A luta pelo direito - fichamento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2057 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO

O autor tem como diretriz pessoal a luta pelo direito do cidadão, não aceita de maneira alguma que o Direito das pessoas sejam cerceados. Utiliza como afirmação de sua luta uma frase do filósofo Kent: “Quem se transforma em verme não pode se queixar de ser pisado aos pés dos outros.”.[1]
O autor também usa outra frase do mesmo filósofo: “Não permiti quevosso direito seja pisoteado impunemente.”.[2]
O autor se levanta contra a passividade covarde, comodista e indolente, diante da agressão ao direito.
O autor foi em muitas ocasiões, contestado pelo opinião emitida sobre a obra O mercador de Veneza de Shakespeare.
Durante o decorrer da trama, o credor vingativo quer que a dívida seja paga pelo devedor com umpedaço de sua própria carne, uma libra da carne do devedor, depois de julgado e condenado a pagar todos, inclusive o próprio devedor aceitam a decisão do juiz.
Porém, o juiz que poderia ter anunciado uma sentença diferente, à favor do devedor, aceitou o pedido de indenização do credor, uma libra da carne, mas quando o credor quer receber seu pagamento, o juiz sentencia que ele podetirar apenas uma libra da carne do devedor nem mais, nem mesmo e sem sangue.
O autor entende esta decisão como uma artimanha para contrariar uma decisão judicial, pois, não se pode cortar a carne e não haver sangue.
Por este motivo o autor afirma que houve uma fraude, mesmo com o apelo humanitário da questão em julgamento e ele questiona, se os fins justificam os meios,porque não aplicou este princípio a própria sentença, mas só após ela?


CAPÍTULO I


O fim do direito é a paz. Enquanto o mundo existir haverá a luta pelo direito, pois todo direito do cidadão e dos povos são conseguidos para preservar o estado de direito.
O direito não é uma simples idéia, mas uma força viva. Por isso o seu símbolo sustenta uma balança e umaespada. A balança para pesar o direito, e a espada para defender o direito de todos.
Existem pessoas que vivem dentro dos limites do direito colocados pelo Estado. Esses vivem em paz, tranqüilidade, não conseguem entender onde está a luta, porque outros lutam para eles gozarem o direito de paz.
Assim como aquele que recebe uma herança milionária, ele diz que ser conforto eluxo vem de muito trabalho, mas, ele mesmo não lutou para consegui-lo foram outros que o fizeram.
O autor entende que o direito tem usado mais a balança do que a espada, e quer tratar o assunto, mais no campo subjetivo, sabendo, porém, que a luta é a própria essência do direito, e também prevalece no terreno objetivo.
A teoria de Savigny e Puchta vão contra a idéia doautor, porque eles entendem que o direito caminha sozinho abrindo fronteiras para a verdade, sem lutas, dessa maneira era o antigo direito romano, que o credor que não recebia o que era devido, vendia o devedor como escravo.
Foi entendendo o direito neste ângulo que o autor se formou e viveu por muitos anos, e perguntava: “será que ela tem foros de verdade?”. Existem muitos aspectosdo direito que levam à lutas gigantescas, porque a grande parte das mudanças ocorreram através de leis, e sempre acontecem brigas judiciais quando o interesse adquirido de alguém é ameaçado. Por isso que existem situações que a própria sociedade não aceita, mas ainda não se conseguiu acabar com elas, porque ainda existem pessoas lutando pelos direitos adquiridos e não querem perder o que lhes éfavorável, mesmo que isso prejudique a sociedade.
Para conseguir mudanças são necessárias muitas lutas, como, por exemplo, na libertação dos escravos, no direito de poder adquirir um pedaço de terra. A luta existe porque fere o direito de alguns que não abrem mão de seus ganhos, mesmo estando contra o caminhar para uma melhoria de todos.
O autor contesta a doutrina de...
tracking img