• Metodologia
    ; CAPPI, Carlo Crispim Baiocchi. Lógica jurídica: a construção do discurso jurídico. 3. ed. Goiânia: UCG, 2004. DINIZ, Maria Helena. As lacunas no direito. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. O problema das lacunas e a filosofia Jurídica de Miguel Reale. Tércio Sampaio Ferraz...
    7795 Palavras 32 Páginas
  • Apostila teoria geral do direito
    Direito. Segundo Maria Helena Diniz “a Introdução à Ciência do Direito é uma matéria, ou um sistema de conhecimentos, que tem por escopo fornecer uma noção global ou panorâmica da ciência que trata do fenômeno jurídico, propiciando uma compreensão de conceitos jurídicos comuns a todas as...
    6215 Palavras 25 Páginas
  • Lacunas da Lei
    Sampaio Ferraz Júnior; tradução Maria Celeste C. J. Santos; ver. téc. Cláudio de Cicco. Brasília : Editora Universidade de Brasília, 6a edição, 1995, 184 p. _________. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995. DINIZ, Maria Helena. As lacunas no direito. 7. ed...
    4009 Palavras 17 Páginas
  • Introduçao ao direito
    objetos e temas.”. (DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. 20. Ed. São Paulo: Saraiva, 2009, pág. 16.) 3) Quais são as características das ciências naturais e humanas? R: O método natural, na ciência da natureza, ao estudar os fenômenos naturais, refere-se à...
    3040 Palavras 13 Páginas
  • Direito Natural e Direito Positivo
    Direito Natural, a respeito disto descreve Maria Helena Diniz: Na idade Média, sob o império da patrística ou escolástica, a teoria Jusnaturalista apresentava conteúdo teológico, pois os fundamentos do direito natural eram a inteligência e a vontade divina...
    1582 Palavras 7 Páginas
  • A antigona direito positivo x direito natural
    CURSO DE DIREITO Trabalho da disciplina Português Forense. Tópicos: Direito Natural e Direito Positivo Direito Natural (Jusnaturalismo) Maria Helena Diniz cita que a lei natural é imutável em seus primeiros princípios e que o direito natural, imanente à natureza humana...
    1383 Palavras 6 Páginas
  • Ordenamento juridico
    estado, para manter a vida interna do povo com a proteção da força social. Exemplo: Todos nos temos o direito de entrar com uma ação, direito de praticar a Cidadania, ou seja, o voto, todo aquele direito que esta na Constituição, é positivo, para todos. Segundo Maria Helena Diniz, o “direito...
    1572 Palavras 7 Páginas
  • jusnaturalismo
    / Noberto Bobbio; compiladas por Nello Morra; tradução e notas Márcio Pugliesi, Edson Bini, Carlos E. Rodrigues. – São Paulo: Ícone, 1995. DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 19. ed. ver. e atual. – São Paulo: Saraiva, 2008. página 37. Direito Natural e Direito...
    1678 Palavras 7 Páginas
  • Lei de Introdução ao Direito Brasileiro
    autores dessas propostas. Para isso me utilizarei das doutrinas de renomados juristas do Código Civil Brasileiro, são eles: Carlos Roberto Gonçalves, Maria Helena Diniz, Sílvio de Salvo Venosa, Sílvio Rodrigues e Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho. 1. Lei de Introdução às Normas do...
    4028 Palavras 17 Páginas
  • Teoria Geral do Direito
    , Maria Helena. As Lacunas no Direito. São Paulo: Saraiva, 1995. DINIZ, Maria Helena. Conceito de Norma Jurídica como Problema de Essencia. São Paulo: Saraiva, 1995. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. A Ciência Jurídica. São Paulo: Atlas, 1995. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do...
    779 Palavras 4 Páginas
  • A imprescindibilidade da interpretação do direito
    BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico. 3. ed. São Paulo: Ícone. 1995. 142p. DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 4. ed. São Paulo: Saraiva. 1992. 381p. JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Curso de direito do trabalho. São Paulo: Atlas. 2009. 33p....
    513 Palavras 3 Páginas
  • criticas a escola da exegese
    subcorrente do positivismo jurídico) na Alemanha, essa corrente é uma das mais conhecidas das escolas teleológicas e certamente a que teve maior influência na prática jurídica. Maria Helena Diniz (2009, p. 66) revela que: “a Jurisprudência de Interesses fixou princípios que deviam ser seguidos pelos juízes...
    5964 Palavras 24 Páginas
  • Justiça, validade e eficácia
    aplicada. 2ª Ed. Buenos Aires: Abeledo- Perrot. BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: Lições de Filosofia do Direito. Trad: Márcio Pugliesi, Edson Bibi, Carlos E. Rodrigues. São Paulo: Ícone, 1995. DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. 9ª Ed. São Paulo: Saraiva...
    4872 Palavras 20 Páginas
  • Indrodução ao direito
    ordem jurídica também são essenciais à natureza do Direito. Apenas com base numa compreensão clara das relações que constituem a ordem jurídica é que a natureza do Direito pode ser plenamente entendida. Direito é ordem normativa, é um sistema de normas harmônicas entre si. Maria Helena Diniz: o...
    1247 Palavras 5 Páginas
  • Direito positivo e direito natural
    positivas. Observando-se o método de complexidade crescente e generalidade decrescente, as ciências positivas foram classificadas na seguinte ordem: Matemática, Astronomia, Física, Química, Biologia e Sociologia”.[36] A Professora Maria Helena Diniz leciona no mesmo sentido: “O positivismo comteano...
    17191 Palavras 69 Páginas
  • Positivismo jurídico
    . Nader, Paulo. Introdução ao estudo do direito/ Paulo Nader-Rio de Janeiro: Forense, 2007. Diniz, Maria Helena Compêndio de Introdução à ciência do direito/ maria Helena Diniz,São Paulo: Saraiva, 2006 CESREI FACULDADE ALUNO: José Raoni Ramos Rodrigues Professor: James da Cunha Disciplina: História do direito Positivismo Jurídico -----------------------...
    1894 Palavras 8 Páginas
  • Positivismo Jurídico - Conceito
    normas jurídicas desincumbidas do direito natural e suas vertentes, sendo esta última o objeto do presente estudo. Segundo Maria Helena Diniz, “O positivismo [jurídico], ao arredar o direito natural, procura reconhecer tão somente o direito positivo, no sentido de direito vigente e eficaz em...
    590 Palavras 3 Páginas
  • INTERPRETAÇÃO DAS NORMAS
    . REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ANGELINI, Fabrício Garcia. Direito é a fonte do saber. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2000. BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico. 3ª edição. São Paulo: Ícone, 1995. DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. 4ª edição. São Paulo: Saraiva, 1992...
    1396 Palavras 6 Páginas
  • Lacunas
    preceitos pré-estabelecidos. 5. Métodos para suprir as Lacunas Referências ALCHOURRÕN; BULYGIN apud DINIZ, Maria Helena. As lacunas no direito. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 24. BOBBIO, Noberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995. BOBBIO...
    2514 Palavras 11 Páginas
  • Monismo e pluralismo político
    magistrado está criando uma norma individual e, como tal (como norma), deve encontrar seu fundamento de validade em disposições hierarquicamente superiores. Para criticar esse normativismo exacerbado de Kelsen, Maria Helena Diniz[4] (2003) traz a posição do argentino Carlos Cossio...
    2937 Palavras 12 Páginas