Trabalho sobre marx e engels

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4078 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS – CCSO

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DISCIPLINA: SEMINÁRIO TEMÁTICO II

3º PERÍODO

DISCENTES:

Aline Lopes de Oliveira

Maria da Graça Lopes Couto

Maricleide Cutrim Rocha

Thaíse Cristina Gomes Azevedo













A Ideologia Alemã (Marx eEngels)

Manuscritos Econômicos e Filosóficos (Karl Marx)




























São Luís – MA

2012


















































































IDEOLOGIA ALEMÃ




Sempre que uma classe assume o poder sãoconstituídos os heróis, pensamentos e idéias, os quais são desprovidos de materialismo histórico e que representam o pensamento da nova classe dominante, idéias que se tornam universais, eliminando qualquer resquício do poder de classe anterior.

Segundo os autores, os filósofos têm que “procurar a conexão da filosofia alemã com a realidade alemã, a conexão da sua crítica com o seu próprio ambientematerial” (15) ou seja, partir do real e construir uma crítica que provoque uma mudança de consciência que vai refletir no mundo real.

A concepção materialista da história funda-se nos “indivíduos reais, na sua ação e suas condições materiais de vida” (17), inserindo-se num contexto, onde sua organização física está internamente relacionada com o resto da natureza e de acordo com ascondições materiais de sua produção que vão determinar seu modo de vida e indiretamente sua própria vida material, assim também como na formação de sua consciência.

As relações dentro e fora das nações estão internamente ligadas às forças produtivas e ao modo de produção vigente. E estas relações e o grau de desenvolvimento da nação são reconhecidos “a partir do desenvolvimento atingido peladivisão do trabalho” e que esta divisão, determina a “separação entre o trabalho industrial e comercial do trabalho agrícola” (19) colocando em oposição os interesses entre campo e cidade.

A relação comunidade e propriedade como também indivíduo e propriedade, são derivadas do modo de produção e organização do trabalho vigentes, que “determinam em cada momento histórico as relações dosindivíduos entre si” (20) e respectivamente nas relações políticas e sociais.

Em todos os momentos históricos há uma “conexão da estrutura social e política com a produção” (25); pois é a produção que determina as relações não só econômicas, como política e social.

Segundo os autores “Os homens são os produtores de suas representações, idéias etc., ou seja, são sujeitos ativos desua própria história de vida, e é ela (a vida real) que determina a consciência, que está intimamente relacionada “à atividade material e ao comércio material dos homens” (25) que irão nortear seu pensamento e agir na sua realidade.

Na filosofia alemã era a consciência que deveria determinar a vida, onde à consciência era vista como um sujeito vivo, ou seja, o pensamento, as idéias eramvistas pelos idealistas como uma “ação imaginária de sujeitos imaginários” (27).

Os autores revelam que para conseguir a libertação real, têm-se que partir do “mundo real e com os meios reais” (29) e não como pensam os filósofos de forma imaginária ou intelectualizada.

Para os autores a liberdade é um fato histórico e se caracteriza pelo nível da indústria, do comércio, daagricultura que é efetuada por condições históricas, e que só haverá liberdade de fato quando os homens puderem suprir suas necessidades humanas básicas.

Para os comunistas, têm-se que partir do mundo real e através do mesmo, modificar na prática os problemas porque passam os homens.

Segundo os autores, a concepção de Feuerbach e suas idéias não passam de “conjecturas isoladas” pois,...
tracking img