Atividades interativas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1068 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Aula-tema 6: A Proteção contra o Legislador
Até o presente momento, tratamos dos Direitos Humanos Fundamentais, em seu conteúdo e evolução histórica, que os colocaram em duas gerações de Direitos. A terceira geração, que é o direito a um meio ambiente sadio e equilibrado e à qualidade de vida, resumidos em Direitos de Solidariedade, ainda está em desenvolvimento. Desta forma, nossoquestionamento gira em torno de saber quem nos protegeria contra os abusos do Estado, representado, neste momento, por seus órgãos, como, por exemplo, o Poder Legislativo; dividido em Câmara dos Deputados e Senado Federal.
Vimos, na aula passada, que cabe ao Poder Judiciário a defesa dos Direitos Humanos Fundamentais, mas e se esta divisão de Poderes, idealizada por Montesquieu no sistema de freios econtrapesos que já vimos, em Executivo, Legislativo e Judiciário, falhar na defesa dos nossos direitos ou simplesmente violá-los? Quem ou o que nos protegeria?
Estas indagações começaram a ser respondidas com a teoria do Constitucionalismo, que tem por objetivo principal assegurar os direitos fundamentais contra os Poderes. Esta doutrina entende que o Estado, às vezes, pode ser nosso inimigo, pois écontrolado e administrado por pessoas.
No caso das violações provenientes do Poder Legislativo, que resumidamente é aquele responsável por criar as leis, de acordo com a vontade e expectativas do povo que elege seus representantes, nossa defesa está justamente na exigência de controle de constitucionalidade dos seus atos.
Talvez você se recorde de que a Constituição de um país é norma superior eque contra ela nenhuma outra pode se sobrepor, justamente porque são inferiores. Para exemplificar, podemos dizer que se a Constituição diz, na parte reservada aos direitos sociais, que temos direitos ao salário mínimo, se uma nova lei trabalhista viesse depois com o intuito de excluir esse direito, não poderia fazê-lo, pois feriria a norma superior e seria, portanto, declarada inconstitucional.O Controle de Constitucionalidade surgiu nos Estados Unidos quando o juiz Marshall, por meio do julgamento de um caso, formulou a doutrina que pela primeira vez, declarou a inconstitucionalidade de uma lei.
Tal doutrina dizia que “a Constituição é a lei suprema, imutável por procedimentos comuns. Do que decorre a invalidade dos atos que a contradigam, mesmo sendo leis regularmente adotadaspelo Poder competente.”
Portanto, se num caso concreto o juiz percebe a inconstitucionalidade de uma lei, deve declará-la e não aplicá-la àquele caso.
Entretanto, se os três poderes são independentes e harmônicos entre si, se por acaso o juiz, que representa o Poder Judiciário, declara a inconstitucionalidade de uma Lei a um caso que está julgando, não estaria ferindo a esfera do PoderLegislativo, que criou a Lei?
Para responder a este questionamento, trataremos dos modelos de controle de Constitucionalidade existentes, que foram criados justamente para manter a harmonia entre os Poderes e, assim, garantir a efetividade das Constituições.
O modelo norte americano permite que o juiz da causa faça o controle de constitucionalidade. Chamamos este controle de difuso, pois o juiz quedeclara a inconstitucionalidade, o faz apenas diante de um caso concreto, ou seja, incide apenas sobre aquele caso; e o desfaz, anulando todos os direitos que aquela situação produziu desde o passado até o momento da sentença, e isto é o que chamamos de efeitos “ex tunc”.
Aqui no Brasil, adotamos este modelo na primeira República, mas aperfeiçoamos depois, como veremos a seguir.
É claro que nestemomento, continuávamos a discutir a questão da invasão das esferas dos Poderes Legislativo e Judiciário, pois o juiz ainda detinha o poder de declarar a inconstitucionalidade de uma lei.
Então, encontramos no modelo europeu certa diferença, que se baseava no fato de que o controle de Constitucionalidade era realizado por uma Corte, para onde o juiz da causa remetia sua desconfiança sobre a...
tracking img