Revolta dos palmares

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3436 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A formação do Quilombo dos Palmares
Durante cerca de 94 anos a região dos Palmares em Alagoas e Pernambuco foi alvo de investidas holandesas e portuguesas para ali destruir o grande Quilombo dos Palmares, uma grande confederação de mocambos .Estes povoados dos escravos fugidos dos engenhos e fazendas que ali foram se reunindo, prosperando e desfrutando da liberdade, que a Escravidão lhes tolhia.O Quilombo dos Palmares ocupou uma faixa de terra de cerca de 200 km, em grande parte montanhosa e coberta de espessa mata, paralela ao litoral e que se estendia do Cabo Santo Agostinho em Pernambuco, até o Rio São Francisco em Alagoas.
Os Palmares eram atravessados por 9 rios que alimentavam uma mata fechada e por via de conseqüência a fertilidade do solo.
A mata e a montanha na Serra daBorborema tornavam o Quilombo dos Palmares de difícil acesso, proporcionando seguro abrigo a seu povo e, além, terreno ideal para a defesa a base de guerra de guerrilhas ,com táticas indígenas e africanas integradas e que ali foi denominadaGuerra do Mato.
O Quilombo dos Palmares cresceu em número que estatísticas imprecisas avaliam em 6.000 a 20.000 quilombolas, incluindo neste número mulatos,índios, ex-escravos e supõe-se até brancos com dívidas com a Justiça.
A concentração foi facilitada pela desintegração da economia nordestina em especial por estarem as autoridades luso-brasileiras da área voltadas para o combate às invasões holandesas em Pernambuco e Alagoas 1630-54.
Depois da expulsão dos holandeses as administrações coloniais, de Pernambuco e Olinda, não puderam controlar o Quilombodos Palmares e nem com o auxílio dos senhores de engenho, também em sérias dificuldades. Pois foram obrigados a contrair empréstimos com comerciantes do Recife – os Mascates – circunstância que daria origem a Guerra dos Mascates, entre a Aristocracia, canavieira, falida, e os portugueses no Recife ,em 1710, decorridos 16 anos da destruição do Quilombo dos Palmares.
Sem meios para reduzir oQuilombo dos Palmares ele foi se expandindo em aldeias diversas ou mocambos. Entre eles se destacaram: O Macaco, a capital dos Palmares e o maior (ficava na localidade de União dos Palmares - AL), o combativo e agressivo Subupira, e os Tabocas, Oranga, Zumbi, Amaro, Odenga, Aqualtume, Andalquituxe etc
________________________________________
A ameaça representada por Palmares

Para o ConselhoUltramarino em Portugal e a economia do Nordeste com apoio no cultivo do açúcar, o Quilombo dos Palmares constituía-se em uma ameaça assim vista à nível estratégico.
• Se constituir Palmares estímulo permanente a fuga de escravos, que eram ao mesmo tempo capital e força de trabalho dos engenhos e fazendas.
• Se constituir Palmares em base de partida e de abrigo de expedições destinadas a atacarfazendas, engenhos e vilas, inclusive para o seqüestro de mulheres escravas e obtenção de pólvora e sal e a libertar outros quilombolas.
Disso decorreria insegurança geral e prejuízos enormes ao desenvolvimento regional, pois os fazendeiros, senhores de engenho e governo não se conformavam com a existência de Palmares. E toda a oportunidade possível enviavam expedições contra Palmares. Seushabitantes antes mesmo da chegada da expedição sair para atacá-los já estavam sabendo. E se embrenhavam nas matas da Serra da Borborema até melhores dias.
• A possibilidade levantada de o Quilombo dos Palmares se constituir em Tropa Negra capaz de a vir a dominar militarmente, com apoio dos escravos revoltados, as cidades de Recife, Maceió, Porto Calvo e Penedo, pois já havia precedentes neste sentido comos franceses na Antilhas.
• Compararem a ameaça quilombola de Palmares, como de igual perigo que a representado pelos holandeses ,para a manutenção da Unidade do Brasil.
________________________________________

Objetivos conflitantes

Mas em realidade o objetivo dos quilombolas era a defesa do Quilombo para continuarem a desfrutar de um bem precioso e vital – a liberdade, no contexto...
tracking img