Tribologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 263 (65566 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

TRIBOLOGIA - EMC 5315 -

Prof. Rodrigo Lima Stoeterau, Dr. Eng.

Semestre 2004/01

Tribologia

EMC 5315

Esta apostila foi originalmente elaborada pelo professor Longuinho da Costa Leal do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarian, tendo sido a mesma,revisada, atualizada e complementada pelo professor Rodrigo Lima Stoeterau, para uso didático na discilplina de Tribologia do curso de Graduação.

_____________________________________________________________________________ 2

Tribologia

EMC 5315

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1.1 A Tribologia 1.2 Histórico 1.3 Considerações sobre Fenômenos Tribológicos 1.5 Considerações Econômicas 1.4 SoluçõesTribológicas 2 REVISÃO SOBRE SUPERFÍCIES TÉCNICAS 2.1 Natureza das Superfícies Metálicas 2.2 Avaliação da Textura Superficial 2.3 Parâmetros Superficiais 2.4 Curva de Sustentação ou Curva de Abott 2.5 Formas de Levantamento dos Parâmetros Superficiais 2.6 Relação entre o Processo de Fabricação, Tolerâncias e Acabemanto Superficial 3 ATRITO 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5

Introdução Atrito no Nível MolecularConceito de Área de Contato Real Leis Quantitativas do Atrito Teorias de Atrito 3.5.1 Teoria da Adesão 3.5.1.1 Teoria da Adesão Simplificada 3.5.1.2 Discussão Sobre a Teoria da Adesão Simplificada 3.5.1.3 Modificação da Teoria da Adesão 3.5.1.4 Críticas à Teoria da Adesão 3.5.2 Outras Contribuições à Força de Atrito 3.6 Atrito em Metais 3.7 Atrito em Não Metais 3.8 Atrito de Rolamento 3.8.1 Leis doAtrito de Rolamento 3.8.2 Temperatura na Superfície de Escorreagmento 3.8.3 Stick-Slip 3.9 Valores de Coeficiente de Atrito

4 DESGASTE 4.1 Introdução 4.2 Definição 4.3 Classificação do Desgaste 4.4 Mecanismos de Desgaste 4.4.1 Desgsate por Adesão 4.4.1.1 Estimativa Quantitativa do Desgaste por Adesão 4.4.1.2 Seleção de Materiais para Aumentar a Resistência ao Desgaste por Adesão 4.4.1.3Controle do Desgaste Adesivo 4.4.2 Desgsate por Abrasão 4.4.2.1 Expressão Quantitativa para o Desgaste Abrasivo 4.4.2.2 Comprovação Experimental da Equação de Desgaste por Abrasão 4.4.2.3 Materiais para Uso em Situações de Desgaste por Abrasão 4.4.3 Desgaste Dominante por Oxidação
_____________________________________________________________________________ 3

Tribologia

EMC 5315

4.4.4Desgaste por Fadiga Superficial 4.4.5 Outras Formas de Desgaste 4.5 Projetando para Desgaste 4.6 Desgaste em Superfícies Lubrificadas 4.7 Materiais com Propriedades Excepcionais de Desgaste 4.8 Projetando para Desgaste Zero 4.8.1 Modelo Empírico para Desgaste Zero 4.8.2 Exemplo de Utilização do Modelo Empírico para Desgaste Zero
5 PROJETANDO PARA DESGASTE 5.1 Introdução 5.2 Categorias 5.2.1 Metal contrametal 5.3 Desgaste em Superfícies Lubrificadas 5.4 Materiais com Propriedades Excepcionais de Desgaste 5.5 Projetando para Desgaste Zero 5.5.1 Modelo Empírico para Desgaste Zero 6 LUBRIFICANTES 6.1 Introdução à Teoria da Lubrificação 6.2 Lubrificantes 6.2.1 Funções de Lubrificantes 6.2.1.1 Controle de Atrito 6.2.1.2 Controle de Desgaste 6.2.1.3 Controle de Temperatura 6.2.1.4 Controle de Corrosão6.2.1.5 Isoladores Elétricos 6.2.1.6 Transmissão de Potência (Hidráulica) 6.2.1.7 Amortecimento de Choques 6.2.1.8 Remoção de Contaminantes 6.2.1.9 Elemento de Vedação 6.3 Lubrificantes Sólidos ou Materiais Auto-Lubrificantes 6.3.1 Tipos de Lubrificantes Sólidos 6.3.1.1 Metais com Estrutura Hexagonal 6.3.1.2 Filmes de Metais Moles 6.3.1.3 Sólidos Lamelares 6.3.1.4 Propriedades Tribológicas dosPlásticos Políméricos 6.4 Lubrificantes Líquidos 6.5 Lubrificantes Graxeos (Graxas) 6.6 Normas para Óleos Lubrificantes 6.6.1 Classificação das Viscosidades de Óleos Lubrificantes para Motores de Combustão Interna 6.6.2 Relação entre o Sistema de Classificação Atual e o Antigo 6.6.3 Normas para Especificações e Teste de Óleos para Motores de Combustão Interna 7 ASPECTOS TRIBOLÓGICOS DE MOTORES DE...
tracking img