  Palavras | 3  Páginas

  • Fichamentos de Estágio

    formação do trabalhador Miguel G. Arroyo divide seu trabalho em duas partes .’’Na primeira me pergunto como têm sido analisados os vínculos entre as relações sociais na escola e a formação do trabalhador.Na segunda parte,aponto como estão sendo repostos esses vínculos ,a centralidade das relações sociais na escola na formação dos educandos e educadores , as matrizes pedagógicas subjacentes ao olhar sobre as relações sociais nos processos educativos pag.13 , 14’’. Arroyo cita Mariano Enguita e sua...

    761  Palavras | 4  Páginas

  • Análise do trabalho do professor de educação infantil na escola pública e na escola privada. como deve ser o trabalho do professor com esta faixa etária?

    III), que teve início no IV semestre, com o objetivo de abordar a análise das metodologias usadas pelo professor de educação infantil da rede particular e municipal. Para o desenvolvimento desta pesquisa foram utilizados os seguintes teóricos: Miguel Arroyo (2000), Julia Formozinho (2002), Bassedas (1999), Gil (1946), Julio Emílio (2000), entre outros que discutem o trabalho do profissional de educação infantil. A metodologia é de abordagem qualitativa do tipo pesquisa de campo, realizada em uma escola...

    2629  Palavras | 11  Páginas

  • Resumo do livro "ofício do mestre" - imagens e auto-imagens

    Resumo do livro "Ofício do Mestre" - Imagens e auto-imagens Miguel G. Arroyo - Editora Vozes - 2a edição Em "Ofício do Mestre", Miguel Arroyo pretende abrir um diálogo franco com professores sobre professores. Propondo reflexões, o autor traz o magistério para o centro do movimento de renovação pedagógica. Sua intenção é a de desfazer um imaginário social que minimiza o papel do mestre. É um trabalho árduo, uma vez que o próprio professor tem uma imagem confusa de si mesmo e de sua função. A...

    1086  Palavras | 5  Páginas

  • Paper sobre cidadania

    comando da elite política. No livro de Ester Buffa, Miguel Arroyo e Paolo Nosella, é dito que : Ainda estão na memória de todas as proclamações solenes de dirigentes políticos que, durante as últimas décadas, justificaram a exclusão da cidadania com a tese de imaturidade política do povo. Prometiam o direito à participação desde que o povo mostrasse ter aprendido a ser cidadão consciente, racional e socializado [...].(BUFFA; ARROYO; NOSELLA, 2010, p 35) Percebe-se...

    1208  Palavras | 5  Páginas

  • O educador do campo e a docência: práticas e saberes em constituição ana luiza carvalho furlan[1] resumo: o processo de ensinar e de aprender de cada educador é voltado na preocupação com a formação de pessoas humanas

    objetivo deste artigo é refletir sobre o papel do educador em atuação na escola do campo. A metodologia utilizada é a qualitativa, de cunho bibliográfico. Para tanto, os fundamentos teóricos que possibilitam conduzir esta discussão são Caldart (2000), Arroyo (2000), Freire (1999), Dossie (2005), Libanêo (1994), entre outros.                                                 PALAVRAS-CHAVE: Prática pedagógica. Coletividade. Humano.   1. Introdução                     O presente artigo foi...

    2266  Palavras | 10  Páginas

  • Apresentação de mestrado

    9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece diretrizes e bases para a educação nacional.      ARROYO, Miguel G. (1999). As relações sociais na escola e a formação do trabalhador. In:FERRETI. Celso João. SILVA JR. João dos Reis. OLIVEIRA. Maria Rita N. Sales. (Orgs.).Trabalho, formação e currículo: para onde vai a escola? São Paulo: Xamã, p.13-41. ARROYO,Miguel. Trabalho, educação e teoria pedagógica.In:FRIGOTTO, Gaudêncio.(Org). Educação crise do trabalho: perspectivas de...

    1082  Palavras | 5  Páginas

  • DESAFIO 2 SEMESTRE

    técnismo, da instrução programada e o professor fica relegado a segundo plano. Segundo Miguel Arroyo, a categoria dos profissionais da educação percebe que é atacado de vários lados: do lado das gestões democráticas modernizantes, que consideram a educação centrada no seu oficio qualificado como um lastro de tempos pré- industriais e jogaram a escola para uma comunidade difusa, amorfa. Mas ainda segundo Miguel Arroyo o ataque vem de gestões progressivas, que abrem tanto a responsabilidade social e comunitária...

    4451  Palavras | 18  Páginas

  • Refleções sobre a educação da escola de tempo integral

    UFG, Goiânia, v. 30, n. 1, p. 139-155, 2005. ARENDT, H. A crise na educação. In: Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1979. p. 221-247. ARROYO, Miguel Gonzales. O direito ao tempo de escola. Cadernos de Pesquisa, s.l., n. 65, p. 3-10, 1988. BRAYNER, F.H.A. Ensaios de Crítica Pedagógica. Campinas: Autores Associados, ARROYO, Miguel Gonzales. O direito ao tempo de escola. Cadernos de Pesquisa, s.l., n. 65, p. 3-10, 1988. BRAYNER, F.H.A. Ensaios de Crítica Pedagógica. Campinas: Autores...

    867  Palavras | 4  Páginas

  • Projeto Trabalhando valores na educação infantil

    a criança contrói sua identida e sua autonomia. Referências bibliográficas. http://ceifavinhodemelii.blogspot.com.br/2013/08/jardim-i-turma-do-chapeuzinho-vermelho.html - acesso em 12/11/2014 ARROYO,Miguel G. Curriculo, território em disputa/Miguel G. Arroyo.-4.ed.-Petrópolis, RJ:Vozes,2012. ...

    897  Palavras | 4  Páginas

  • A importância de valores :ética, alteridade e respeito

    setores da sociedade. Devemos constatar que há um aumento crescente nos mecanismos de denúncia de violações aos direitos humanos, tentando evitar que se repetissem tais atrocidades. REFERÊNCIAS ARROYO, Miguel G. “Os educandos, seus direitos e o currículo”. In: MOREIRA,Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre currículo. Brasília:Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov.2006, p.49-81. BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade e etnia. Construção da pessoa e...

    989  Palavras | 4  Páginas

  • Educação de jovens e adultos

    EDUCAÇÃO DE JOVENS-ADULTOS: ”UM CAMPO DE DIREITOS E DE RESPONSABILIDADES PUBLICA” MIGUEL GONZALEZ ARROYO INTRODUÇÃO: CITAÇÃO: Pode-se tornar um campo desprofissionalizado. De campanhas e de apelos á boa vontade e á improvisação. Um olhar precipitado rios dirá que talvez tenha sido esta uma das marcas da historia da EJA: indefinição, voluntarismo, campanhas emergências, soluções conjunturais. Comentário: A EJA começou de forma espontânea, para solucionar os problemas do nosso país. CITAÇÃO...

    1328  Palavras | 6  Páginas

  • Representações sociais

    IMAGENS QUEBRADAS - MIGUEL ARROYO COMENTÁRIOS AO LIVRO IMAGENS QUEBRADAS http://proftiagomenta.blogspot.com/2011/01/imagens-quebradas-miguel-arroyo.html Sob a ótica do projeto de mestrado: Policidadania: formação mistagógica do docente A obra parte do princípio que os tempos mudaram e consequentemente as pessoas se transformaram, os conceitos são outros, as verdades não são as mesmas, daí que a educação e os educadores precisam ser vistos com outros olhares e sobre outros ângulos. O primeiro...

    2210  Palavras | 9  Páginas

  • Projeto:Trabalhando valores na educação infantil

    a criança contrói sua identida e sua autonomia. Referências bibliográficas. http://ceifavinhodemelii.blogspot.com.br/2013/08/jardim-i-turma-do-chapeuzinho-vermelho.html - acesso em 12/11/2014 ARROYO,Miguel G. Curriculo, território em disputa/Miguel G. Arroyo.-4.ed.-Petrópolis, RJ:Vozes,2012. ...

    862  Palavras | 4  Páginas

  • relatório

    diárias. Nosso objetivo por meio desta reflexão é explicar quais os motivos deste fato e quais estratégias para diminuí-lo e quem sabe poder acabar com este problema no ensino. Utilizamos como embasamento as teorias de Freire, Jorge Larrosa e Miguel Arroyo entre outros. Nossa pesquisa classifica-se como bibliográfica e reflexiva na qual pretendemos interpretar e entender os motivos pelo qual há evasão na EJA. PALAVRAS CHAVE: Evasão, educação, interpretar e problema. INTRODUÇÃO A modalidade...

    2185  Palavras | 9  Páginas

  • Desenvolvimento Rural Sustentavel Artigo Final Conclusao De Curso

    ser incorporados em suas atividades a proporcionar alterações positivas no trabalho e na vida. Arroyo afirma, “que a competência para colocar a política da educação o campo é do movimento social”. O (des) caso da educação para com as pessoas do campo é a referência e o problema que origina todo esse cenário. Muitas pessoas que residem no campo, camponesas, ainda ostentam a condição de analfabetas e Arroyo chama atenção dizendo o que os educadores (as) estão fazendo nas escolas públicas urbanas, estas...

    3423  Palavras | 14  Páginas

  • 244740410116

    Resumo do livro "Ofício do Mestre" - Imagens e auto-imagens Miguel G. Arroyo - Editora Vozes - 2a ediçãoEm "Ofício do Mestre", Miguel Arroyo pretende abrir um diálogo franco com professores sobreprofessores. Propondo reflexões, o autor traz o magistério para o centro do movimento derenovação pedagógica. Sua intenção é a de desfazer um imaginário social que minimiza o papeldo mestre. É um trabalho árduo, uma vez que o próprio professor tem uma imagem confusa de simesmo e de sua função. A proposta...

    1164  Palavras | 5  Páginas

  • Pedagogias em movimento

    Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp. 28-49, Jan/Jun 2003 PEDAGOGIAS EM MOVIMENTO – o que temos a aprender dos Movimentos Sociais? Miguel G. Arroyo Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte, Brasil Resumo Este artigo discute os vínculos entre trabalho e educação enfatizando a necessidade de não só destacar os efeitos deformadores gerados sob as relações capitalistas de produção, mas principalmente destacar que o trabalho compreendido como princípio educativo pode ter um efeito...

    9800  Palavras | 40  Páginas

  • Pratica educativa na sociedade contemporânea

    condições de realizar um projeto de vida e de sociedade melhor. Se a pedagogia se propõe a capacitar os seres humanos para ir além de suas predisposições “inatas”, devem transmitir “a caixa de ferramentas” que a cultura tem desenvolvido para fazê-los (ARROYO, 2000, pg 181). No processo que envolve a tecnologia, mais importante que a produção que se faz a partir do uso dos meios, são as relações que os sujeitos/atores sociais estabelecem nesse processo de construção. O diálogo, o comunicar, a expressão...

    787  Palavras | 4  Páginas

  • Experiencia de inovação educativa: O curriculo na escola

    NA PRÁTICA DA ESCOLA, de Miguel Arroyo. 1) Os que decidem a inovação para a escola e para seus professores (p.133-141) 2) Pensamento crítico e inovação educativa (p.141-151) 3) Os professores que inovam a escola e os conteúdos de suas práticas (p.151-164) ALUNO (A): RAFAELA MENDONÇA Professora: Renata Peres Barbosa LONDRINA - PARANÁ 2013 Introdução; O texto de Miguel G. Arroyo propõe uma discussão sobre...

    2431  Palavras | 10  Páginas

  • Educação no Campo FACEL

    aqueles que não se incluíam na lógica da produtividade e da competitividade.   Os avanços na escola do campo contribuem para a melhoria na qualidade no ensino atendendo as necessidades do homem do campo para reconhecimento pessoal e como cidadão. Arroyo (2004, p. 73) destaca que:  O movimento social no campo representa uma nova consciência do direito a terra, ao trabalho, à justiça, à igualdade, ao conhecimento, à cultura, a saúde e à educação. O conjunto de lutas e ações que os homens e mulheres...

    800  Palavras | 4  Páginas

  • Currículo, intertransculturalidade e sensibilidade docente

    intertranscultural que mobilizará a escola para discussões e diálogos no processo educacional. Porém, alcançar este currículo de aparência utópica, requer um trabalho conjunto entre gestão e corpo docente, afinal, é ele que norteará o trabalho em sala de aula. Diz Arroyo (2008, p. 18): "O currículo, os conteúdos, seu ordenamento e sequenciação, suas hierarquias e cargas horárias são o núcleo fundante e estruturante do cotidiano das escolas, dos tempos e espaços, das relações entre educadores e educando, da diversificação...

    717  Palavras | 3  Páginas

  • Ata de EJA

    professor a transferiu para essa turma noturna. Deu-se início a segunda rodada de apresentações do seminário com a primeira equipe abordando a biografia de Miguel Arroyo e a introdução do texto “Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública”, de sua autoria. Nessa apresentação, se discutiu as ideias trazidas por Arroyo sobre a educação infantil, no campo e EJA, as marcas da história da EJA, marca da exclusão, da relação de domínio e humilhação estabelecida entre as elites...

    872  Palavras | 4  Páginas

  • Desvalorização do Professor

    estabelecidas pelo governo federal, pois alguns Estados como, por exemplo, São Paulo e Minas Gerais, já procuraram meios de “bonificar” o profissional da educação. Os especialistas participantes do debate (no endereço eletrônico epoca.com.br/debate) foram Miguel Arroyo, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais e membro do Conselho Nacional de Educação, e Eduardo Andrade, professor do Ibmec São Paulo e especialista em economia do setor público. Esse assunto nos leva a imaginar o cenário da Educação...

    747  Palavras | 3  Páginas

  • Artigo Educação do Campo

    heranças culturais trazidas por cada um, independente do espaço que habita. A inclusão dos camponeses é possível através do currículo escolar voltado para a realidade do campo, como nos apontam os autores, Apple (2006), Morigi (2003), Arroyo (1999) que revelam o desinteresse do Estado através das escolas em educar para o movimento, ou seja, para participar em todo e qualquer ambiente que necessite de uma atuação crítica, fazendo-se na prática a cidadania acontecer. ...

    3232  Palavras | 13  Páginas

  • RAFA ARTIGO

    Resumo O artigo debate questões da escola e da educação escolarizada no Brasil. A construção das discussões é permeada pela contribuição de autores de diversos enfoques teóricos, como Denise Nunes, Marisa Vorraber Costa, Alfredo Veiga-Neto, Miguel Arroyo, Newton Ramos-de-Oliveira e José Rodrigues. O objetivo é debater as questões educacionais e escolares através de uma ótica sociológica, entendendo os problemas da escola como desafios sociais. Tendo a sociologia como linha argumentativa, as abordagens...

    3158  Palavras | 13  Páginas

  • CIDADE EDUCADORA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO INTEGRAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

    se faz necessária, esse tempo tem que ser de qualidade como salienta Arroyo: “se um turno já é tão pesado [...] mais uma dose do mesmo será insuportável” (2012, p. 33). Mas, a escola sozinha não consegue propor ações educativas que contemplem a formação humana, assim se faz necessário utilizar os espaços públicos que a cidade oferece. Nessa perspectiva, o presente trabalho tem como objetivo analisar a cidade de São Miguel do Passa Quatro, situada no estado de Goiás, como possibilidade de...

    1997  Palavras | 8  Páginas

  • Indagações sobre currículo diversidade e currículo

    Brasília 2007 Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental Coordenadores do grupo de trabalho responsável pela elaboração do documento Antônio Flávio Moreira Miguel Gonzáles Arroyo Jeanete Beauchamp Sandra Denise Pagel Aricélia Ribeiro do Nascimento Grupo de trabalho Aricélia Ribeiro do Nascimento Cecília Correia Lima Sobreira de Sampaio Cleyde de Alencar Tormena Eliza Montrezol Jane Cristina da Silva Jeanete Beauchamp...

    16626  Palavras | 67  Páginas

  • escolas organizadas em ciclos de formação

    que entre ambas as organizações existem diversos aspectos diferentes. Como afirma Miguel Arroyo: ... se trata de lógicas e valores diferentes, de concepções de ensino-aprendizagem diferentes, até de concepções diferente de conhecimento, de educação e da função da escola e da docência, e sobretudo, concepções de educando diferentes. (ARROYO, 2007. p.18). Deste modo, é necessário apresentar, segundo Arroyo (2007), essas diferenças de concepções, de lógicas, de educando e de docência, para...

    7008  Palavras | 29  Páginas

  • educa o do campo

    Revista Eventos Pedagógicos v.3, n.2, p. 386 - 398, Maio - Jul. 2012 EDUCAÇÃO DO CAMPO: um novo paradigma Juliano Batista dos Santos* Thiago Barros Miguel** RESUMO O presente artigo tem como objetivo abordar querelas relacionadas às políticas públicas voltadas ao campo, em específico à educação do campo, tanto na formação quanto na escolha do educador, bem como em sua eficácia na relação com os discentes das áreas rurais. Durante a discussão é abordado a ideia de que não basta simplesmente a...

    5109  Palavras | 21  Páginas

  • Educa o e exclus o da cidadania

    relação à questão citada acima o autor Miguel G. Arroyo no livro - Educação e Cidadania quem educa o cidadão?- apresenta a sua colaboração, discorrendo sobre o tema : Educação e exclusão da cidadania. Tema esse, que vem sendo de grande importância para a formação pessoal e profissional de cada indivíduo, pois trata de assuntos que necessitam ser abordados com freqüência para formarmos uma sociedade preparada para participar do exercício da cidadania. Segundo Arroyo, a justificativa dada por dirigentes...

    1629  Palavras | 7  Páginas

  • resenha oficio mestre

    1 RESUMO DE LIVROS - ARROYO, Miguel G. Oficio de Mestre ImageARROYO, Miguel G. Oficio de Mestre Imagens e Auto-Imagens. Petrpolis, Rio de Janeiro. Vozes,2000.A educao escolar um campo propcio a modas. Nossas prticas se orientam por saberes e artes aprendidas desde o bero da historia cultural e social. A Escola Plural vem tentar recuperar artes, saberes e fazeres mais perenes do oficio do magistrio, inovando no que diz respeito no dialogando com mestres da escola, estes colocados em primeiro plano...

    6121  Palavras | 25  Páginas

  • 33628181015

    seleção de alguém, da visão de algum grupo acerca do que 3 seja conhecimento legítimo. É produto das tensões, conflitos e concessões culturais, políticas e econômicas que organizam e desorganizam um povo” (APPLE, 1995, p. 59, grifo do autor). Arroyo (1999, p. 138) aponta a divergência de concepções entre aqueles que são responsáveis pela elaboração das políticas educacionais, os pesquisadores e os professores que estão na escola, como outro ponto de tensão na realização de mudanças nas propostas...

    3912  Palavras | 16  Páginas

  • Ensinar é fruto da autonomia pedagógica

    no contexto educacional. Os autores que serão utilizados para compreender esse problema de pesquisa são: Freire (2011), com o conceito da pedagogia da autonomia, bem como com a sua compreensão do papel do educador na construção da aprendizagem, Arroyo (2007) dialogando sobre as inquietações que decidem a transformação do magistério e da educação básica e Rios (2005) contextualizando a melhoria da qualidade em sala de aula através da ação de preparar o aluno para muito além de ler. Este trabalho...

    1698  Palavras | 7  Páginas

  • Idosos, jovens, adultos e o analfabetismo no campo: fatores que promovem a exclusão educacional

    maioria têm formação pedagógica, pois vêem dos cursos de licenciaturas que contemplam técnicas de aprendizagem para jovens, a andragonia que é a técnica aplicada a educação de idosos é ainda desconhecida da grande maioria dos educadores brasileiros (ARROYO, 1996); 4. Os altos índices de evasão são relacionados a decisões pessoais dos indivíduos envolvidos, nunca as deficiências estruturais e metodológicas observadas. Como as estatísticas mostram o grande numero de indivíduos que compõe...

    1702  Palavras | 7  Páginas

tracking img