Literatura infantil no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1500 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
I. PANORAMA GERAL

A literatura para crianças é algo ainda muito recente na história do Brasil. Infelizmente sua importância tem sido deixada de lado tanto pelos pais quanto por algumas instituições de ensino. Sabe-se hoje em dia que a criança que possui contato direto com a literatura é mais criativa, comunicativa e desenvolve-se com mais facilidade, ampliando seu vocabulário e suasrelações inter-pessoais.

1.1 ORIGEM

No Brasil só se pode falar em uma literatura especificamente infantil por volta do final do século XIX e início do século XX. Desde a sua origem, a literatura infantil surgiu com o objetivo importante de formar cidadãos, que aprendessem a comportar-se na sociedade, lhes ensinando hábitos, costumes e padrões a serem seguidos. Sendo assim, podemosdizer que a literatura infantil é uma obra artística, e como tal, não se desvincula do contexto histórico no qual é produzida. Apresenta modelos de comportamento que facilitam a integração da criança na sociedade.

1.2 CARACTERISTICAS

Presença de estímulos visuais, escrito em uma linguagem simples, apresentando um fato ou uma história de maneira clara. São de caráter didático,ensinando ao jovem leitor regras da sociedade e os comportamentos sociais.

II. PRECURSORES
No Brasil a literatura infantil deu os primeiros passos com as obras de Carlos Jansen “Contos seletos das mil e uma noites”, Figueiredo Pimentel “Contos da Carochinha”, Coelho Neto, Olavo Bilac e Tales de Andrade. Porém, o mais importante precursor foi o escritor Monteiro Lobato. É com ele quese inicia, de fato, a literatura infantil no Brasil.
2.1 JOSÉ BENTO MONTEIRO LOBATO

Conhecido como Monteiro Lobato foi maior escritor infantil brasileiro de todos os tempos, nasceu em Taubaté cresceu numa fazenda se formou em direito sem nenhum entusiasmo, já que sempre quis ser pintor. Mesmo assim seguiu colaborando em diversas publicações estudantis e fundou com os colegas a"Arcádia Acadêmica", cuja sessão inaugural fez sucesso, já era elogiado por todos como um comentarista original. Dois anos depois, foi eleito presidente da Arcádia Acadêmica, e colaborou com o jornal onde escreveu artigos sobre teatro.
Lobato diplomou-se bacharel em Direito e voltou para Taubaté, onde passou a ocupar interinamente a promotoria da cidade. Insatisfeito com a vida bucólicaplanejou associou-se a um negócio de estradas de ferro.
Ele viveu no interior das cidades, escrevendo paralelamente para jornais e revistas, como "Gazeta de Notícias" do Rio de Janeiro e a revista Fon-Fon, para onde também mandava caricaturas e desenhos. Passou a traduzir artigos do Weekly Times para o jornal O Estado de São Paulo, e obras da literatura universal. Contudo, era visível a suainsatisfação com a vida que levava e com os negócios que não prosperavam.
Como fazendeiro em Buquira, um fato definiria de vez a sua carreira literária: cansado de enfrentar as constantes queimadas, o fazendeiro escreveu uma "indignação" intitulada Velha Praga, e enviou para a seção queixas e reclamações do jornal O Estado de S. Paulo, o jornal percebendo o valor daquela carta,publicou-a fora da seção que era destinada aos leitores, pois a carta gerou muita polêmica e tornou Lobato famoso e fez com que escrevesse outros artigos.
Ele comprou a Revista do Brasil e passou a dar espaço para novos talentos, ao lado de pessoas famosas. A revista prosperou e ele pode montar uma empresa editorial, com isso em mente, passou a tratar os livros como produtos de consumo, comcapas coloridas e atraentes, e uma produção gráfica impecável. Logo fundou a editora Monteiro Lobato & Cia que traduzia muitos livros e editou obras importantes e polêmicas como "A Luta pelo Petróleo", para o qual fez uma introdução tratando da questão do petróleo no Brasil. Mas com a desvalorização da moeda Lobato teve que pedir a falência.
Monteiro Lobato mudou-se para Nova York,...
tracking img