Compras - efeito chicote

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 33 (8165 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O EFEITO CHICOTE : AUMENTO DE ESTOQUE E RUPTURA DE FORNECIMENTO
MÁRCIO PAES

Dentro do formato tradicional de planejamento da demanda, cada elo da cadeia de suprimentos procura gerenciar a sua demanda e seus estoques individualmente, sem cooperação de planejamento entre as demais empresas.

Muitos são os fatores que influenciam as decisões relacionadas as demandas individuais de cadaintegrante: previsão adequada da demanda; tempo de ressuprimento entre a apresentação do pedido ao fornecedor e o recebimento efetivo do pedido; se o pedido é entregue em único lote ou mais de um, falhas no controle do estoque.

Tanto a previsão de vendas, quanto a gestão de estoque são carregados de equações matemáticas para assegurar que não haverá ruptura de fornecimento ao seus clientes, nem terestoques excessivos. Acontece que, mesmo com modelos matemáticos, os fatores que acabei de citar podem variar enormemente.

Para compensar essa variação cada elo da cadeia mantém um estoque de segurança, que são quantidades extras de estoque para não faltar produto.
Na década de 60 Forrester, analisando a cadeia de suprimento de cervejas nos EUA, identificou que em alguns períodos os estoqueseram excessivos por toda a cadeia, em outros havia falta de produto. Ele denominou este fenômeno de “efeito chicote”, devido a forma do gráfico.

Observe esta figura. Ela permite ter uma visão geral deste fenômeno. A linha vermelha indica a demanda de cada agente.

Um varejista, procurando evitar ruptura (falta de produto) em sua loja, mantém um estoque de segurança pelos motivos já indicados.O atacadista para garantir que não faltará produto para o seu cliente (o varejista), faz o mesmo, deixa disponível um estoque de segurança.

A demanda total do varejista é: demanda do seu consumidor final, mais o seu estoque de segurança.

A demanda total do atacadista é: esta demanda do consumidor final do varejista, mais o estoque de segurança do varejista, mais o seu próprio estoque desegurança.

A propagação do estoque de segurança vai se ampliando através da cadeia de suprimentos, conforme é representado pela linha vermelha.

Outro exemplo pode ser encontrado neste gráfico:

Temos aqui quatro elos na cadeia de suprimentos. Note que logo no segundo elo da cadeia (no revendedor) já não estamos mais falando da demanda real do consumidor, a demanda do revendedor já nãorepresenta mais a demanda do consumidor. Acontece que essa distorção da demanda real amplifica-se ao longo da cadeia.

É possível visualizar claramente que a demanda para a fábrica é muito superior à demanda do varejista, porque o efeito chicote foi ampliado.

Outro ponto importante é o tempo indicado no eixo horizontal do gráfico: perceba que quando a demanda do varejo começa a subir demora algumtempo para a demanda do fabricante subir também. A demanda do consumidor chega com atraso para a indústria. A informação sobre a demanda se distorce cada vez mais na medida em que se distancia da demanda real do consumidor.

Neste outro gráfico podemos constatar o efeito chicote nos níveis de estoque:

Estoques elevados afetam a rentabilidade da empresa, falta de produtos afeta a satisfação docliente. Evidentemente o efeito chicote não é causa exclusiva das variações no estoque, mas a redução do efeito chicote, pode aumentar a eficiência da cadeia de fornecimento.

Algumas metodologias foram criadas para gerenciar demanda e estoque com maior precisão. Essas metodologias procuram promover a integração entre os elos da cadeia de suprimentos.
O VMI (Vendor Managed Inventory) – Estoquesgerenciados pelo Fornecedor - tem sido bastante utilizado pelas empresas.

Porém, Joe Andraski, ex-presidente da Nabisco, criou o CPFR cujas siglas traduzidas significam Planejamento, Previsão e Reposição Colaborativos. Alerta ele ““Mesmo as técnicas modernas,como o VMI tem como base no passado o giro dos produtos e não a demanda futura”. (Boletim ERC Brasil: Ano I, Agosto 2001). Por outro...
tracking img