Incrementalismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1005 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Procura e análise de políticas alternativas;

Compreender e comparar alternativas para
determinar qual atinge os maiores valores;





Final: Escolher o ‘’caminho’’ final;

• Definir, compreender e comparar as
políticas alternativas;

• Definir o objectivo principal;
(p.e. manter os preços baixos)

Método do Ramo

Final: Escolher que a política que maximiza esses
valores.Criar uma lista de valores por ordem de
importância;



Método da Raiz

Incrementalismo

Conhecido pelas várias teorias políticas que
desenvolveu;

Professor de Economia e Ciência Política;

Foi um dos primeiros a desenvolver a teoria do
Incrementalismo aplicado à política e aos
processos de tomada de decisão
The Science of ‘Muddling Through’ (1959)
Still Muddling, Not YetTrough (1979)

ƒ

ƒ

Charles E. Lindbloom (1917)

Nádia Fernandes | Diogo Rodrigues | AGU2011 | Teoria e História do Planeamento | Prof. David Vale

“Policy is not made once and for all; it is
made and remade endlessly.”

Charles E. Lindbloom, The Science of “Muddling Through”

ƒ

ƒ

Indivíduos de diferentes ideologias conseguem
concordar nalgumas políticas. Assim, o ‘’acordo’’nessas politicas
torna-se na única maneira prática de testar as políticas.
Se por uma lado este ‘’acordo’’ parece um substituto fraco
para testar políticas, por outro, ele ajudar a relembrar que um valor
não tem validade intocável (ultimate validity).

•Método do ramo:
-O teste é acordado na política;

•Método da raiz:
- Não existe porque não existe método de correcção;

Qual é o testepara ‘’boas’’ políticas?

O teste das boas políticas

•Segunda abordagem (ramo):
-Esta relação (meio-fim) está fora do método do ramo onde os meios e os
fins são escolhidos simultaneamente.

•Primeira abordagem (raiz):
- Os meios são concebidos para serem avaliados e escolhidos em função
de fins, estes são seleccionados anteriormente à escolha dos meios.

A tomada de decisões énormalmente formalizada como sendo uma
relação de meios e fins.

Relação entre meios e fins

Importância dos contextos em casos particulares;

-Tentativas de classificação da ordem de valores só levará a que os
valores mais importantes sejam ignorados (p.e. flamingos)

-Até que ponto vale a pena sacrificar um valor por outro?

-Fazer um ranking não é suficiente

Como é que uma pessoa decidepor si própria a importância
relativa de valores conflituosos?

•Segunda abordagem (ramo):
-combinação entre os valores e os instrumentos, repetição da operação e
melhoramento do processo
-escolhe simultaneamente a política para chegar a um objectivo e esse
objectivo por si só
-enquanto que o primeiro é instruído, o segundo é aplicado na prática;

•Primeira abordagem (raiz):
-processomecânico de escolha de meios que melhor satisfazem o ranking
criado;
-O único valor importante na tomada de decisões são as alternativas que
diferem de uma política para outra
-Impossível para problemas complexos e com limitações;

Diferença entre as duas abordagens

Simplificação

Ignoramos as possíveis consequências e valores de possíveis
escolhas (políticas).
Esta exclusão pode ounão ser arbitrária. Mesmo assim é melhor
considerar um pequeno número de alternativas e conseguir estudálas todas garantidamente.

A mudança política faz-se a partir de pequenas mudanças
(gradualmente)

Foco de atenção em pequenas variações

As políticas não incrementais (que não evoluem por etapas) são
imprevisíveis nas suas consequências

ƒ

ƒ

ƒ

1. Relevância assim comorealismo:

(comparações sucessivas limitadas)

Simplificação

ƒ Vantagens:
Redução do número de alternativas
Simplificação do caráter da investigação

ƒ

ƒ Limites na comparação
Consideramos apenas a política em vigor e as que pouca diferença têm
da mesma

(comparações sucessivas limitadas)

ƒEsses problemas devem ser simplificados
No método das comparações sucessivas limitadas....
tracking img