Teorias sociais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1121 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
30 inserções durante 75 dias [pic]

FACULDADE DOM PEDRO SEGUNDO

GESTÃO TECNOLÓGICA DE GESTÃO COMERCIAL









TEORIAS SOCIAIS E INDIVIDUAIS









Salvador

2012













LUÍS CLAÚDIO BISPO ALVES



TEORIAS SOCIAIS E INDIVIDUAIS









Diagnóstico apresentado para avaliação parcial na

Teorias sociais e individuaisProfessora orientadora Tatiane Pimentel














Salvador

2012







A personalidade estar ligado a valores individuais das pessoas,é importante estudar a personalidade destas pessoas.A personalidade define-se como respostas consistentes a estímulos ambientais,desta forma a personalidade do individuo proporciona experiência e comportamentos apresentados de forma ordenada ecoerente individuais e sociais .Desta forma podemos dizer que a personalidade do individuo proporciona experiencias e comportamentos apresentados de forma ordenada e coerente.

A personalidade do consumidor é resultado de mais do que impulsos inconscientes numerosas propagandas são influenciadas pela teoria psicanalista.

Já para a teoria sociais existe a interdependências entre o individuo esociedade ou seja ,o individuo luta para atender as necessidades da sociedade enquanto que a sociedade ajuda o individuo a atingir suas metas ênfase nas variáveis sociais para modelagem da personalidade.

Teoria Social é uma ferramenta essencial para a análise da sociedade, por meio de construções teórico-conceituais interdisciplinares, incluindo sociologia, antropologia,geografia psicologia, economia,ciência política e filosofia. a teoria social não necessariamente exclui a pesquisa empírica em qualquer área das ciências humanas e sociais, podendo até mesmo ser uma forma de pôr os fenômenos em um contexto teórico que os esclareça melhor a teoria social possui uma longa história, desde a grécia antiga, com platão e aristóteles, até correntes contemporâneas, como a psicanálise, o estruturalismoe o neomarxismo, passando pela renascença, iluminismo, kantismo, hegelianismo, positivismo, culturalismo e funcionalismo.todo analista de problemas sociais comprometido com uma teoria e, portanto, engajado, impõe-se uma sorte de miopia seja o caso a de um neoclássico que crê no equilíbrio geral do sistema econômico para dar um ar científico às suas recomendações de um marxista que crê nomaterialismo histórico para dar um ar de ciência de como ver o mundo e sugerir sua mudança, ou de um keynesiano que se concentra na demanda global, na irremediável incerteza sobre o futuro, em conceitos psicológicos duvidosos e tem a teoria geral como o limite intransponível à compreensão da economia.
em ciências humanas, as teorias são produto do tempo e do espaço dos interesses políticos,econômicos e sociais no fundo, de como a sociedade se organiza, da sua história e das circunstâncias impostas por seu território.
elas e, portanto, suas recomendações variam no tempo e no espaço conforme interesses da classe que detém o poder e pode produzir a política econômica que lhe convém.hacohá, consequentemente, sérias dúvidas sobre a famosa alegação de keynes de que as concepções de economistas efilósofos políticos, corretas ou erradas, são mais poderosas do que geralmente se suspeita... e que homens práticos, que se creem infensos a qualquer influência intelectual são, frequentemente, escravos do pensamento de algum economista que já morreu.Sua própria teoria foi produto do seu tempo e do seu espaço.Como lembrou o professor von mering , o brilhante mas discutível pareto mostrou que osinteresses que chamamos de , a política econômica e a teoria podem ter outra ordem: os interesses da classe que tem o poder político constroem a política econômica que os satisfaz e a teoria racionaliza tal processo.

o exemplo de pareto é muito interessante: poderosos interesses individuais de quem estava assumindo o poder político a burguesia emergente na inglaterra determinaram a política...
tracking img