Guidelines de interface

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1576 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Faculdade de Tecnologia de Sorocaba
Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR: O HOMEM

ATIVIDADE 4


Disciplina: Interação Humano-Computador



Sorocaba
Março/2013

1. INTRODUÇÃO
2. FATORES HUMANOS E ERGONOMIA
3. ASPECTOS MENTAIS E ENGENHARIA COGNITIVA
4. COMO AS PESSOASPENSAM (MEMÓRIAS SENSORIAIS)
5. COMO AS PESSOAS AGEM (TEORIA DA AÇÃO)
5.1 O Golfo da Execução.
5.2 O Golfo da Avaliação.
5.3 Sistema X Usuário.
6. COMO AS PESSOAS IMAGINAM (MODELOS MENTAIS)
7. CONCLUSÃO
8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



1. INTRODUÇÃO
Neste modulo abordaremos temas relacionados com o estudo da ciência que envolve os modos com que as pessoas interagemcom uma determinada interface, ou seja, o que as fazem agir de uma determinada maneira perante o sistema desenvolvido e como este sistema pode ser melhor utilizado de acordo com a pessoa que esta se utilizando.
Abordaremos principalmente os conceitos de Ergonomia e Engenharia Cognitiva visando o ponto de vista humano das interações.

2. FATORES HUMANOS E ERGONOMIA
A definição de Ergonomia quetambém é conhecida como “human-factors”, é uma disciplina científica que trata da interação entre os homens e a tecnologia. A Ergonomia integra o conhecimento proveniente das ciências humanas para adaptar tarefas, sistemas, produtos e ambientes às habilidades e limitações físicas e mentais das pessoas.
Na área de interação humano-computador a Ergonomia é aplicada através das informações sobre ascaracterísticas comportamentais e psicológicas humanas ao design de sistemas.
Temos como características comportamentais.

3. ASPECTOS MENTAIS E ENGENHARIA COGNITIVA
A Engenharia Cognitiva conceitua interface pelos seus “dois lados”: o do sistema e o do ser humano. Estágios de execução e percepção (humanos) mediam entre representações físicas (do sistema) e psicológicas (do ser humano).Pensando pelo lado do sistema, podemos mudar sua interface, através do design apropriado.
Pelo lado humano, a mudança pode ser alcançada através do aprendizado e experiência.
Design de interface no paradigma da Engenharia Cognitiva, portanto, relaciona dois tipos de objetivos a serem estudados:
* Design: programação e tecnologia;
* Pessoas: princípios do funcionamento mental, comunicaçãoe interação e conhecimento da tarefa.
Somente o módulo da interface deve estar em comunicação com o usuário: do ponto de vista do usuário a interface “é” o sistema.
Assim, segundo Baranauskas (2005), a Engenharia Cognitiva objetiva entender dois aspectos principais:
* Os princípios fundamentais da ação humana que são relevantes à engenharia do design, indo além dos aspectos ergonômicos;* Entender como criar sistemas “agradáveis de usar”, que possibilitem ao usuário uma utilização cada vez mais eficiente e capaz de concretizar claramente as ações feitas pelo usuário.
*

4. COMO AS PESSOAS PENSAM (MEMÓRIAS SENSORIAIS)

De acordo com Nielsen, cientista da computação com PhD em interação homem – maquina - a Web nos tem forçado a focalizar intensamente o usuário novato.“Basicamente, todos os usuários da Web são novatos o tempo todo: ninguém utiliza um Web site o tempo suficiente para se tornar um expert naquele site”. Até mesmo quando alguns usuários retornam ao site o bastante para se tornarem experientes, é necessário que o sistema se dirija aos novatos: ninguém vai entrar em site algum a menos que fique absolutamente óbvio como utilizá-lo, em poucos segundos.
Oconhecimento de informática ou de Internet pode influenciar o Design, embora o mais importante seja a distinção entre usuários novatos, intermitentes, ou freqüentes de um Web site.
De acordo com Mayhew, internacionalmente conhecida consultora e autora a respeito de Software e usabilidade da Web, “o princípio fundamental do Design de interfaces - do qual derivam todos os outros – é...
tracking img