A luta pelo direito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1468 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O primeiro capítulo que se chama “um titulo” vai tratar do tema do livro, afirmando que é impossível não escrever este livro, e é absurda pretensão de inventar, aqui seu tema, porém uma razão brasileira, não existindo atualmente precisaria ser providenciada. No bolor de nosso pensamento oficial não se encontra qualquer sinal de uma atitude que assuma o Brasil e pretenda pensá-lo em nossos termos. Além do palavrório aridamente técnico e estéril, das idéias gerais, das teses que antecipadamente sabemos como vão concluir, das idéias bem pensantes nada encontramos que possa denunciar a presença de um pensamento brasileiro entre nossos filósofos atuais, vitimas de um discurso que não pensa, delira.
Este livro inviável começa, pois, com uma serie de advertências, afirmando que a questão deum pensamento brasileiro deverá brotar de uma realidade brasileira e não da realidade e do pensamento formulado pelos paises dominantes. Não se trata de inventar uma razão tupiniquim, mas de propor um projeto, um certo tipo de pretensão.
Já no segundo capitulo Roberto Gomes irá tratar do titulo “A serio: Seriedade”, em que no primeiro caso ele vai tratar da palavra sério, afirmando ao dizer quefulano de tal é um homem que zela pela seriedade das aparências, que respeita as normas e convenções sociais, e seja incapaz de sair da linha.
Na segunda ocorrência, a seriedade em questão remete a outra gama de significações. Levar a serio, seja um trabalho, um lugar ou um amor, não consiste no zelo pela vigência de normas sociais. Se levar a sério, isto é algo que sai de mim em direção ao objetoda seriedade, se sou sério, me coisifico como objeto de seriedade, a sério revigoro o mundo com uma quantidade imensa de significações, sério reduzo-me a objeto morto.
 Entretanto é no Brasil onde o falar, o escrever e o pensar, vieram a ser as coisas mais formalizadas e rígidas que se conhece, onde construir frases numa ordem que jamais usaria para pedir um cafezinho, o intelectual brasileirodiscursa e triunfa o sério como expressão de uma classe privilegiada diante de uma multidão de analfabetos. É, pois urgente que assumamos a capacidade do a sério do humor como forma de conhecimento, só no momento em que, abandonada a tirania do sério, percebemos que nossa atitude mais profunda encontra-se em ver o avesso das coisas é que poderemos retirar de nossas costas o peso de séculos deacademismo.  
  No terceiro capitulo “Uma razão que se expressa” afirma que a filosofia ocupa este papel da razão em sua expressão carregada de historicidade, e uma filosofia brasileira precisaria ser o desnudamento desta razão que viemos a ser. Talvez temendo nada encontrar por debaixo de nossos trajes europeus. A questão se reduz a algo simples: não existe uma “problemática” brasileira à nossaespera, ainda urge ser inventada e posta em questão, e este é o esforço da filosofia, desde sempre, e cabe perguntar se entre nós, encontraremos sinais de tal esforço para se chegar a uma filosofia brasileira.
No quarto capitulo que se chama “Filosofia e negação” a filosofia goza de um destino certamente trágico mostrando que qualquer momento criador teve sua origem na negação. Qualquer conhecimentoinicia com negação, ou seja, como essencialmente critico, o que não era exclusivo da filosofia. Há uma condição para esta negação, a critica que é algo assumido, é uma posição do espírito e não da eternidade.
 Eis por que, não assumindo uma posição nossa, um pensar brasileiro torna-se impossível, impossibilitado de criar por não aceitar destruir o passado que nos impuseram recusando assumir suacondição básica que seja nosso negador do alheio.
Já no quinto capitulo “O mito da imparcialidade: O ecletismo” afirmava que o produto direto da indiferenciação brasileira, que por sua vez era produto da dependência cultural que até hoje pendura, o autor Roberto Gomes crer que no ecletismo tenhamos revelado muito mais que normalmente se supõe. É manifestação de alguns traços básicos de nosso...
tracking img