O realismo em portugal e no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1967 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O REALISMO EM PORTUGAL
O realismo na literatura surge em Portugal após 1865, devido a questão Coimbrã e as conferencias do Casino como resposta a artificialidade, formalidade e aos exageros do Romantismo de uma sentimentalidade mórbida.
Eça de Queirós é apontado junto a Antero de Quental como o autor que introduz este movimento no país sendo o romance social, psicológico e de tese a principalforma de expressão.
A religião e a sociedade estavam interessando- se pela analise social, pela representação da realidade, do sofrimento da corrupção e do vicio. A escravatura, o racismo e a sexualidade são retratados com uma linguagem clara e direta.
A primeira manifestação do Realismo em Portugal deu-se inicialmente na questão coimbrã, polemica esta que significou nas palavras de TeófiloBraga “a dissolução do Romantismo”.
O segundo episodio em 1871 nas conferencias do Casino ou conferencia democrática do Casino. Nessa nova manifestação a chamada geração de 70, os contornos do que seria o Realismo apareceram desenhados com maior nitidez, através da conferencia realizado por Eça de Queirós intitulada o Realismo como uma nova expressão da arte.
Para Eça só uma arte poderia entrar emcampos sórdidos e mostrava realmente como era a sociedade, visando mostrar os problemas morais e assim poder melhorar a humanidade.


PRINCIPAIS AUTORES E OBRAS DO REALISMO EM PORTUGAL

José Maria Eça de Queirós, nasceu em 1845, passou a infância e a juventude longe dos pais, não era casado, estudou Direito na Universidade de Coimbra, Eça de Queirós e o representante maior da prosa realista emPortugal, ele morreu dia 16 de agosto de 1900 em Paris. Deixava um episódio literário que veio a ser publicado aos poucos.

OBRAS
- O Crime do Padre Amaro, 1876. Segunda edição refundida, 1880.
- O Primo Basílio, 1878.
- O Mandarim, 1880.
- A Relíquia, 1887.
- Os Maias, 1888.
- Uma Campanha Alegre, 1890 e 1891.
- A Ilustre Casa de Ramires, 1900.
- Correspondências de Fradique Mendes,1900.
- Dicionário de Milagres, 1900.
- A cidade e as Serras, 1901. Contos, 1902.
- Prosas Bárbaras, 1903. Cartas de Inglaterra, 1905.
- Ecos de paris, 1905.
- Cartas Familiares e Bilhetes de Paris (1893-1896), 1907.
- Notas Contemporâneas, 1909.
- A Capital, 1925.
- O Conto de Abranhos e a Catástrofe, 1925.
- Correspondência, 1925.
- Alves & Cia, 1926.
- O Egito, 1926.
- Cartas Inéditasde Fradique Mendes e Mais Paginas Esquecidas, 1929.
- Novas Cartas Inéditas de Eça de queirós, 1940.
- Crônicas de Londres, 1944.
- Cartas de Lisboa, correspondência do Reino, 1944.
- Cartas de Eça de Queirós, 1945.
- A Tragédia da Rua das Flores, 1980.


Antero de Queiroz, nascido na Ilha de São Miguel, durante a sua vida Antero dedicou- se à poesia, filosofia e a política, estudou nacidade natal, aos 16 anos mudou para Coimbra, ali ele estudou direito. Em 1861 publicou seus primeiros sonetos, ainda em 1861 foi viver em Lisboa a onde ele trabalhou como tipografo profissional, ele exerceu essa profissão também em Paris entre janeiro e fevereiro de 1867. Em fim ele fez muitas coisas.
Antero de Queiroz regressou a Lisboa a onde ele acabou se suicidando no dia 11 de setembro de1891, por causa de seu estado de depressão profundo da fim a sua vida com dois tiros na boca disparados num banco de jardim.

OBRAS
- Soneto de Antero, 1861.
- Beatrice e Fiat Lux, 1863.
- Odes Modernas, 1865 (na origem da polemica da Questão Coimbrã). Reeditadas em 1875.
- Bom Senso e Bom Gosto, 1865 (opúsculos).
- A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais, 1865 (na origem da polemicada Questão Coimbrã).
- Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX, 1865.
- Primaveras Românticas, 1872.
- Considerações sobre a Filosofia da Historia Literária Portuguesa, 1872.
- A Poesia na Atualidade, 1881.
- Sonetos Completos, 1886.
- A Filosofia da Natureza dos Naturistas, 1886.
- Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Século XIX, 1890.
- Raios de Extintas Luz,...
tracking img