O uso do crack

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2099 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]






















































































SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO 4

3. CONCLUSÃO..........................................................................................................7

REFERÊNCIAS 8

INTRODUÇÃO

O usoabusivo de drogas na atualidade corresponde um grave problema social e de saúde pública, a nível mundial, envolvendo diversas instâncias, uma vez que esse não diz respeito apenas ao usuário de substâncias psicoativas. Pois acarretar ônus não só ao sujeito, mas à família e à sociedade, na forma de repetência na escola, perda de emprego, rupturas familiares e violência, crimes, acidentes eencarceramentos. O enfrentamento desta problemática constitui uma demanda mundial: de acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 10% das populações dos centros urbanos de todo o mundo consomem abusivamente substâncias psicoativas, independentemente de idade, sexo, nível de instrução e poder aquisitivo (BRASIL, 2004).
Neste cenário de drogadição, surge o crack o qual se tornou em umaepidemia, não só nos grandes centros urbanos, mas também em cidades de médio e pequeno porte. Seu inicio se deu na década de 1990, na cidade de São Paulo, de uma forma lente, mas estável, expandindo-se para o interior do estado e mais recentemente nos últimos 10 anos expandiu-se para todo o país (RAUPP, ADORNO, 2011).
O crack substância de alta prevalência, forma impura de cocaína mais utilizadacom uma taxa de 0,3%, de uso na vida atualmente, que pode ser fumada, tornando-a a muito mais poderosa na criação de dependência e de uma série de problemas, especial a violência (SHEFFER, PASA, ALMEIDA, 2010).
Neste contexto, estão inseridas as famílias que vivem o drama da drogadição são famílias que convivem diariamente com o medo, a opressão, a culpa, a raiva, o amor, sentimentos estesque estão presentes em todas as famílias, é certo, mais num grau bem mais elevado quando se trata de famílias de dependentes químicos. Assim sendo, tais pessoas necessitam de profissionais que possam compreender que, sob esta multiplicidade se sentimentos ambíguo, convive uma família que necessitam de apoio, escuta, acolhimento. Neste aspecto, o Assistente Social deve ser um estrategista Social,procura saber explorar as condições favoráveis, para sua intervenção, o foco será a experiência com a família do usuário, mesmo assim será importante pontuar articulações das proposições para o enfrentamento da questão do uso das drogas.



DESENVOLVIMENTO


Desde a pré-história, o ser humano vem fazendo uso de substâncias psicoativas para múltiplas finalidades que se estendem desde oseu emprego lúdico, com fins estritamente prazerosos, até o desencadeamento de estados de êxtase místicos, religiosos, assim como tem sido de grande importância seu uso para fins curativos, seja no âmbito das práticas religiosas tradicionais, seja no contexto médico da atualidade. Até o final do século XIX, esses usos foram raramente concebidos como ameaçadores à ordem social constituída. Dessaforma, o mau uso, o abuso socialmente desintegrado é um fenômeno da contemporaneidade (MACRAE, 2003).
Baseado em diversas publicações científicas pode-se dizer, então, de uma forma geral que a história da dependência química se confunde com a própria história da humanidade, ou seja, o consumo de drogas sempre existiu, desde as épocas mais antigas em todas as culturas e religião.
Portanto,vale ressaltar que os hábitos e costume de uma sociedade é o que direcionavam o uso de drogas em cerimônias coletivas, rituais e festas, sendo que, geralmente, este consumo estava restito a pequenos grupos. Assim, o que diferencia o uso das drogas no passado e o uso atual, é que este deixou de ser um elemento de integração, um fator de coesão em nível social e emocional da população, passando a...
tracking img