O infantil segundo sigmund freud

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2550 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O INFANTIL SEGUNDO SIGMUND FREUD

Isolete Branco de Camargo Dias[1]
Márcia C. R. da Silva da Conceição[2]
Ivone Terezinha Rosch de Faria[3]
Miriam Izolina Padoin Dalla Rosa[4]

RESUMO: Este artigo tem como pretensão apresentar o que se pode entender sobre o infantil segundo a concepção de Sigmund Freud quando trata do desenvolvimento sexual respaldado na infância. Para tanto, se feznecessário apresentar o ponto de partida de sua análise, a saber, a psicanálise, para então, desenvolver alguns apontamentos sobre o infantil conforme a concepção freudiana.

PALAVRAS-CHAVE: Infantil, Sexualidade, Desenvolvimento sexual.

A palavra psicanálise quem a apresentou pela primeira vez em seus escritos foi o médico neurologista Sigmund Freud, (1856-1939) até então não existia. Naverdade, a psicanálise é uma nova corrente da psicologia, etimologicamente trás consigo uma explicação própria, pois sendo uma vertente do campo da psicologia se tem a preocupação com o que se chama de psiqué (alma, espírito) para completar então, com o que está por trás do inconsciente do sujeito. Neste sentido, entende-se que a psicanálise apresentada por Freud é um conjunto composto por algunselementos que se complementam entre si, a saber: um processo de investigação formado por teorias psicológicas e psicopatológicas derivando destas um tratamento psicoterapêutico. Tem-se aqui uma nova concepção de investigar o psíquico humano.
Entretanto, não se pode deixar de observar que Freud como médico neurologista começou a observar as reações de seus pacientes e chegou a diagnosticar que o queocorria com os pacientes não tinha nada ver com o físico, mas com algo que estava escondido no próprio ser, resultando as doenças de natureza psíquica, levando-os ao estado de “psiconeuróticos ([os que sofrem de] histeria, neurose obsessiva, da erroneamente chamada neurastenia, e certamente também de dementia praecox e paranóia)” (FREUD, 1905, p.100). Logo, Freud assinala que somente através da“investigação psicanalítica” sobre a pulsão sexual dos neuróticos que se podem entender tais doenças, ou seja, afirma “que essas psiconeuroses, baseiam-se em forças pulsionais de cunho sexual”. (FREUD, 1905. p.101, VII)
Desta forma, Freud após os relatos dos pacientes percebeu que a maior parte das perturbações emocionais se devia à existência de problemas sexuais reprimidos. Formulou-se então ahipótese e provou que os casos de histerias e neuroses manifestavam na vida adulta porque na infância sofreram repressões e traumas de ordem sexual, que por sua vez, deixaram marcas na medida em que sua personalidade estava sendo formada. Portanto, todos os transtornos da vida adulta estavam ligados a sexualidade. Neste sentido, a energia reprimida expressava-se por meio de vários sintomas, de maneirainconsciente devido à repressão como um mecanismo de defesa psicológica.
Seguindo estas constatações, Freud assevera que a “opinião popular” pensa que a pulsão sexual está ausente na infância e só emerge na puberdade, ao contrário do que se pensa, há aqui “um equívoco de graves conseqüências, pois é o principal culpado de nossa ignorância de hoje sobre as condições básicas da vida sexual”. (FREUD,1905, P. 106).
Partindo destes pressupostos, Freud apresenta suas considerações sobre a normatividade da pulsão sexual na infância. Desse modo, ele não fala de desenvolvimento infantil, mas trata o infantil na perspectiva do “Desenvolvimento Sexual”.
A primeira consideração a ser assinalado quanto o “desenvolvimento sexual” que precisa ser necessariamente esclarecida é que quando Freud falada sexualidade, não está de forma alguma referindo ao que o adulto do final do século XIX pensa sobre a problemática. Segundo Mainieri em psicanálise a sexualidade é entendida “como os impulsos fisiológicos e psicológicos, cuja satisfação proporciona prazer, experimentados consciente ou inconscientemente até pelos lactentes e pelas crianças” (MAINIERI, p. 01). Neste sentido, para Freud as...
tracking img