Economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (408 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
LUCKESI, Cipriano Carlos. [et. Al.]. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 15 ed. São Paul: Cortez, 2007.
“A filosofia – como qualquer outra forma de conhecer – tem por finalidade geralestabelecer uma forma de compreensão e transformação da realidade.” (p. 65)

LUCKESI, Cipriano Carlos. [et. Al.]. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 15 ed. São Paul: Cortez, 2007.“Diversamente da filosofia que se propõe como um tribunal de desenvolvimento e julgamento dos valores de uma sociedade, a ciência tem por objetivo estudar e esclarecer as ocorrências do universo enquantoacontecimentos factuais.” (p. 70)

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo-SP: Atlas, 2010.
“O conhecimento religioso, isto é,teológico, apoia-se em doutrinas que contêm proposições sagradas (valorativas), tais verdades são consideradas infalíveis (exatas); é um conhecimento sistemático do mundo [...] como obra de um criador divino;suas evidências não são verificadas: está sempre implícita uma atitude de fé perante um conhecimento revelado.” (p. 61)

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 13 ed. São Paulo – SP. Atlas, 2010.“Um mito é uma narrativa sobre a origem de alguma coisa (origem dos astros, da terra, dos homens, das palavras, dos animais, do fogo, da água, dos ventos, do bem e do mal, da saúde e da doença, da morte,dos instrumentos de trabalho das raças, das guerras, do poder, etc.).” (p, 34)

CERVO, Amado Luiz; Bervian, Pedro Alcino; Silva, Roberto __. Metodologia Cientifica. 6ª ed. São Paulo: PearsonPrentece Hall. 2007.
“Duas são as atitudes que se podem tomar diante do mistério. A primeira é tentar penetrar nele com esforço pessoal da inteligência.” (p. 09)
“A ciência não é considerada algo pronto,acabado ou definitivo. Não é a posse de verdades imutáveis.” (p. 07)
CABRAL, Roque; [et. all.]. Logos; Enciclopédia Luso – Brasileira de filosofia. V3. Ed. 1989.
“O conceito de Milo (do grego...
tracking img