A cultura como hermeneutica de significado

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 30 (7324 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A CULTURA COMO HERMENEUTICA DE SIGNIFICADO

NOME DOS ALUNOS

VALDIRENE CINTRA

RECIFE

2011

NOME DOS ALUNOS

VALDIRENE CINTRA

A CULTURA COMO HERMENEUTICA DE SIGNIFICADO

Professora Luíza Pontual
Da disciplina A CULTURA COMO HERMENEUTICA DE SIGNIFICADO
Da turma 2º Período, turno noturnoDo curso de Direito

FASNE – Faculdade Salesiano
Recife – 25/05/2011

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO

2. ANTROPOLOGIA HERMENÊUTICA E CULTURA ORGANIZACIONAL

3. ANTROPOLOGIA INTERPRETATIVA

4. A HERMENÊUTICA DIATÓPICA

5. CONCLUSÃO

1 - INTRODUÇÃO:

Hermenêutica é a ciência filosófica voltada para o meio de interpretação de um objeto. No caso do Direito,trata-se de técnica específica que visa compreender a aplicabilidade de um texto legal.
Em palavras mais simples: quando uma lei entra em vigor, assim como toda e qualquer literatura, requer uma compreensão de seu conteúdo. Se não houvesse regras específicas para tal interpretação (e é disso que trata a hermenêutica jurídica), cada qual poderia (quer juízes, quer advogados) entender a lei damaneira que melhor lhe conviesse. Logo, a Hermenêutica traz para o mundo jurídico uma maior segurança no que diz respeito à aplicação da lei, e, ao mesmo tempo, assegura ao legislador uma antevisão de como será aplicado o texto legal, antes mesmo que entre em vigor.
Segundo Carlos Maximiliano, "É a hermenêutica que contém regras bem ordenadas que fixem os critérios e princípios que deverão nortear ainterpretação. Hermenêutica é a teoria científica da arte de interpretar, mas não esgota o campo de interpretação jurídica por ser apenas um instrumento para sua realização."
Autêntica, é aquela que provém do legislador, que demonstra no texto legal a mens legis. Doutrinatária é dada pela doutrina, pelos cientistas jurídicos. Jurisprudencial, produzida pelo conjunto de sentenças, acórdãos,súmulas e enunciados.
Literal, busca o sentido do texto normativo, com base nas regras comuns da língua. Histórica, busca o contexto fático da norma. Sistemática, considera em qual sistema se insere a norma, relacionando-a a outras normas pertinentes ao mesmo objeto Teleológico, busca os fins sociais e bens comuns da norma, dando-lhe certa autonomia em relação ao tempo que ela foi feita.Tratando-se de hermenêutica jurídica, o termo significa a interpretação do Direito (seu objeto), que pode - e deve - passar por uma leitura constitucional e política. Vale ressaltar a interpretação sociológica - Que é a interpretação na visão do homem moderno.
E ainda, a Holística, que abarcaria o texto a luz de um mundo transdiciplinar (filosofia, história, sociologia...) interligado e abrangente.Inclusive, dando margem a desconsiderar certo texto em detrimento de uma justiça maior no caso concreto e não representada na norma.
O que é moral mesmo alijado de qualquer conteúdo valorativo tem sido invocado para preencher lacunas deixadas pela própria perda de sentido do que é moral ou é imoral, por uma discursividade instrumental que tão-somente tem produzido argumentos complexos paralegitimar a irracionalidade conformativa sustentada pela racionalidade (pós)moderna construída por setores sociais em particular, político-econômicos enquanto estratégia mutante e sofisticada de controle social. Desta forma, as referências do que é moral tanto quanto o que é imoral não estão sendo utilizadas para a melhoria da qualidade de vida comunitária. Isto é, no Brasil, não têm sido utilizadas paraa emancipação subjetiva da pessoa, apesar da dignidade da pessoa humana configurar-se num dos princípios fundamentais objetivados na Constituição da República de 1988.
A discussão que hoje se trava acerca da fundamentação e das teorias éticas do discurso tem gerado importantes conseqüências na própria fundamentação do moral, segundo Marina Velasco, a qual conclui que não se pode fundamentar...
tracking img