Atps lingua brasileira de libras

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 23 (5527 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Anhanguera – UNIDERP
Centro de Educação a Distância
ATPS –Língua Brasileira de Sinais (Libras)

Disciplina: PEDAGOGIA

Tutor presencial:Profº. Sandra Rosa Silva
Tutor à distância: Priscila dos Santos Beck

Ângela Mara Silvério - RA369681email:anjinhas28@yahoo.com.br
Eliene Pereira dos Santos – RA e-mail: lili.pereirasantos@hotmail.com
GesebelWagemacher – RA 378193 email: belw_@hotmail.com
Kátia Maria dos Santos – RA 387732email:khatiamaria@hotmail.com
Maria Tereza Nascimento Rodrigues Pascoal – RA 365682
Email: mariaterezapascoal@hotmail.comDATA: 15/11/2012 VITORIA,ES

SUMARIO

01. Introdução

02.Temática da surdez em seu aspecto médico, culturale social, e sobre libras e a cultura surda em seusaspetos

03. Plano de Aula Estações do Ano
04. Atividades pedagógicas para os alunos surdos e/oualunos com deficiência auditiva, de acordo com a sua realidade de atuação

01.INTRODUÇÃO

LínguaBrasileira de Sinais (Libras)

A importante para que você possa conhecer, contextualizar historicamente e refletir sobre a surdez nas perspectivas médica, educacional e cultural, abrangendo a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e a Cultura Surda. Revela sua importância ao possibilitar a problematização do tema, e ao desvelar-se como mais um recurso didático para a aproximação entre gruposlinguísticos majoritários (ouvinte) e minoritários (surdos).
 

01.TEMÁTICA DA SURDEZ EM SEU ASPECTO MÉDICO, CULTURALE SOCIAL, E SOBRE LIBRAS E A CULTURA SURDA EM SEUS ASPECTOS.
EDUCAÇÃO PARA SURDOS, PARA TODOSMarcos teórico e mudanças de paradigmasNa década de oitenta, iniciamos as discussões sobre bilingüismo e educaçãobilíngüe para surdos, aqui no Brasil, utilizando a expressão de sá (1998),poderíamos dizer que realizamos uma “virada lingüística”, uma vez que foram lingüistas, professores e estudantes de letras (graduandos e pós-graduandos) que introduziram novos paradigmas para a educação de surdos, com “s” maiúsculo, já que os surdos deixaram de ser rotulados de das, e passaram a ser considerados “estrangeiros” em seus próprio país, minoria lingüística que possuía sua própria língua ,a lscb, e se assumiram como membros de uma cultura, felipe (1988 e 1989). As comunidades surdas, felipe (1988), felipe et al (1991), por identificação, luta, transgressão, libertação, rapidamente acataram esses paradigmas e também levantaram a bandeira pela educação bilíngüe, tornando-se seus defensores, exigindo mudanças educacionais e a oficialização da libras, felipe (1993), corde (1996).oembate entre oralismo, comunicação total e educação bilíngüe percorria por todo o brasil. Eventos acadêmicos, trabalhos acadêmicos, monografias, dissertações e teses apresentavam propostas e experiências. O deafpower começou a se insurgir, como nos estados unidos. Os surdos começaram a se interessar em pesquisar sua língua, ensiná-la de maneira mais pedagógica, a fazer teatro e poesia em libras, aassumirem sala de aula, como instrutores, monitores e professores, começaram a exigir mudanças, intérpretes, legenda para noticiários e outros programas de televisão, através do closedcaption, telefonia para surdos (tdd), começaram a apresentar trabalhos e debater, em eventos, novas alternativas para a educação de surdos, inclusive alfabetização em libras, através do signwriting (stumpf, 1998;www.signwrinting.org). Todas essas iniciativas e conquistas culminaram no documento “a educação que nós surdos queremos”, entregue ao mec e a outros órgãos públicos e instituições, para ser considerado, quando da elaboração das diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica (resolução mec/cne: 02/2001).A feneis, junto com os intérpretes de libras, começava a organizar e discutir...
tracking img