Aula 7 - cores

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2478 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Memeco Sardinha Botelho
Última 7- Impressionismo

O Impressionismo foi um movimento artístico francês, que utilizou a pesquisa científica contemporânea realizada sobre cor, incluindo o trabalho feito por Miguel Engene Chevreul (1786-1889) para conseguir uma representação mais exata da cor.

Embora não tenha nenhum interesse em cores da mesma maneira que um artista, é improvável que outroquímico tenha influenciado o desenvolvimento da arte tanto quanto Chevreul. Ele foi um químico francês que trabalhava com a fabricação dos famosos tapetes Gobelin e nunca conseguia dar ao produto a cor quer imaginava. Depois de muitas pesquisas, chegou à conclusão de que as cores não dependiam apenas da química dos corantes, e sim da influência das cores diferentes muito próximas, no sistema visual.Resolveu, então, estudar o fenômeno em bases científicas e publicou, em 1889, o artigo “Sobre a lei do contraste simultâneo das cores e da mistura dos objetos coloridos”.


Figura 48 - Disco simultâneo colorido de Chevreul

O trabalho de Chevreul influenciou vários movimentos de arte, como Impressionismo, o Neo-Impressionismo e o Cubismo, conforme afirma Argan:
[...]Embora Manet ainda não aplique as leis das cores complementares (ou “dos contrastes simultâneos”), como posteriormente farão os impressionistas, todo o seu espaço pictórico é entremeado por essas relações. (ARGAN, 1999, P.97.)
Essas leis sobre os contrastes fizeram com que Chevreu desenvolvesse também o “Círculo da cor de 72 segmentos”. Esse círculo define a tonalidade das cores em direção aobranco ou ao preto.

Figura 49 - Circulo da cor de 72 segmentos de Chevreul



Figura 50 - Representação tridimensional do Círculo de 72 segmentos de Chevreul


Israel Pedrosa em seu livro “Da Cor à Cor Inexistente” destaca o trabalho de Chevreul:

[...] Michel-Eugène Chevreul , químico francês [...]professor de química e diretor das tinturarias para manufatura de gobelins, tornou-se membro da Academia de Ciências em 1826. Em sua obra principal, Da Lei do Contraste Simultâneo das Cores, com meticuloso trabalho de pesquisa, procurou desenvolver os princípios levantados por Leonardo [...] para explicar cientificamente aquilo que os grandes pintores de todos os tempos percebiam por intuição.(PEDROSA, 1997 ,P.167)
Os impressionistas utilizaram-se dos conceitos científicos de Chevreul e aplicaram a tinta em pequenos toques de cor pura, fazendo com que a cor parecesse mais brilhante. Acreditaram, desta forma, captar uma particular impressão de cor e luz.

A grande mudança na técnica até então utilizada permitiu à pintura os efeitos coloridos da luz solar.

Sandro Sproccati, no Guiade História da Arte (1991) afirma que os impressionistas trataram o tema pelas suas tonalidades e não pelo próprio tema, e foi isso que os distinguiu dos outros pintores.

Os impressionistas fixavam, diretamente na tela, as cores saídas dos tubos, deixando de misturá-las na paleta e eliminando a linha de contorno para definir o espaço e as separações entre as imagens.

Para Flexa Ribeiro em“História Crítica da Arte”:

Embora não se tratasse de novo ingrediente, a iniciação dos impressionistas importava em mudança integral nos meios materiais de produzir sensações ópticas que, indiretamente, surgissem ao observador numa espécie de dupla sensação óptica e tátil. (RIBEIRO, 1965, P. 186)

Foi uma ruptura total com a tradição acadêmica na escolha dos temas, ao renegar os religiosos eos históricos, e tudo mais que possuísse subjetividade e valores literários.

A cor tornou-se elemento dinâmico de acordo com as constantes variações impostas pela luz. Como a linha não existe na natureza, o limite das superfícies coloridas é que determinavam a forma.

Nesse sentido, o caráter do Impressionismo foi essencialmente visual e científico devido às pesquisas no campo da ótica,...
tracking img