Patrimonialismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (647 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PATRIMONIALISMO
Josilânia Oliveira dos Santos































PATRIMONIALISMO



O patrimonialismo é considerado uma das mazelas do EstadoBrasileiro.

O Patrimonialismo nada mais é do que o fato do Estado não saber diferenciar aquilo que é do poder público e aquilo que é seu: pessoa física. Não possui distinções entre os limites do público eos limites do privado. Isso acontece muito com as pessoas que estão no poder: nossos governantes, de certa forma, dos três poderes, não só do poder executivo, mas tanto do legislativo quanto dojudiciário. É misturar aquilo que é de posse pública e aquilo que é de posse privada. É o chamado abuso de poder, na verdade. É a maneira como o chefe político administra o bem público como se fosse suapropriedade particular.

Como o termo sugere, o Estado acaba se tornando um patrimônio de seu governante.

É uma herança que recebemos desde a colonização, em 1500.

Esse procedimento seiniciou na Europa pelos germanos que invadiram Roma. Os romanos tinham por característica a república, forma onde os interesses pessoais ficavam subjugados aos da república. Os bárbaros, que aos poucosforam dando forma ao Império decadente, tinham o patrimonialismo como característica onde o reino e suas riquezas eram transmitidas hereditariamente, de forma que os sucessores usufruíam dos benefíciosdo cargo, sem pudor em gastar o tesouro do reino em benefício próprio ou de uma minoria, sem prévia autorização de um senado.

Todos os países um dia foram patrimonialista. Portugal também. Só queele continuou patrimonialista. Quando os portugueses chegaram aqui no Brasil já começaram a disseminar esses costumes e nós não fomos capazes de mudar. O Brasil saiu do período colonial, passou peloperíodo regencial, depois foi para a República e até hoje existe esse mal que não se consegue erradicar. Foi comum em praticamente todos os absolutismos. É uma questão cultural de não se delimitar...
tracking img