Memorial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1481 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

MEMORIAL

MÊIRE BEATRIZ DA CUNHA

FORMIGA – M.G
2010

MÊIRE BEATRIZ DA CUNHA

MEMORIAL

Memorial apresentado ao Curso de Pedagogia da Universidade Aberta do Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais.

Orientadora: Profa. Suzana dos Santos Gomes

FORMIGA – M.G
2010

MEMORIAL

1: O COMEÇO: O interessepela leitura

Sou a sétima filha, em uma família de dez filhos. Cresci com minha mãe recitando poemas e lendo livros para nós. Desde três anos eu pegava livros e fingia que sabia ler. Passava horas inventando histórias e contando para os meus irmãos.
No primeiro dia de escola, acordei ansiosa, achava que ia aprender a ler já naquele dia. Minha mãe nem precisou me levar para aescola, com seis anos me achava uma mocinha. Passei na casa de uma colega e fomos juntos, fazendo vários planos.
Quando chegamos à escola, estavam separando as turmas, ouvimos nossos nomes e fomos para a fila.
Olhei para a minha primeira professora, era gorda e alta. Parecia enorme, perto de mim. Tive saudades da minha mãe, como ela é baixinha não me amedrontava. Fomos para uma sala, comcadeiras pequenas e paredes cheias de cartazes. Achei a sala linda. Como eu queria que meus irmãos vissem a minha sala.
Todos os dias minha professora lia uma história para nós, prestava muita atenção para depois contar para os meus irmãos.
Fui aprender a ler só no ano seguinte na primeira série. Aí começou a dificuldade, sempre trocava o L pelo B. Minha professora gritava muitocomigo e dizia que eu era uma criança burra, pois os sons eram muito diferentes. Mas a história sempre se repetia, a palavra era BATA, eu lia Lata. Treinava os textos em casa, mas perto dela eu lia errado. E era professora gritando de um lado e Mêire chorando do outro. Ainda bem que era a supervisora que aplicava as provas de leitura, porque perto dela eu lia sem erro.
Fiz a carteirinhada biblioteca e pegava livros todas as semanas. Só que eu os lia muito rápido e ficava sem ter o que ler até a outra semana. Comecei a ter uma mania, quando via papel escrito na rua pegava e levava para a casa para ler. Adorava ler, lia até bula de remédio. Minha mãe me emprestou alguns livros que ela tinha, quando estudava, juntas líamos os livros. Cada uma lia para a outra duas páginas. Elafalava que desse jeito não ficávamos cansadas e a leitura ficava mais emocionante. Com este hábito li vários livros ainda bem menina.
Mudei de escola na terceira série, foi a melhor coisa que me aconteceu. A minha professora era excelente, a escola a melhor que havia. Como aquela professora me incentiva! Dizia que eu era uma ótima aluna, que se orgulhava de mim. A escola tinha Festival daLeitura e Festival da Poesia, eu participava de todos. Lembro de uma poesia que fiz e foi um sucesso. No Festival da leitura eu sempre ganhava como a aluna que lia mais livros. Isso me fazia gostar mais da leitura e me dedicar mais tempo. Deixava de brincar para ficar lendo.
Adorava pegar um livro, sentir o cheiro. Ficava imaginando como o autor escrevia a história, como surgia em sua mente.Sonhava em ser um dia uma grande escritora.

2: A ADOLESCENTE: A procura pela leitura certa

Se aos seis eu já me sentia uma mocinha, aos onze quando fui para a quinta série me senti uma adulta. Achava caderno universitário lindo, vários professores um luxo.
Adorava ir para a escola com uma turma. Saíamos de casa bem sendo para podermos conversar mais tempo.
Comecei ainteressar por outros tipos de leitura, gostava de ler livros de auto-ajuda. Fiquei tão fascinada, que ia à biblioteca todos os dias para pegar um livro diferente. A bibliotecária duvidava que eu os lesse tão rápido.
Apesar de não ser o tipo de leitura que interessava a minha mãe, ainda líamos juntas sempre. Às vezes, pegava algum tipo de livro que ela gostava. Assim, cultivávamos o...
tracking img