Socio

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1027 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO 4

3 CONCLUSÃO 7

REFERÊNCIAS 8

APÊNDICES 9
APÊNDICE A – Instrumento de Pesquisa Utilizado na Coleta de Dados 10

ANEXOS 11
ANEXO A – Título do Anexo 12
INTRODUÇÃO

A parti desse texto veremos relatos sobre a existência do mito e da filosofia, temas esses que são muito semelhantes, pois com os mitos abrimosnossa imaginação e pensaremos o que acontece com o personagem do mito..

DESENVOLVIMENTO

A palavra filosofia te a origem grega, temos assim a “amizade pela a sabedoria”. A filosofia tem como origem, a tomada de consciência de que há um conflito entre opiniões dos homens, e uma procura da origem de tal conflito, acompanhada por uma investigação da opinião para ver se é correta, e tentardescobrir um determinado padrão de juízo, comparável ao equilíbrio que descobrimos para determinar pesos, ou régua, para as coisas direitas e tortas. Essa é a tarefa da filosofia examinar e estabelecer os padrões; e fazer uso deles depois de conhecimento é a atividade do homem sábio e bom. A filosofia surgiu quando alguns gregos, admirados com a realidade, insatisfeitos com as explicações que a tradiçãolhes dera, começaram a fazer perguntas e buscar repostas para elas, demonstrando que o mundo e os seres humanos, os acontecimentos naturais e as coisas da natureza, os acontecimentos humanos e as ações dos seres humanos podem ser conhecidos pela razão humana, e que a própria razão é capaz de conhecer-se a si mesma. O mito tem váriadefinições, um dos maiores mitólogos do século XX, o romeno Mircea Eliade define assim o mito:” o mito conta uma história sagrada; ele conta um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo fabuloso do “principio”, ele fala de uma façanha, uma realidade que passou a existe, seja uma realidade total, o cosmo, ou fragmento”. Para o antropólogo Claude Levy-strauss , o mito é a historia de um povo, e aidentidade primeira e mais profunda de uma coletividade que se quer explicar.o mitólogo e antropólogo americano Joseph Campbell escreveu que “ o material do mito é material da nossa vida, do nosso corpo, do nosso ambiente; e uma mitologia viva, vital, lida com tudo isso nos termos que se mostram mais adequados à natureza do conhecimento da época”.O mito é um relato que oferece uma explicação definitiva; o mito não precisa de justificativa. Ao contrário, é mito que justifica a sociedade, uma cultura, um costume. Da maneira que é elaborado, o mito não é para ser criticado ou discutido. Da mesma forma, ele não precisa visto através de argumentos, ele é simplesmente dito acomunidade por aqueles que se consideram os arautos das musas ou dos deuses. A filosofia não oferece explicações certas, já que a discussão vem de si mesma. Temos outros mitos, como o mito da caverna; o estado da natureza humana, em relação á ciência e a ignorância, sob a forma alegoria que passo a fazer. Imaginem os homens encerrados em umamorada subterrânea e cavernosa que dá entrada livre á luz em toda extensão. Daí, desde a infância, tem os homens o pescoço e as pernas presos de modo que permanece imóvel e só vêem os objetos que estão diante de si. Presos pelas cadeias, não podem voltar o rosto. Atrás deles, a certa distancia e altura, um fogo cuja luz os alumia; entre o fogo e os cativos imagina um caminho escarpado, ao longo doqual um pequeno muro parecido com os tabiques que os pelotiqueiros põem entre si e os espectadores para ocultar-lhes as molas do boneco maravilhoso que lhes exibem. Outro mito é o do fogo, quase todos falam que o homem descobriu que quando caiu um raio numa arvore, havia um calor que o aquecia pela noite ou do inverno. Mas ele descobriu que esfregava as mãos, causava um calor que o aquecia...
tracking img