Realismo no brasil e portugal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1276 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1. rEALISMO


O Realismo é uma corrente literária surgida na segunda metade do século XIX, onde a sociedade passava por mudanças profundas, lutas sociais, tentativas de revolução, novas ideias políticas, científicas, filosóficas e artísticas. A obra que marca o início do Realismo mundial é Madame Bovary, de Gustave Flaubert.





1. REALISMO EM PORTUGAL (1865-1890):O Realismo em Portugal nasceu com a chamada Questão Coimbrã. Em Lisboa a geração Romântica foi comandada por Feliciano de Castilho, sempre fiel à corrente.
Em Coimbra um grupo se mantinha ligado ao Realismo de Antero de Quental. Assim os partidários de Antero de Quental, aguardavam a oportunidade de atacar os partidários de Castilho. Cada grupo defendia o seu estilo.



Em l865Castilho, num posfácio, colocou no Poema da Mocidade de Pinheiro Chagas, uma pequena referência a Coimbra, afirmando lhe faltar "bom senso e bom gosto", falando nominalmente os nomes de Teófilo Braga e Antero de Quental. 
O fato é que Antero de Quental se sentiu ofendido. E as palestras públicas de l87l foram expostas e debatidas várias questões tendentes à definição das diretrizes danova literatura.

A geração Realista, também conhecida por geração de l870, inaugurou em Portugal o primado da ciência e do Positivismo e aceitou e difundiu as teorias revolucionárias acerca da história e da cultura.




(Fig. 1)


A época foi cruzada por 3 escolas literárias: A Realista, a Naturalista e a Parnasiana. Em Portugal não houve uma separaçãonítida entre estas três escolas. 
O Realismo em Portugal atendeu mais os desígnios da revolução social e política. (Fig. 1)
1.2. POESIA REALISTA

A poesia é pragmática, servindo o verso de arma de combate, de reforma social e política. O sentido revolucionário era o traço característico da poesia Realista. A bandeira da revolução social e artística empunhada pela geraçãode 1870, levará a poesia portuguesa à exaltação do ideário realista, deixando à sombra as vozes tímidas do Parnasianismo com seus relicários ."A poesia realista é a voz da revolução"- proclamava Antero de Quental.
Guerra Junqueiro afirmava - "A poesia realista deve ter um caráter científico" e mais "A poesia é a verdade transformada em sentimento".

O lirismo realista ébastante variado e complexo, aparecendo ao lado da poesia social, comprometida com a revolução, a metafísica, aproximando-se do quotidiano.




3. POETAS E OBRAS

1.João de Deus - "Campo de flor".

2.Antero de Quental -1a. fase-"Raios de extinta luz", "Primaveras Românticas", "Harpa do Crente",
2a. fase: "Odes Modernas", 3a. fase: "Sonetos completos".3.Guerra Junqueiro-"A morte de D. João", "A velhice do Pe. Eterno"," Oração ao pão e Pátria;

4.Gomes Leal - "Claridades do sul", "História de Jesus", "A senhora da melancolia".

5.Cesário Verde - "Horas mortas", "O sentimento dum Ocidental".

1.4. ÉPOCA DE TRANSFORMAÇÃO:

Os exageros provocados pelo Romantismo e as grandes transformações operadas na época, fizeram com que oestilo literário fosse tomando novos rumos. Acabava o tempo do sonho, da fantasia e aparecia um mundo real, para ser visto, sentido e apalpado. A sociedade européia estava completamente mudada e novos princípios foram adotados. A classe média passou a ter acesso ao poder, orientada pelo manifesto de Karl Marx e Engels. Nota-se também o enorme avanço científico, novas descobertas e novas teorias. Ocomércio, a indústria tomaram um grande impulso. Também na Filosofia tivemos grandes progressos.
O Realismo originou-se na França e teve como precursores vários elementos como Darwin com a "Teoria das espécies", Balzac, criador do romance moderno, Stendhal e Dostoievsky. Todos contribuíram para a expansão da corrente.
O estilo iria firmar-se com Gustave Flaubert que escreveu "Madame...
tracking img