Defesa exploradores de caverna

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1317 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A defesa:

Preliminarmente:

Ao ceder a sua liberdade ao Estado o homem dá a ele os poderes de coerção contra quem invade o seu espaço de liberdade e o fere de algum modo, como também limita este mesmo homem a viver a sua liberdade sem a invasão à liberdade do próximo, caso contrário também estará sujeito às punições do Estado.

Do Direito de defesa:

1 – Sendo cabíveis de exclusão deilicitude os atos cometidos sob efeito de estado de necessidade amparado em lei penal.
2 – Do local do ocorrido é sabido que não havia mais mantimentos necessários para manterem-se vivos.
3 – Sendo do conhecimento das autoridades legais, assim como médicos os quais estes mesmo afirmaram não ser possível sobreviver por mais de 20 dias sem alimento.
4 – Era do conhecimento de todos que osmantimentos estavam por terminar e assim os ditos exploradores acabariam a padecer de fome e em um futuro morrer.
5 – Quando as autoridades foram argumentadas sobre o fato de o ser humano sobreviver com carne humana, por um instante houve hesitação, porém confirmada posteriormente o fato de ser possível.

6 – Ficando neste momento bastante claro que era do conhecimento de todos a necessidade desobrevivência dos réus e assim como também da vítima.



Da legislação:

O Código Penal em seu artigo 23 diz o seguinte:
Não há crime quando o agente pratica o fato:
I - em estado de necessidade;
II - em legítima defesa;
III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.
Excesso punível
Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo,responderá pelo
excesso doloso ou culposo.
No artigo 24 fica bastante exposto a definição de estado de necessidade.

Estado de necessidade
Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo
atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou
alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.§ 1º - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever legal de enfrentar o
perigo.
§ 2º - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito ameaçado, a pena poderá ser
reduzida de um a dois terços.

Do estado de necessidade:
Em estado de extrema necessidade, no qual se viam às portas da morte, do desconhecido; no momento em que sentiam o cansaço e a dor da falência lenta deseus corpos, como podiam ser racionais? Como podiam pensar que o ato que cometiam seria visto como uma atrocidade diante da sociedade? Será que para eles a atrocidade não seria morrerem todos agonizando?
Ainda que tentassem por mais resistir seria impossível sobreviver devido a várias complicações que acarretam o fato de não haver alimentação, abaixo Alguns sintomas que você pode observar quandoficar mais de dois dias sem comida são:
* fraqueza
* confusão
* diarreia crônica
* irritabilidade
* dificuldade para tomada de decisões
* diminuição do desejo sexual
* deficiência imunológica
A fome em estágio avançado faz com que os órgãos parem de funcionar um a um. Pessoas que sofrem de fome grave podem experimentar:
* alucinações
* convulsões
*espasmos musculares
* batimento cardíaco irregular

Segundo pesquisa uma pessoa pode sobreviver até 45 dias sem comer. Ao perder 30% do seu peso a morte é certa embora as doenças ocasionadas pela falta de comida possam matar muito antes.
Assim como em função da água. Cerca de 60 a 70% do nosso corpo é composto de água. A reposição de pelo menos um litro de água diariamente é primordial para que ascélulas realizem suas funções. Do contrário ninguém sobrevive mais do que sete dias.

Conclusão:
Uma situação em que todos se encontraram à beira da morte e sem alguém que lhes confortasse. Eis que neste ponto se volta para o começo de toda esta defesa: a morte é o desconhecido, e o desconhecido causa uma sensação horrível de medo. O medo transforma as pessoas em animais acuados, capazes de...
tracking img