Elogio da loucura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 196 (48824 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Elogio da Loucura - Erasmo de Rotterdam

eBooksBrasil
Elogio da Loucura (Encomium Moriae) Erasmo de Rotterdam (1466 — 1536) Tradução base Paulo M. Oliveira Versão para eBook eBooksBrasil.com Fonte Digital Digitalização de edição em papel Atena Editora, s.d. Imagem interna: clendening.kumc.edu © 2002 — Desiderius Erasmo

ÍNDICE
Notícia Biográfica ELOGIO DA LOUCURA Erasmo a Tomás MoreDeclamação de Erasmo de Rotterdam Notas

NOTÍCIA BIOGRÁFICA
FILHO de Geraldo Elia e de Margarida Zerembergen, nasceu Erasmo no dia 27 de outubro de 1465, na cidade de Rotterdam. O seu primitivo nome de Geraldo, herdado do pai, traduziu-o ele, mais tarde em latim e em grego, tornando-se célebre com o de Desidério Erasmo. Seu pai, em virtude da perseguição da família de Margarida, por não ter o casalrecebido a bênção da Igreja, fora constrangido a refugiar-se em Roma. Em seguida desesperado com a falsa notícia da morte de Margarida, entrou num convento e fez-se padre. Ao saber, porém, que Margarida ainda vivia, voltou à Alemanha e recuperou a sua felicidade, passando a viver em companhia da esposa e do filho. Aos onze anos de idade, Erasmo já lia perfeitamente Horácio e Terêncio. Tendo perdidofile:///C|/site/livros_gratis/elogio_loucura.htm (1 of 78) [18/1/2003 15:48:25]

Elogio da Loucura - Erasmo de Rotterdam

os pais ainda muito jovem, o seu tutor internou-o no convento de Stein, onde Erasmo, desgostoso, entregou-se apaixonadamente aos estudos. Tinha apenas vinte anos quando escreveu sua primeira obra: O Desprezo do Mundo. Em seguida publicou um discurso intitulado O Bem daPaz. Esses dois trabalhos logo se tornaram muito conhecidos e celebrizaram o seu autor. O bispo de Cambrai mandou chamar Erasmo e o teve em sua companhia. Seguiu ele, depois para Paris e entrou no colégio de Montegu, mas aí se deu tão mal com a alimentação que a sua saúde ficou seriamente prejudicada. Regressando à Holanda, teve a proteção da marquesa de Nassau, Ana de Brosselen. A fidalga castelhanaforneceu-lhe recursos para as suas viagens. Erasmo foi, então, para a Inglaterra onde esteve em companhia de Lord Montjoye, que mandara chamá-lo. Daí, partiu ele para a Itália, onde se doutorou pela Universidade de Bolonha. Na Itália, Erasmo travou relações com os homens mais famosos da época. Conheceu cardeais e papas, entre estes Júlio II. Esteve em seguida, em Veneza, com Aldo Manuzio; depois,em Pádua, onde foi preceptor do filho bastardo de James Stuart; mais tarde tornou à inglaterra, onde teve em Thomas More um dos seus melhores amigos. O Elogio da Loucura (Encomium Moriae), que ora editamos, foi publicado em Paris em 1509. É uma sátira extraordinariamente interessante, na qual os potentados da época e sobretudo os homens da Igreja são impiedosamente escalpelados pela ironiaincomparável do grande escritor. Sempre inquieto e insatisfeito, percorreu Erasmo vários países, até se instalar definitivamente na Basiléia, onde morreu aos setentas anos de idade, no dia 11 de julho de 1536.

ELOGIO DA LOUCURA

file:///C|/site/livros_gratis/elogio_loucura.htm (2 of 78) [18/1/2003 15:48:25]

Elogio da Loucura - Erasmo de Rotterdam

ERASMO de ROTTERDAM

ERASMO A THOMAS MORE,SAÚDE.

ACHANDO-ME, dias atrás, de regresso da Itália à Inglaterra, a fim de não gastar todo o tempo da viagem em insípidas fábulas, preferi recrear-me, ora volvendo o espírito aos nossos comuns estudos, ora recordando os doutíssimos e ao mesmo tempo dulcíssimos amigos que deixara ao partir. E foste tu, meu caro More, o primeiro a aparecer aos meus olhos, pois que malgrado tanta distância, euvia e falava contigo com o mesmo prazer que costumava ter em tua presença e que juro não ter experimentado maior em minha vida. Não desejando, naquele intervalo, passar por indolente, e não me parecendo as circunstâncias adequadas aos pensamentos sérios, julguei conveniente divertir-me com um elogio da Loucura. Porque essa inspiração? (1) — perguntar-me-ás. Pelo seguinte: a princípio, dominou-me...
tracking img