A filosofia de descartes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1213 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Fichamento – Discurso do Método – Primeira Parte


§ 1 – Início conhecido do Discurso do Método, onde o autor afirma que:


O bom senso é a coisa do mundo mais bem partilhada.


Acrescenta que ninguém o deseja tê-lo mais do que o já tem, pois cada um acredita estar muito bem provido dele. A definição de bom senso para Descartes é


... o poder debem julgar e distinguir o verdadeiro do falso


A diversidade de opiniões e, conseqüentemente os erros no pensamento, Descartes julga que acontece por conduzirmos nosso pensamento pelas mais diversas vias. Neste parágrafo ainda, subentende-se que a intenção do Discurso do Método é a consolidação e a defesa de um caminho (méthodos, do grego = via, caminho para chegar a um fim).

§ 2 –O autor inicia o parágrafo falando de si mesmo, da sua própria percepção do significado do bom senso e do seu desejo de articula-lo tanto quanto alguns de seus semelhantes, no que tange á orientação do pensamento e da memória. Segundo Descartes, sobre a razão:


...posto que é a única coisa que nos torna homens e nos distingue dos animais, quero crer que existe inteiramente emcada um, e seguir nisso a opinião dos filósofos, que dizem não haver mais nem menos senão entre os acidentes, e não entre as formas ou naturezas dos indivíduos de uma mesma espécie.

Ao que tudo indica, o autor estabelece a diferença entre os homens e os animais a partir da razão e enfatiza que entre os indivíduos de uma mesma espécie, ela não se manifesta mais ou menos quanto á forma, mas naocorrência de algum possível acidente. [1]


§3 – Objetivo do Método:


aumentar gradualmente meu conhecimento, e de alça-lo, pouco a pouco ao mais alto ponto, a que a mediocridade de meu espírito e a curta duração de minha vida lhe permitam atingir.


Todo esse empreendimento, Descartes o faz tendo em vista a busca pela verdade, justificando assim todo seu empenho ededicação na defesa do progresso que ele acredita ser proporcionado pelo Método.


§ 4 – Descartes ressalta a possibilidade de estar enganado. Porém, astuto que é, traz para si esta responsabilidade e não se eximi. A possibilidade do erro torna-se um outro caminho a partir do juízo emitido pelos demais a respeito da sua obra.


§ 5 – Descartes deixa claro que não pretende fazer doDiscurso d Método um manual ou uma receita. Ele adverte o leitor para tomar a obra como se fosse o compartilhar de uma experiência de condução da razão.


§ 6 – O autor nos conta que estudava Letras desde a infância.[2] Embora tivesse estudado num dos colégios mais célebres da Europa, o Colégio Jesuíta La Flèche, Ao concluir seus estudos primeiros, Descartes nutria uma grande desconfiançaquanto à sua formação. Essa desconfiança o levou à conclusão de estar imergido em uma quantidade enorme de dúvidas e erros, descobrindo cada vez mais sua própria ignorância.


§ 7 – Neste parágrafo, o autor enumera uma série de ciências e os seus respectivos qualificativos para deixar claro que não desmerece os exercícios que se aprendem e são praticados nas escolas. Ele justifica que oconhecimento adquirido nessas escolas são sempre muito proveitosos, e adverte a importância de procurar o justo valor de cada ciência.


§ 8 – Não só de literatura e de instrução se constrói o conhecimento. Para Descartes, tão importante quanto ler é


...o viajar. É bom saber algo dos costumes de diversos povos, a fim de que julguemos os nossos mais sãmente e não pensemos quetudo quanto é contra os nossos modos é ridículo e contrário à razão....


Descartes adverte também sobre aquilo que na ânsia pela obtenção do conhecimento é praticado demasiadamente.


... quando empregamos demasiado tempo em viajar, acabamos tornando-nos estrangeiros em nossa própria terra; e quando somos demasiados curiosos das coisas que se praticavam nos séculos...
tracking img