Quinagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3541 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Quinagem
Introdução
Quinagem é o processo de deformação plástica de chapa que permite o fabrico de superfícies planificáveis de geometria cilíndrica, cónica ou prismática. Para realizar a operação utiliza-se um cunho e uma matriz montados numa máquina ferramenta designada por Quinadora. O seu princípio de funcionamento é semelhante ao de uma prensa hidráulica ou mecânica.

Exemplos deAplicação: Balcões frigoríficos, mobiliário metálico, chassis, painéis
1

Quinagem

2

1

Quinagem
Classificação dos processos de quinagem
Quinagem é o processo de deformação plástica de chapa que permite o fabrico de superfícies planificáveis de geometria cilíndrica, cónica ou prismática.

Quinagem no ar

Quinagem em V

Quinagem em U

Quinagem a fundo

Quinagem de flange com cunho dearraste

Quinagem rotativa
3

Quinagem
Quinagem no ar
Na quinagem no ar o ângulo entre as abas da chapa a enformar é estabelecido pela penetração do cunho na matriz. As forças envolvidas são baixas, mas a precisão dimensional é limitada, devido à recuperação elástica que o material sofre após deformação plástica alterando a geometria final da peça.

Quinagem em V
Na quinagem em V achapa é deformada até encostar às ferramentas, sendo a folga entre cunho e matriz igual à espessura da chapa. A operação é mais precisa que a anterior e é geralmente utilizada para quinar chapas com ângulos de 90º ou ligeiramente inferiores, com espessuras que podem variar entre os 0.5 e os 25 mm.

4

2

Quinagem
Quinagem em U
Na quinagem em U existem 2 eixos de dobragem paralelos.Normalmente utiliza-se um encostador que promove o contacto com a chapa na zona do fundo do cunho, evitando defeitos de forma na peça. A força de quinagem tem um acréscimo de cerca de 30 a 40%.

Quinagem de flange com cunho de arraste

Uma das abas é fixada por um encostador, enquanto que a outra é dobrada a 90º pela acção do cunho. Com a variação do curso, é possível alterar com facilidade a dimensãoda aba enformada e o ângulo de dobragem.

5

Quinagem
Quinagem a fundo
Na quinagem a fundo (quebra do nervo) a chapa é esmagada entre o cunho e a matriz no final da operação e a folga entre cunho e matriz é inferior à espessura da chapa. Geralmente utilizada para chapas de espessura inferior a 3 mm, e permite reduzir, ou até mesmo eliminar a recuperação elástica. A força necessária para aoperação é consideravelmente superior à da quinagem ao ar, podendo o valor triplicar ou quintuplicar.

6

3

Quinagem
Quinagem rotativa
Na quinagem rotativa recorre-se a uma matriz rotativa para enformar a chapa. Não é necessário utilizar encostador e as forças requeridas são baixas. O efeito de mola pode ser compensado diminuindo o ângulo de dobragem.

7

Quinagem
Vantagens da quinagemno ar relativamente à quinagem a fundo
A quinagem pode ser efectuada em máquinas ferramenta de menor capacidade, pois a força e energia necessárias são menores O desgaste e o perigo ferramentas é menor de inutilização das

O mesmo conjunto cunho/matriz pode ser utilizado para efectuar dobragens de diferentes ângulos, reduzindo-se os custos de preparação e montagem das ferramentas

Vantagensda quinagem a fundo relativamente à quinagem no ar
Peças mais precisas, podendo ser enformadas com raios de quinagem inferiores à espessura da chapa Redução ou mesmo eliminação do fenómeno de recuperação elástica

8

4

Quinagem

Quinagem de uma caixa rectangular

Quinagem a fundo

Quinagem de flange Com cunho de arraste

9

Quinagem
Noção de fibra neutra
Por acção do cunho azona em deformação fica solicitada por um momento flector M e uma força axial F de tracção. Para chapas finas, pode admitir-se que as secções rectas se mantém planas durante a deformação e que convergem no centro de curvatura. Considera-se que as direcções principais das tensões e das extensões coincidem com as direcções radial, tangencial e segundo a largura.

A

B

M
h

A C

l1...
tracking img