O contrato social - rousseau - resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2282 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Em sua obra “O Contrato Social”, ROUSSEAU introduz nos mostrando que não é legislador e nem Príncipe para descrever suas ideias sobre as leis e políticas, mas é apenas um cidadão de um Estado Livre, este sendo sem organização social, com indivíduos livres e bons, que procura usar sua voz e influencia nos negócios públicos procurando sempre a coerência.
No primeiro capítulo do livro 1, elequestiona os motivos do povo ser dominado pelo Estado, se essa dominação é criada pela força (violência, subjugação do indivíduo), e ao mesmo tempo pensa que o povo tem o direito de recuperar a liberdade quando lhe é tirada, pois o cidadão, a partir do momento que deixa para o estado cuidar de sua segurança e de sua legalidade, o estado deve lhe garantir essa liberdade. ROUSSEAU diz que a ordem socialé de suma importância para a sociedade, sendo também o seu alicerce. “Esse direito, todavia, não vem da Natureza: Está, pois, fundamentado sobre convenções”. (ROUSSEAU, O Contrato Social, Pag. 10)
Já no capítulo 4, “O Contrato Social”, do mesmo livro, ele começa a analisar o estado de natureza em que os indivíduos se mantêm, e percebe que esse estado primitivo, em que ele considera o ser humanolivre e bom, pois não foi abalado e contaminado pelas formas de contratos sociais, precisa mudar para algo mais organizado, assim a sociedade continue a evoluir. Vê que é iminente a necessidade de que os indivíduos se unam, organizem e formem novas organizações sociais, visando somar suas forças e criar uma nova sociedade.
Mas, se nesse momento de estado natural primitivo as decisões são feitasa partir da força e da liberdade de cada homem, junto com a sua própria preservação individual, como conseguir realizar justas seleções, sem prejudicar direitos e vontades alheias?
ROUSSEAU responde isso apresentando o contrato social, que se baseia na citação “Encontrar uma forma de associação que defenda e proteja de toda a força comum a pessoa e os bens de cada associado, e pela qual, cadaum, unindo-se a todos, não obedeça portando senão a si mesmo, e permaneça tão livre como anteriormente”. (ROUSSEAU, O Contrato Social, Pag. 24). Nesse pacto social, cada contrato tem suas clausulas determinadas pela ação ou objetivo em si, e por serem as mesmas para todas as partes, são de mesmo modo reconhecidas e admitidas. Caso ocorram violações desse pacto, o contrato se rompe e perde suasvalidades, recuperando-se a liberdade natural das partes.
Com a aceitação desses contratos em sociedade, a premissa básica aceita em geral é de que os direitos do individuo estão a favor de toda a comunidade, e cada qual com condição igual para todos. Com o sucesso desse modelo, os associados não tem o que reclamar, pois estão todos de mesmo direito, e o estado natural deixa de existir, para umestado organizado. Não existem associados superiores com maiores direitos, e cada individuo mantem-se sob a vontade geral.
Com essa organização, cria-se a unificação da sociedade, a união das forças e vontades e direitos coletivos.
ROSSEAU diz que essa união forma o chamado Estado de características de passivo, em que o mesmo dá liberdade aos indivíduos para as suas decisões. Nomeia de Soberano,quando é ativo, e tem como ideia a atuação na ordem dos indivíduos e suas decisões e execução das leis, autoridade quando comparado a seus semelhantes. Também cita que os associados da sociedade são os cidadãos ou vassalos.
O Capítulo 7, “Do Soberano”, ROUSSEAU começa revendo que o modelo de pacto acima dá ao indivíduo e ao Soberano acordos reciprocamente aceitos e respeitados. Mas diz que issonão cria direitos e deveres pois não é possível ainda ser exigido.
Vê também que o Soberano tem o poder sobre os vassalos (povo quando tem que seguir deveres para com o soberano), pois é o que comanda a sociedade, e a contrária não pode ser aplicada, não podendo o vassalo ter algum poder sobre o Soberano. Também considera que esse corpo político deve sempre manter esse poder único, não...
tracking img