Sociedade da borracha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1377 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A Formação e Dinâmica da Sociedade da Borracha no Pará, Ressaltando a Vida e o Trabalho nos Seringais e as Relações Sócio-Econômicas no Interior do Sistema de Aviamento.

1- Um pouco da sua História:
Os índios da Amazônia usavam o látex da borracha para diversos fins, principalmente domésticos (vasilhames, sandálias, etc.).
As informações sobre as potencialidades da borracha naEuropa foram levadas por franceses. Lentamente o látex passou a ser utilizado na Europa em diversas atividades. Mas foi o crescimento do setor automobilístico e sua utilização nos mais diversos ramos da indústria que provocaram uma acelerada procura do produto na Amazônia. Rapidamente franceses, norte-americanos e ingleses (em sua maioria) debruçaram seus interesses na região, criando toda umainfra-estrutura necessária ao funcionamento do sistema, isto explica o surgimento de bancos, lojas comerciais e toda uma estrutura de transporte fluvial (vapor) necessária para o escoamento da produção do interior da Amazônia para Belém e posteriormente para a Europa.
Ao lado dos investimentos financeiros os investidores resolveram o problema da falta de braços para extrair o produto na região,foi quando os nordestinos entraram em cena.

2- Nordestinos, caboclos, índios e ex-escravos: os seringueiros na mata.

Tomou-se comum vincular a imagem do seringueiro ao nordestino, quando falamos em mão de obra nos cafezais. Entretanto é preciso perceber os seringais a partir de uma diversidade étnica e cultural. Assim, na confecção dos trabalhadores dos seringais podemos identificar:a) Nordestinos: em sua maioria retirantes das secas que assolavam o sertão brasileiro nas décadas finais do século XIX. Eram cearenses, pernambucanos, potiguares, etc.
b) índios muitos deixaram suas aldeias ou foram forçados ao trabalho.
c) Caboclos amazônidas em buscas de melhores oportunidades.
d) Estrangeiros pobres que buscavam melhores oportunidades na América e na Amazônia.
e)Ex-escravos que buscavam se recolocar no mercado após a lei áurea.
Desta forma os seringais caracterizavam-se por uma étnica e cultural. Nesta teia de diversos indivíduos que vieram para a Amazônia, destacam-se a febre pela busca do “ouro branco”, que motivou brancos, índios e negros, europeus, asiáticos a se embrenhar na mata em busca de riqueza.
Os primeiros seringais surgiram em áreaspróximas de Belém e na região de Bragança, mas no final dos anos de 1870 já alcançavam a fronteira do Brasil com o Peru e a Bolívia. Nisto surgiram conflitos com vários grupos indígenas que foram afastados ou derrotados em conflito com os trabalhadores dos seringais, em uma luta por territórios e pela sobrevivência. Também, muitos seringueiros morreram de doenças tropicais (febre amarela, dengue,cólera, malária, etc), fome, conflito com tribos indígenas ou ataque de animais (cobra, onça, etc).





























3- O Sistema de Aviamento

Para o economista Roberto Santos, o aviamento era um sistema de crédito, um crédito sem dinheiro. Caracterizava-se pela troca que se faziam entre as casas aviadoras, responsáveis pelo abastecimento dos seringaise as casas exportadoras. Na Amazônia, a expressão aviar significava fornecer mercadorias a crédito.











O sistema de aviamento passava pela seguinte cadeia: firmas comerciais estrangeiras representantes na Amazônia aviadores seringueiros. As firmas comerciais estrangeiras eram as maiores beneficiadas com o sistema, enquanto os seringueiros eram o último elo da cadeiae também o mais fraco da estrutura econômica. O sistema de aviamento era complexo, a moeda praticamente não circulava, o que tomava o crédito indispensável ao seu funcionamento. Pois de um lado os seringueiros possuíam um crédito nos barracões, o mesmo acontecia dos barracões com as casas aviadoras nos interiores e assim com as casas comercias de exportação nas grandes cidades. Assim a...
tracking img