Trabalhos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1211 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]



Universidade Anhanguera – UNIDERP

Centro de Educação à Distância



ATPS – Língua Brasileira de Sinais

Disciplina: Pedagogia







Professora presencial: Sandra Andréia Pacheco



Tutor à distância: Priscila dos Santos Beck



Acadêmicas:

Jordana Cristina Henckel ( jo_henckel@hotmail.com) 354195

Alessandra Kaiser Mennon (ale.kaiser.akm@gmail.com)368787

Cassiani Alves Nassif (Cassi_nassif@hotmail.com) 351005







Taquara, RS

2012

O ponto de vista médico da surdez

No ponto de vista médico ,a surdez é categorizado em níveis mais baixos e elevados. É também classificada de deficiência auditiva, ou hipoacúsia.

Os tipos de surdez quanto ao grau de perda auditiva:

Perda auditiva leve: Não tem efeito significativo nodesenvolvimento desde que não progrida, geralmente não é necessário o uso de aparelho auditivo.
Perda auditiva moderada: Podem interferir no desenvolvimento da fala e da linguagem, mas não chega a impedir que o individuo fale.
Perda auditiva severa: Interfere no desenvolvimento da fala e da linguagem, mas com o uso de aparelho auditivo poderá rever informações utilizando a audição para odesenvolvimento da fala e linguagem.
Perda auditiva profunda: Sem intervenção, a fala e a linguagem dificilmente irão acontecer.

A língua dos sinais

A língua de sinais não é universal, mas a configuração de mãos existe versão igual em todo o mundo. Só os alfabetos manuais e vocabulários de sinais que são diferentes com semelhança uma com a outra. Pessoas que não ouvem usam sinais, linguagemcorporal e expressões faciais para dar sentido a direção a troca de informações.
Uma língua de sinais ou língua gestual é uma língua que se utiliza de gestos, sinais e expressões faciais e corporais, em vez de sons na comunicação. Há no mundo muitas línguas de sinais usadas como forma de comunicação entre pessoas surdas ou com problemas auditivos. Muitas delas receberam reconhecimento oficial emvários países.
Quebrando preconceitos e paradigmas: Quando ouvimos falar em inclusão ou fazemos parte desse processo como agentes intermediadores, observamos que, quando a criança com necessidades educacionais especiais entra na sala comum,uma das preocupações é conseguir que ela compreenda e desenvolva as atividades.
No caso do aluno surdo, o professor precisa conhecer o processohistórico, a cultura surda, a língua de sinais que é regional e tem variações ou verifica-se a necessidade de um interprete trabalhando simultaneamente.
As crianças por sua vez, por mais receptivas que sejam, tanto as ouvintes quanto as surdas, ficam visivelmente distanciadas.
A Língua Brasileira de Sinais é um recurso didático excelente que contribui no processo de aprendizagem, alfabetizaçãoe letramento das crianças ouvintes, possibilitando que iniciem o processo de construção do conhecimento de uma nova língua de modo dinâmico e prazeroso. Isso oportunizará a comunicação com as pessoas surdas, a começar pelas crianças ouvintes, que certamente encontrarão outra criança surda na infância ou em outra fase da vida, uma vez que a representatividade da cidadania surda é significativa evisível na sociedade.
A língua de sinais tem também por objetivo quebrar preconceitos de ambas as partes e contribuir para a compreensão de que não só os surdos devem ter direito e acesso a língua de sinais-Libras- mas os ouvintes também.
Repensar os paradigmas, quebrar as resistências, ter a humildade, a generosidade e a coragem para desvendar e dirigir-se por um novo caminho podeser mais um veiculo para contribuir no processo não de inclusão, mas de restituição de uma divida que nós, enquanto sociedade, temos com as pessoas surdas, por termos percebido tão lentamente que seus lugares de direito para serem desfrutados dentro da sociedade estavam vazias.
O surgimento da Libras deu uma “ nova conquista” aos surdos,antes disso, os deficientes auditivos eram vistos,...
tracking img