O caso do exploradores de cavernas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1091 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O caso dos exploradores de cavernas
Na Suprema Corte de Newgarth, no ano de 4300

Os réus forma condenados pelo crime de assassinato e sentenciados a serem enforcados pelo Tribunal de Primeira Instância do Condado de Stowfield. Os quatro réus, mais Roger Whetmore são membros da Sociedade Espeleológica, pessoas amadoras que têm o interesse na exploração de cavernas. No início de maio de 4299,ainda entrando na caverna, ocorreu um deslizamento de terra, as pedras que são encontradas no planalto central de Commonwealth, deslizaram e bloquearam a única entrada conhecida. Os espeleólogos se posicionaram e esperaram até o resgate. O grupo de resgate precisou de engenheiros, geólogos e de máquinas, muitas vezes frustrados por outros deslizamentos, e um, no entanto, matou dez trabalhadores,o resgate só foi realizado após trinta e dois dias da entrada dos espeleólogos na caverna. Mas, no vigésimo dia, eles descobriram que haviam levado uma máquina sem fio, em que podia se comunicar com o campo de resgate. Ao perguntarem quanto tempo levaria para serem libertados, os engenheiros responderam que no mínimo dez dias, pediram então para conversar com os médicos presentes e perguntaram seeles teriam chance de sobreviver sem comida por dez dias, o médico afirmou que havia poucas chances de sobrevivência. Após oito horas sem conseguirem se comunicar, o médico foi posto novamente à frente do comunicador e eles perguntaram se poderiam sobreviver consumindo carne do copor de um deles, o médico respondeu de forma afirmativa. Após isso não foi recebida mais nenhuma mensagem de dentroda caverna. Da liberação dos exploradores, descobriu-se que no vigésimo terceiro dia após a entrada na caverna Whetmore foi morto pelos seus companheiros. Nos depoimentos os réus disseram que foi Whetmore que propôs usar como nutriente a carne de um dos presentes e que ele teria também um par de dados, para tirar a sorte. Mesmo relutantes, eles concordaram com Whetmore, e antes do arremesso dedados, ele se retirou do acordo, preferindo aguardar mais uma semana, mas mesmo assim continuaram arremessando os dados e Whetmore foi morto e consumido por seus colegas. Após a saída dos réus, e passados os tratamentos hospitalares, todos foram indiciados, e no julgamento o representante do júri pediu para o tribunal que os jurados emitissem um veredito especial, o que foi acatado pelo tribunal.Baseando-se nos fatos os jurados decidiram que os réus eram culpados e o juiz sentenciou que eles deveriam ser enforcados. Mas, depois da liberação dos jurados, todos os membros enviaram uma comunicação ao Chefe do Executivo, solicitando a redução da pena para prisão de seis meses.
A decisãodo Presidente do Tribunal, Truepenny, C.J.: Na linguagem do estatuto, "qualquer um que, de própria vontade,retirar a vida de outrem, deverá ser punido com a morte". Mas o Presidente acredita que o pedido de clemência será atendido devido às circunstâncias do caso, assim se fará justiça, sem oferecer desrespeito à lei.
Foster, J. (ministro): Acredita que a lei do Commowealth está em julgamento, e que através dela não se chega a conclusão de que os exploradores sejam assassinos, e ainda diz que eladeclara que eles devem ser inocentados de qualquer crime. O ministro Foster apresenta duas bases para justificar a absolvição, a primeira é que a lei positiva da comunidade não pode ser aplicada a este caso, mas sim a lei natural, pois a lei positiva é baseada em pessoas vivendo em sociedade, e dentro da caverna não havia esta premissa, portanto a lei perde-se a verdade, além disso a sobrevivênciasó seria possível se retirassem a vida do outro, no caso, Wethmore, assim as premissas básicas que suportam a lei, perde a força. E na segunda base para justificar a absolvição, ele diz que mesmo à efeito da lei positiva, ela deveria ser interpretada de acordo com as evidências, e que matar em legítima defesa é uma escusa para punição, e diz que há uma distinção da finalidade da lei promulgada...
tracking img