Tempos e metodos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1459 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Estudo de Tempos e Métodos

4

Estudo de Tempos e Métodos

4

Métodos de desenvolvimento dos tempos padrões:
o Cronometragem o Tempos Sintéticos o Amostragem do trabalho

Finalidades do Estudo de Tempos
o Estabelecer padrões de produção o Fornecer dados para determinação de custos o Fornecer dados para balanceamento de linhas de produção

Administração da Produção - Petrônio GarciaMartins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Estudo de Tempos e Métodos

4

Estudo de Tempos e Métodos

4

Equipamentos para o Estudo de Tempos
o Cronômetro de hora centesimal o Filmadora o Folha de observação o Prancheta para observações
Administração da Produção - Petrônio GarciaMartins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Etapas para a determinação do tempo padrão de uma operação
o Divisão da operação em elementos o Determinação do número de ciclos a serem cronometrados o Avaliação da velocidade do operador o Determinação das tolerâncias • Atendimento às necessidades pessoais • Alívio da fadiga o Determinação do tempo padrão
Administração da Produção -Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Estudo de Tempos e Métodos

4

Estudo de Tempos e Métodos

4

Divisão da Operação em Elementos
São as partes em que a operação pode ser dividida. Tem a finalidade de verificar o método de trabalho e deve ser compatível com a obtenção de uma medida precisa. Tomar o cuidado de não dividir a operação em um número excessivo deelementos.
Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Número de ciclos a serem cronometrados
z.R n = ---------------Er . d2 . x 2

Onde: n ... Número de ciclos a cronometrar z ... Coeficiente da distribuição Normal Padrão R ... Amplitude da amostra d2 ... Coeficiente que depende do número de cronometragens realizadas preliminarmente X .. Médiada amostra
Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

1

Estudo de Tempos e Métodos

4

Estudo de Tempos e Métodos

4

Velocidade do Operador
A velocidade V (também denominada de RÍTMO) do operador é determinada subjetivamente por parte do cronometrista, que a referencia à assim denominada velocidade normal de operação, à qual éatribuído um valor 1,00 (ou 100%). Assim, se: V = 100% V > 100% V < 100% Velocidade Normal Velocidade Acelerada Velocidade Lenta

Determinação das Tolerâncias
Necessidades Pessoais: de 10 a 25 min por turno de 8 horas Alívio da Fadiga: depende basicamente das condições do trabalho, geralmente variando de 10% (trabalho leve e um bom ambiente) a 50% (trabalho pesado em condições inadequadas) dajornada de trabalho. O fator FT (Fator de Tolerância) é geralmente dado por: FT = 1/(1-p) Onde p é a relação entre o total de tempo parado devido às permissões e a jornada de trabalho.
Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva

Estudo de Tempos eMétodos

4

Estudo de Tempos e Métodos

4

Determinação do Tempo Padrão
Uma vez obtidas as n cronometragens válidas, deve-se: o Calcular a média da n cronometragens, obtendo-se Tempo Cronometrado (TC); o Calcular o Tempo Normal (TN): TN = TC x V o Calcular o Tempo Padrão (TP) TP = TN x FT
Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora SaraivaTempo Padrão de Atividades Acíclicas
Tempo Padrão = TS q + ∑TPi + TF L

Onde: o TS oQ o TPi o TF oL Tempo Padrão do setup Quantidade de peças para as quais o setup é suficiente Tempo Padrão da operação i Tempo Padrão das atividades de finalização Lote de peças para que ocorra a finalização

Administração da Produção - Petrônio Garcia Martins e Fernando Piero Laugeni – Editora Saraiva...
tracking img