Mulher no mercado de trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1530 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A mulher e mercado de trabalho.

Introdução

Até o final da década de 60, a sociedade vivia sob um modelo patriarcal, no qual o homem era o provedor do lar, aquele que sustentava e dava conforto a sua família. As mulheres, por sua vez, eram educadas com o objetivo de reprodução e cuidados domésticos com a casa. Não cabia à mulher trabalhar nem ganhar dinheiro. As poucas que trabalhavam eramde uma classe economicamente menos favorecida, que precisavam sustentar seus filhos e as ocupações a elas destinadas na sociedade era de cunho doméstico, tais como, preparar alimentos e doces por encomendas, bordados e outros trabalhos manuais que eram pouco valorizados. A mulher de classe econômica mais favorecida não era educada para trabalhar fora de casa e nem visar ter prestígio ou sucessoprofissional, e as que pensavam de forma contrária a esse modelo eram mal vistas pela sociedade.
Atualmente, essa realidade vem sido modificada. Ainda sendo consideradas peças fundamentais na administração do lar, as mulheres tornaram-se essenciais também no âmbito para o mercado de trabalho.

O início do trabalho feminino

Nas sociedades industriais no século XVIII e XIX, as mulheres passarama ser introduzidas no trabalho têxtil e, desta forma, tinham além do antigo trabalho doméstico, um trabalho remunerado e fora do lar. Isso ocorreu a partir do término das duas primeiras guerras mundiais quando os homens se lançaram a frente das batalhas enquanto suas esposas ficavam responsáveis pelos negócios da família. As guerras cessaram e muitos homens perderam suas vidas e, os quesobreviveram ao conflito, se encontravam impossibilitados de voltar a assumir seus antigos postos de trabalho. As mulheres se sentiram pressionadas a procurar trabalhos fora do ambiente doméstico para sustento de sua família.
Com a consolidação do sistema capitalista no século XIX junto ao avanço do desenvolvimento tecnológico e o intenso crescimento da maquinaria, muitas mudanças ocorreram em relaçãoao trabalho feminino. Com a ampliação da produção as mulheres foram convocadas para substituir os trabalhadores do sexo masculino, com salários menores. A remuneração do trabalho exercido pelas mulheres era muito inferior ao dos homens o que fez com que surgissem no século XIX lutas femininas por melhores condições de trabalho, alguns movimentos reivindicando direitos trabalhistas, igualdade dejornadas de trabalho e direito ao voto. No século XX, as mulheres começaram a entrar nas profissões que exigem formação intelectualizada. Elas, porém, ainda estão em desvantagem em diversos aspectos e não são representadas na proporção adequada de chefia e, embora seja crescente, ainda não sâo maioria em cargos políticos e militares.

A Escalada do Trabalho Feminino no Brasil

A conquista damulher por um espaço no mercado de trabalho começou de fato com a II Guerras Mundial (1939-1945). A guerra acabou, e com ela a vida de muitos homens que lutaram pelo país. Foi nesse momento que as mulheres sentiram-se na obrigação de deixar a casa e os filhos para poder sustentar a família.
Ainda na Primeira República, as mulheres, principalmente aquelas oriundas das camadas populares, já exerciamatividades produtivas. A maioria delas residia em área rural − característica predominante da população brasileira num momento anterior ao processo de urbanização − e trabalhava em suas próprias casas, exercendo um importante papel no modelo de produção familiar. Apesar de sua inegável importância no processo produtivo, as mulheres eram reconhecidas apenas como as responsáveis pela manutenção doequilíbrio doméstico familiar.
Na indústria, a participação das mulheres também era significativa, sobretudo nas regiões que sofriam maior influência do processo de modernização − como São Paulo, em 1920, onde elas representavam 29% do total de trabalhadores da indústria e, especificamente, no ramo têxtil, sua atuação era superior à masculina, perfazendo 58%. No Rio de Janeiro, a força de...
tracking img