Casa grande e senzala capitulo iii: o colonizador português: antecedentes e predisposições

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1316 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE SEAMA
ADRYANE NAYARA VALE BORGES
ITALO OLIVEIRA DA ROCHA
JOICE BARBOSA DA SILVA
KETHLEEN OLIVEIRA DA COSTA
NÚBIA NANCY AZEVEDO PINHEIRO
SABRINA DE MORAES SANTANA

















CASA GRANDE E SENZALA
Capitulo III: O Colonizador Português: antecedentes e predisposições






















Macapá – AP
2011

ADRYANE NAYARA VALE BORGESITALO OLIVEIRA DA ROCHA
JOICE BARBOSA DA SILVA
KETHLEEN OLIVEIRA DA COSTA
NÚBIA NANCY AZEVEDO PINHEIRO
SABRINA DE MORAES SANTANA

















CASA GRANDE E SENZALA
Capitulo III: O Colonizador Português: antecedentes e predisposições



Trabalho apresentado como requisito parcial para a obtenção da nota de G2, referente à disciplina Antropologia Jurídica, sob aorientação da professora Alzira Nogueira.
















Macapá – AP
2011
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 04
ORIGEM SOCIAL DOS PORTUGUESES 05
O ÊXITO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL 05
CARÁTER ARISTOCRÁTICO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA 06
NO BRASIL.
ELOGIO DA MISCIGENAÇÃO. 06
CONSIDERAÇÕES FINAIS. 07
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 08INTRODUÇÃO

Baseado em conteúdos pesquisados, e na leitura do III capitulo do livro “ Casa Grande e Senzala” escrito por Gilberto De Mello Freyre, publicado em 01 de dezembro de 1933, apresentaremos uma abordagem concisa e objetiva sobre o tema, “ O Colonizador Português: antecedentes e predisposições”, essencialmente a cerca das origens sociais dos portugueses, elogio da miscigenação, o êxito dacolonização e o caráter aristocrático da colonização.

1. ORIGEM SOCIAL DOS PORTUGUESES.
Desde a cessação do conflito bipolar, na ultima década do século XX, e o fim da rivalidade entre os dois blocos, pensadores de diversos campos do conhecimento deram suas contribuições apara a reflexão teórica da nova situação internacional.
Seja qual for à fundamentação de hipóteses, a idéia da existência dosagrupamentos de países baseados nas características culturais comuns, não é nova.
Neste contexto, Gilberto Freyre, fundamenta uma teoria particular sobre a origem social portuguesa, durante a primeira metade do século XX. Luso-tropicalismo supõem a existência de uma civilização original que se ergueu sobre os alicerces advindos da expansão portuguesa por zonas tropicais do mundo e do modoparticular dos portugueses de se relacionar com as populações indígenas. Foi através desta interação que compreende a mutua influencia em varias dimensões da vida cotidiana, nomeadamente estilo de se vestir, culinária, comportamento social, ritos religiosos e, não menos, expressões idiomáticas de, dois ou no caso do Brasil, de três elementos, que se criaram sociedade hibridas (Cruzamento de elementosdiferentes), na sua composição etnocultural, afirma Freyre.
2. O ÊXITO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL
No capitulo III de Casa Grande e Senzala, que leva o titulo “O Colonizador Português: antecedentes e predisposições”, encontra-se uma das mais agudas e originais interpretações do autor, sobre o papel que exerceram os portugueses em nossa sociedade na época da colonização.
Afirma Freyre, quese criou no Brasil, sabe-se lá por que descaminhos ou sortilégios (Maquinação ou trama), a idéia de que a colonização portuguesa de nosso território foi, antes de qualquer coisa ou quase estritamente, predatória. Admite o autor, que se desenvolveram aqui algumas formas graves de predação, que foram desde as praticas escravagistas e a monocultura açucareira, até a desenfreada exploração de nossosrecursos naturais, particularmente os de origem mineral, às quais se poderia acrescentar outros males, como da falta de liberdade individual em quase todos os níveis sociais, a carência de investimentos no processo educacional, do sufocante excesso de autoritarismo por parte de um colonizador que desde sempre insistiu em desprezar as diferenças culturais e étnicas dos grupos humanos que se...
tracking img