O acesso da classe c aos bens de consumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3101 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]


SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
TECNOLOGIA DE PROCESSOS GERENCIAIS

CRISTIANA MARIA COSTA XAVIER















O ACESSO DA CLASSE C AOS BENS DE CONSUMO












Trabalho apresentado ao Curso (Serviço Social) da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná.


Orientador: Prof. GleitonLuiz de Lima


Vespasiano
2012
Introdução

A ascenção social da classe C no Brasil nos último anos tem sido evidente e determinante nos rumos do país. Tudo isto se deve ao bom momento vivido na economia, ao acerto na política nas questões econômicas e sociais. Esta melhoria nas condições econômica tem possibilitado as pessoas maior acesso a educação, saúde e bens deconsumo, transformando estas em cidadãos mais exigentes e preparados, como veremos a seguir. O objetivo de marketing é atender às necessidades e desejos dos consumidores. A área do comportamento do consumidor estuda como indivíduos, grupos e organizações selecionam, compram, usam e dispõem de bens, serviços, idéias ou experiências para satisfazer as suas necessidades e desejos.Desenvolvimento
Ascensão social é quando um indivíduo sobe de classe na sociedade, passa a ter um maior poder aquisitivo. Um exemplo de ascensão social pode ser quando um indivíduo ganha na loteria, ou quando consegue um bom emprego, e então pode adquirir bens de valor maior.
A ascensão social tem se tornadoum fenômeno muito comum. Com a globalização, os bens têm se tornado de mais fácil acesso por todos, no momento que as pessoas começam a adquirir bens, começam a alcançar um status mais alto na sociedade. Muitos membros das classes D, tem ascendido socialmente para a classe C, ou classe média, tornando-se assim uma grande parcela da sociedade brasileira.
Ascensão de milhões de brasileirosàs classes C e D revela características de consumidores com gostos e anseios bastante diferenciados. Em contrapartida, ainda é possível constatar a grande desigualdade social do país e manutenção da grande distância entre ricos e pobres. Como prova, a “rica” Goiânia é considerada a cidade mais desigual da América Latina
Consideradas as coqueluches do momento, as classes C e D já desbancarama classe A no mundo dos negócios. Nove entre dez marcas, incluindo na lista a gigante McDonald’s, têm se preocupado com os gostos e hábitos de consumo deste público emergente e preparam suas estratégias comerciais para ganhar definitivamente este mercado, que concentra hoje a maior parte da população brasileira.
A classe C é a maioria no Brasil. Agora, 46% das famílias estão nesta classee 39, nas classes D/E. Segundo dados estatísticos, os representantes desta camada social aumentaram 10% de 2006 para 2007, atingindo o número de 86 milhões de pessoas, quase 50 dos cerca de 190 milhões de brasileiros. Já as classes D/E, que até 2006 tinham uma proporção maior que a C, apresentaram uma queda de 46 para 39, caindo para 73 milhões de pessoas, em 2007. A pesquisa da Fundação GetúlioVargas aponta ainda que mais de 19 milhões de brasileiros saíram da miséria desde 2002, destes um total de 3,8 milhões somente em 2008, o que representou uma queda de 12,27 no número de pessoas pobres.
O grande questionamento é até que ponto esta mobilidade social representa de fato uma melhoria na qualidade de vida da população. Em meio a esta euforia, a capital de Goiás, Goiânia, viu suaimagem de uma das cidades brasileiras com maior qualidade de vida, arranhada com o relatório da Organização Nacional das Nações Unidas (ONU), que a apontou como a cidade mais desigual do País e uma das piores em desigualdade de renda no mundo. O estudo O Estado das Cidades do Mundo 2010/2011: Unindo o Urbano Dividido analisou 138 cidades de 63 países em desenvolvimento. No relatório de 2008,...
tracking img