O cinema na escola

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1639 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O CINEMA NA ESCOLA – A RECONSTRUÇÃO DO COTIDIANO




RESUMO: Inspirado na peça teatral de Ariano Suassuna de 1999, o filme’’ O auto da compadecida’’ tira o nosso fôlego ao retratar de maneira real o cotidiano de personagens que viviam em uma região castigada pela seca, a Vila de Taperoá situada no Nordeste doBrasil. A história tem como protagonistas João Grilo e Chicó, uma dupla que vive de trambiques para conseguirem sobreviver a dura vida do sertão. Dessa forma ambos conduzem a trama causando muitas confusões e enganando ricos e poderosos.
Palavras-chave: Religião. Questões Sociais. Amizade


O objetivo deste artigo é não somente transmitir o enredo dos personagens, mas também expor questõessociais que vão além do universo de ‘’O auto da compadecida’’.
-------------------------------------------------




A história começa com os principais personagens, João Grilo (Matheus Nachtergaele) e Chicó (Selton Melo) à procura de alguém para enganar; encontram com o padeiro e os convence a empregá-los na padaria. Ambos começam a trabalhar na padaria e aconviver com o patrão e sua esposa Dora, os quais concedem aos empregados um tratamento inferior dado a sua cadelinha, que come até carne na manteiga. A cadela de estimação da patroa acaba ficando muito doente ao comer uma comida azedada, sua dona se desespera, pois nutria um amor pela cadela que não tinha nem mesmo pelo marido. Foi por issoque Chicó e João Grilo viram nesta a oportunidade de ganhar dinheiro à custa do sofrimento de dona Dora, a qual pede pra que João Grilo e Chicó chamem o padre para benzer Xarén; sua cadela. Mas o problema seria convencer o padre da cidade a benzê-la.

João Grilo vai até a igreja e faz o pedido pra que o padre benza a cadela, mas o mesmo se nega a fazê-lo, dizendo ser impossível e que talcoisa era uma blasfêmia e que a igreja jamais faria isso. O padre só não sabia que João Grilo não sairia daquela igreja sem um sim dele, diz ao padre que a cadelinha era do coronel Antônio Moraes; típico senhor de terras, ranzinza e poderoso, que se impunha pelo medo, pelo dinheiro e pela força. João grilo sai da igreja dizendo que o padre estava com uma mania de chamar as pessoas de cachorro.Nesse meio tempo, entra na igreja o já mencionado coronel Antônio Moraes, que ao contrário de uma cadela, procura o padre para benzer sua filha. O padre achando que era da cadela que se tratava, começa a conversar com ele com palavras que deixam o coronel furioso e desrespeitado, pois o padre pensava que se tratava da cadela mesmo.
O coronel se irrita com o padre e promete procurar o Bispo paralhe passar o ocorrido e o destituir do cargo de padre.



O padre aceita benzer a cadela, e João Grilo volta à casa dos patrões para dar-lhes a notícia. No entanto, ao chegar lá a cadelinha estava morta, João convence dona Dora de fazer um enterro de luxo em Latim para a cadelinha, e pra ela que amava tanto Xarén isso seria um prazer. Volta então o trapaceiro João a igreja e procura pelopadre agora para rezar o enterro da cadela e diz que tem que ser em latim. O padre descobre que ele estava mentindo e se irrita com João que logo inventa que a cadela era cristã e em troco do enterro deixava dez contos de réis para o padre, somente depois de saber da história do testamento o enterro foi feito.
Antes havia um grande empecilho para rezar o enterro da cadela, entretanto isso mudaquando se trata de dinheiro, pois seu maior interesse era arrecadar fundos pra sua previdência, custando o que fosse; sendo até deixar de lado as normas e ritos da igreja.
Com menção a este fato, nota-se que os líderes eclesiásticos, a quem o povo considerava modelo de santidade, no primeiro momento que lhe era proposto certo lucro, utilizavam-se desse mesmo poder eclesiástico para conseguir tal...
tracking img