arte na escola

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4407 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de janeiro de 2015
Ler documento completo
Amostra do texto
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(William Okubo, CRB-8/6331, SP, Brasil)
INSTITUTO ARTE NA ESCOLA
Rubens Matuck: a aquarela no Brasil / Instituto Arte na Escola ; autoria de
Silvia Sell Duarte Pillotto ; coordenação de Mirian Celeste Martins e Gisa
Picosque. – São Paulo : Instituto Arte na Escola, 2006.
(DVDteca Arte na Escola – Material educativo paraprofessor-propositor ; 108)
Foco: LA-A-5/2006 Linguagens Artísticas
Contém: 1 DVD ; Glossário ; Bibliografia
ISBN 85-98009-85-7
1. Artes - Estudo e ensino 2. Pintura 3. Aquarela 4. Matuck, Rubens I.
Pillotto, Silvia Sell Duarte II. Martins, Mirian Celeste III. Picosque, Gisa IV.
Título V. Série
CDD-700.7

Créditos
MATERIAIS EDUCATIVOS DVDTECA ARTE NA ESCOLA
Organização: Instituto Arte na EscolaCoordenação: Mirian Celeste Martins
Gisa Picosque
Projeto gráfico e direção de arte: Oliva Teles Comunicação

MAPA RIZOMÁTICO
Copyright: Instituto Arte na Escola
Concepção: Mirian Celeste Martins
Gisa Picosque
Concepção gráfica: Bia Fioretti

RUBENS MATUCK: a aquarela no Brasil
Copyright: Instituto Arte na Escola
Autor deste material: Silvia Sell Duarte Pillotto
Revisão de textos: SoletraAssessoria em Língua Portuguesa
Diagramação e arte final: Jorge Monge
Autorização de imagens: Ludmilla Picosque Baltazar
Fotolito, impressão e acabamento: Indusplan Express
Tiragem: 200 exemplares

DVD
RUBENS MATUCK: a aquarela no Brasil

Ficha técnica
Gênero: Documentário com depoimento do artista em seu ateliê.
Palavras-chave: Aquarela; cor; sobreposição; diálogo com a
matéria;pensamento visual; sistema simbólico; estética oriental e ocidental; meio ambiente.
Foco: Linguagens Artísticas.
Tema: A obra e o processo de criação de Rubens Matuck, focalizando especialmente a aquarela, o desenho e a observação
da natureza.
Artistas abordados: Rubens Matuck, Claude Monet, Albrecht
Dürer, Paul Klee, Paul Cézanne, Joseph Mallord William, Raffael
Sanzio, egípcios e chineses.Indicação: A partir da 1ª série do Ensino Fundamental.
Direção: Maria Ester Rabello.
Realização/Produção: Rede SescSenac de Televisão, São Paulo.
Ano de produção: 2000.
Duração: 23’.
Coleção/Série: O mundo da arte.

Sinopse
A trajetória artística do artista plástico Rubens Matuck é apresentada em três blocos. No primeiro, vemos os documentos de
viagem do artista: a natureza como matériafundamental na sua
experiência estética e artística. No segundo, as histórias imaginadas, suas ferramentas de trabalho como pesquisador das
coisas e uma breve história da cor e da aquarela, desde a préhistória. O artista nos mostra, no terceiro bloco, as diferenças
e semelhanças entre procedimentos da linguagem da aquarela
oriental e ocidental.

Trama inventiva
Falar sem palavras. Falar a simesmo, ao outro. Arte, linguagem não-verbal de força estranha que ousa, se aventura a
tocar assuntos que podem ser muitos, vários, infinitos, do
mundo das coisas e das gentes. São invenções do persistente ato criador que elabora e experimenta códigos
imantados na articulação de significados. Sua riqueza: ultrapassar limites processuais, técnicos, formais, temáticos,
poéticos. Sua ressonância:provocar, incomodar, abrir fissuras
na percepção, arranhar a sensibilidade. A obra, o artista, a
época geram linguagens ou cruzamentos e hibridismo entre
elas. Na cartografia, este documentário é impulsionado para
o território das Linguagens Artísticas com o intuito de
desvendar como elas se produzem.

O passeio da câmera
Tinta escorrendo. Assim nos aproximamos da obra de Rubens
Matuck,de seus documentos de viagem, de suas histórias
de vida. Elas nos são contadas por meio das linguagens da
arte: desenhos, aquarelas, histórias em quadrinhos, como notações visuais, reportagens ilustradas do que é visto pelo
mundo, visto por quem o olha de muito perto e de muitos
lugares diferentes.
O pincel, a água, o papel se mostram diferentes nas mãos do
artista, quando ele está frente...