Vacinas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 76 (18903 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Pós Graduação em Saúde Coletiva

Eduardo Stramandinoli Moreno

Metodologia para definição de áreas
prioritárias para vacinação contra
Febre Amarela, baseada em
parâmetros ambientais e análise por
correspondência múltipla

Trabalho de dissertação proposto para obtenção do
título de Mestre em Saúde Coletiva

São Paulo -2011

2

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Pós Graduação em Saúde Coletiva

Eduardo Stramandinoli Moreno

Metodologia para definição de áreas
prioritárias para vacinação contra
Febre Amarela, baseada em
parâmetros ambientais e análise por
correspondência múltipla

Programa de Pós-Graduação da Faculdade de
Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
Trabalhode dissertação proposto para obtenção do
título de Mestre em Saúde Coletiva
Área de concentração: Saúde Coletiva
Orientador: Prof. Dra. Rita Barradas Barata

São Paulo - 2011

3

FICHA CATALOGRÁFICA
Preparada pela Biblioteca Central da
Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Moreno, Eduardo Stramandinoli
Metodologia para priorização de municípios para vacinaçãocontra
febre amarela, baseado em parâmetros ambientais e análise por
correspondência múltipla./ Eduardo Stramandinoli Moreno. São Paulo,
2011.
Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Médicas da
Santa Casa de São Paulo – Curso de Pós-Graduação em Saúde
Coletiva.
Área de Concentração: Saúde Coletiva
Orientador: Rita de Cássia Barradas Barata

1. Febre amarela 2. Medição de risco 3.Vacinação 4. Análise
multivariada
BC-FCMSCSP/30-11

4

AGRADECIMENTOS

À Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e a Irmandade da
Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.
Ao Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac” da Coordenadoria
de Controle de Doenças / Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo, pela oportunidade
de realização deste projeto.
AoProfessor Dr. Gizelton Pereira Alencar do Departamento de Epidemiologia da
Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, pelo apoio estatístico ao
projeto.

5

DICIONÁRIO DE ABREVIATURAS

ACM – Análise por Correspondência Múltipla
CIIAGRO-SP - Centro Integrado de Informações Metereológicas do Estado de São Paulo
CRESESB - Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgiode Salvo Brito
CVE – Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Dr. Alexandre Vranjac
DER – Departamento de Estradas e Rodagem
DIST_UC - Distância para Unidade de Conservação
DIST_VAC - Distância para área com recomendação de vacinação contra FA
EAG – Evento Adverso Grave
ETR – Evapotranspiração Real
FA – Febre Amarela
FAS – Febre Amarela Silvestre
FAU – Febre Amarela Urbana
IAL –Instituto Adolfo Lutz
IDM – Índice de Densidade de Manchas
IDMM – Índice de Dimensão Media das Manchas
IF – Instituto Florestal de São Paulo
IMM – Índice de Maior Mancha
MATA – Proporção de Mata Ciliar
OMS – Organização Mundial de Saúde
PNH – Primata Não Humano
PNI – Programa Nacional de Imunizações
RENCTAS – Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres
SFIHA – Síndrome FebrilIctero Hemorrágica
SPF – Specific Pathogen Free
SUCEN – Superintendência de Controle de Endemias
TRAF – Número de rotas de animais silvestres que passam até 100 km do município

6

UBS – Unidade Básica de Saúde
UC – Unidade de Conservação
UMID – Umidade média do município
UTI – Unidade de Terapia Intensiva
VDM – Volume Diário Médio
VENT – Influência da direção dos ventos dominantes quechegam ao município
VFA – Vírus da Febre Amarela

7

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO..............................................................................................................11
A Febre Amarela no mundo................................................................12
A Febre Amarela no Brasil..................................................................12
A Febre Amarela no...
tracking img