Cibercultura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3825 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Cibercultura
Trabalho escrito individual

Cibercultura
“Locast”

Diana Ferreira
Docente da Unidade Lectiva:
Prof.ª Doutor Eduardo Pellanda

Faculdade de ciências Humanas – JuLho 2011

Resumo
No presente trabalho pretendesse desenvolver uma crítica sobre a evolução das comunicações móveis, com base no novo conceito de Locast. As novas formas de comunicação móvel começam a permitirter uma perspectiva renovada de “lugar”, ao acrescentar e memorizar emoções, informações e socializações.

Introdução
No âmbito da disciplina de Cibercultura foi proposto a elaboração de um trabalho individual/paper com base na escolha de um tema que abordasse as questões subjacentes à cadeira. O trabalho terá por base o tema “cibercultura”, sendo subdividindo numa análise crítica ao conceitode Locast.
O nosso quotidiano regesse, de uma maneira ou de outra, pelos avanços tecnológicos desde os nossos primórdios. Assim como a comunicação, com ou sem tecnologia, temos a necessidade de comunicar e de socializar. Ao longo do trabalho pretende-se perceber em que sentido as comunicações moveis estão a progredir e quais os novos formatos desse mesmo processo. O programa Locast, inserido nonovo contexto social, é um exemplo destes novos formatos, que vem de certa forma alterar a visão que temos dos lugares físicos e da relação que estabelecemos com os indivíduos.
A possibilidade de “marcarmos” os lugares, deixarmos o que sentimos naquele momento, mostra o nosso quotidiano a quem desejamos, é como termos um álbum de fotografias com tudo o que elas representam: o local onde ela foitirada, em que contexto, qual a emoção do fotografo ao tira-la, entre outras, e depois podermos partilhar num local onde o acesso fosse garantido a quem queríamos. Mas a comunicação móvel permite muito mais, sabermos que independentemente do local onde estamos, podemos estar em vários abre-nos muitas portas para a socialização e para a actualização da informação sobre os assuntos que nos são maisimportantes.

“A expansão da internet e sua incorporação nos procedimentos do quotidiano trouxe a enfatização da comunicação em rede” (Silva, Lídia, (1999), p.53).
O desenvolvimento das telecomunicações e da internet veio alterar os processos comunicacionais das sociedades. A comunicação em rede, como defende Lídia Silva, é um ambiente comunicacional em que as fronteiras se diluem e seforma uma nova geografia, pois o espaço e o tempo começam a ter outra importância em detrimento das conexões estabelecidas pelos utilizadores do novo espaço, o ciberespaço.
“Quanto ao neologismo “cibercultura”, especifica aqui o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento dociberespaço” (Levy Pierre, 1997, p.17). Podemos considerar que vivemos neste ou com este conceito à alguns anos. Desde os anos 70 com a convergência das telecomunicações e com a informática, estamos cada vez mais absorvidos nesta cultura, por vezes sem nos dar conta, pois conceitos como a via verde, internet no telemóvel, home banking, compras on-line, já fazem parte do nosso quotidiano.
Noentanto e apesar da tentativa de perceber este fenómeno, “a dificuldade de analisar concretamente as implicações sociais e culturais da informática ou da multimídia é multiplicada pela ausência radical de estabilidade neste domínio” (Levy Pierre, 1997, p24). Apesar de na década de 70 as novas formas sociais, associadas à cibercultura terem começado a surgir e este conceito perdurar até hoje, com avelocidade em que os seus pilares, as telecomunicações e a informática, vão evoluindo, tornam a compreensão deste fenómeno cada vez mais complexo e impreciso.
A utilização de meios como o e-mail, msn, agora o facebook são formas comunicacionais de cibercultura. Segundo André Lemos (2003, p.5) as novas formas de comunicação geram efectivamente novas formas de relacionamento social, no entanto...
tracking img