Praticas mercantilistas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1427 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A ADOÇÃO DAS PRÁTICAS MERCANTILISTAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO CONTINENTE EUROPEU E NAS COLONIAS (AMÉRICA E ÁFRICA)

INTRODUÇAO

O mercantilismo assumiu formas diferentes, conforme tinha por base o comércio, a agricultura ou a indústria. Cada país europeu teve uma forma diferente de mercantilismo. E quanto às áreas coloniais, mediante o denominado pacto colonial, auxiliava a Europa no processode acumulação de capitais ao vendera preços muito baixos - matéria-prima e comprar a preços elevados, os produtos manufaturados. No plano colonial, entretanto, o seu comportamento econômico não variava só se procurava desenvolver a indústria, a agricultura e o comércio colonial se isso trouxesse vantagens para as metrópoles na Europa; do contrário, procurava-se impedir esse desenvolvimento. Essasmedidas aplicadas pelas metrópoles nas colônias não variaram muito. Esse conjunto de medidas foi denominado Sistema Colonial.
Em território nacional, o mercantilismo preconizou o desaparecimento das alfândegas interiores, a supressão ou redução dos entraves à produção forçados pelas corporações de ofício, o emprego de sistemas de contabilidade e acompanhamento das contas de receitas e despesas doestado, a troca de funcionários corruptos ou negligentes por outros honestos e competentes, a criação de uma fiscalização centralizada e a adoção de leis que desestimulassem a importação de bens improdutivos e de grande valor.
Em meio ao reaquecimento das atividades comerciais e a formação das monarquias nacionais, costumamos observar uma clara associação entre o poder real e as burguesiassurgidas desde a Baixa Idade Média. Nesse sentido, costumamos estabelecer que a arrecadação de impostos proveniente das atividades comerciais incentivou os reis a adotarem medidas que ampliassem a quantidade de recursos arrecadados por meio da ampliação do próprio comércio.

O conjunto de medidas adotado pelas monarquias absolutistas em prol da ampliação do comércio criou uma série de ações políticascomuns que vieram a designar a prática do mercantilismo. O mercantilismo, sendo um conjunto de costumes político-econômicos, não chegou a se basear ou formar uma definida doutrina econômica. Dessa maneira, as práticas mercantilistas tiveram pontos comuns e algumas particularidades nos diferentes reinos absolutistas da Europa.

Esse acúmulo de moedas reivindicava a adoção de um hábito bastantecomum entre as nações mercantilistas: o da balança comercial favorável. Para preservar uma balança comercial favorável, uma nação deveria colocar em prática medidas que fizesse com que os recursos obtidos com a exportação de produtos manufaturados e especiarias fossem superiores a quantidade de divisas destinadas à obtenção de produtos importados.

Sob tal aspecto, os Estados Nacionaisincentivaram a ampliação de suas manufaturas e aumento de suas taxas alfandegárias com o objetivo de limitar o número de importações e ampliar suas exportações. Tais medidas, que definiram a prática do protecionismo, incentivaram uma forte concorrência entre as nações européias.

DESENVOLVIMENTO

O Mercantilismo corresponde a uma doutrina econômica se afirmou na Europa colonial dos séculos XVI eXVII e que se baseava na convicção de que a riqueza e o poder de um país dependiam da quantidade de metais preciosos que esse mesmo país conseguia acumular. Dado que as grandes maiorias dos pagamentos internacionais se faziam, nessa altura, com ouro e prata, toda a política econômica centrava os seus esforços na manutenção de uma Balança Comercial favorável de forma a que a entrada de metaispreciosos para pagamento das exportações fosse superior à sua saída para pagamento das importações. Para isso eram criadas medidas restritivas às importações através de pesadas taxas alfandegárias e em simultâneo eram fomentadas as exportações através do estimulo ao desenvolvimento da produção manufatureira nacional. A par deste aumento do intervencionismo do Estado na regulação da produção e do...
tracking img