As idades da vida

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2059 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
REDE FTC
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
PSICOLOGIA – I SEMESTRE

O SENTIMENTO DA INFÂNCIA

FEIRA DE SANTANA - 2011
REDE FTC
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
PSICOLOGIA – I SEMESTRE

O SENTIMENTO DA INFÂNCIA

Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de TID I, do curso de Psicologia, turno matutino, da Rede FTC, ministrado pelaprofessora Cris.

FEIRA DE SANTANA - 2011
SUMÁRIO

o sentimento da infância 4

1. As Idades da Vida 4
2. A Descoberta da Infância 6
3. O Traje das Crianças 7
4. Pequena Contribuição à História dos Jogos e Brincadeiras 8
5. Do Despudor à Inocência 9
CONCLUSÃO: Os Dois Sentimentos Da Infância 10
REFERÊNCIAS 11

O Sentimento da Infância

1. As Idades da Vida

Asidades da vida é uma construção histórica. Esse termo nem sempre existiu. Por muito tempo não houve separação entre o mundo da infância, o mundo da juventude, o mundo adulto, e o mundo da velhice. Estes se resumiam em apenas um. Hoje, a vida do homem é dividida em fases, de acordo com a idade em que ele passa.
Assim que chegamos ao mundo, nossos pais tendem a querer nos ensinar, primeiramente,nosso nome, o nome deles, e nossa idade. E, temem o fato de que, estamos sujeitos a errar. Em certos casos, a idade chega a torna-se um assunto de uma atenção especial voltada à individualização, exatidão e a autenticidade. Ainda que, alguns, não dêem tamanha importância. É como nos diálogos de Mathurin Cordier, duas crianças se interrogam na escola, em que um deles pergunta a idade do outro, e eleresponde de acordo com o que ouviu um dia sua mãe lhe dizer. Ou seja, independente das mudanças cronológicas pessoais serem aceitas na prática habitual, a criança, no caso, não se determina a ter um conhecimento real.
As idades, idades da vida ou idades do homem, representavam nos nossos antecedentes as noções reais, tão repercutidas, tão contextualizadas e tão usuais, que excederam aquilo que aciência compreende para a experiência comum. Hoje em dia não possuímos mais esse pensamento de que a noção de idade tem tamanha importância como nas antigas representações do mundo.
O autor menciona que não quer distinguir no capítulo, sua formulação exata e seu lugar científico. E sim, que o importante apenas é notar em que proporção essa ciência se tornou familiar, seus conceitos para nossamentalidade e o que ela representava na nossa, no nosso dia-a-dia.
Cada “idade da vida” tem suas características específicas, com o desenvolvimento do corpo humano bem como do cérebro e da inteligência. A primeira idade é a infância, é o período que começa quando a criança nasce até aproximadamente seus 12 anos. É nessa idade que a criança possui um grande desenvolvimento físico e psicológico,incluindo mudanças no comportamento, que de certa forma vai criando a sua personalidade.
Após a infância, vem a segunda idade, a adolescência, ou também chamada de juventude. Considerada a fase do desenvolvimento, pois acontece maior parte das mudanças no corpo, tornando-se totalmente visíveis, e que emocionalmente, você se torna uma pessoa bastante diferente. É quando os adolescentes querem maiorliberdade. É a idade entre os 13 e 20 anos. Porém, a meu ver, a adolescência não deve ser medida pela idade cronológica e sim, com as dificuldades de entrada no mercado de trabalho, com as ansiedades e medos envolvidos na saída da casa dos pais.
Os termos "adolescência" e "juventude" são por vezes usados como semelhantes, são duas fases perceptíveis, mas que se sobrepõem.
Depois dos 20 anos,segue-se a terceira idade, a adulta, onde o ser humano está na plenitude de suas forças, essa idade termina entre os 60 ou 65 anos, e até mesmo antes disso. Pode ser definida quando os pais perdem direitos parentais ou deixam de ter deveres para com a pessoa em causa, como o da responsabilidade financeira.
Enfim, após essa idade, chega-se a velhice, que dura até que a pessoa venha a falecer. É assim...
tracking img