Sustentabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 35 (8730 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
arquitextos 128.03: O urbanismo sustentável no Brasil | vitruvius

vitruvius | pt|es|en
receba o informativo | contato | + vitruvius

pesquisa
guia de livros
jornal
revistas
em vitruvius

busca

Page 1 of 12

em vitruvius

revistas
arquitextos | arquiteturismo | drops | minha cidade | entrevista | projetos | resenhas online
arquitextos ISSN 1809-6298
buscar em arquitextosarquivo | expediente
128.03 ano 11, jan 2011

ok

ok

jornal
notícias
agenda cultural
rabiscos
eventos
concursos
seleção
email do leitor

O urbanismo sustentável no Brasil
a revisão de conceitos urbanos para o século XXI (parte 01)
Geovany Jessé Alexandre da Silva e Marta Adriana Bustos Romero

Em tempos atuais a maioria das sociedades enfrenta a desalentadora e
angustianteperspectiva de crescente caos urbano, decorrente do obsoleto
e contraditório modelo de ocupação urbana implementado desde a era
industrial. O cenário de acúmulo de riquezas sem a necessária
distribuição equitativa de benefícios sociais acentuou os conflitos
intraurbanos. Se para Aristóteles a cidade era o lugar para se viver bem,
atualmente, esta se tornou antônimo à qualidade de vida,desprivilegio
não só das cidades latino-americanas ou de economias de desenvolvimento
tardio, como também das cidades ditas industrializadas e desenvolvidas.
No Brasil, a intensa urbanização pós-moderna das últimas cinco décadas
imprimiu uma súbita concentração de indústrias, serviços e trabalhadores,
que somado à mecanização do campo e da cidade transformou, não só o
déficit habitacional, como aescassez de emprego, nos grandes problemas
sociais da urbanidade. O aumento exponencial da população, ao passo que
se oferece excedentes de mão-de-obra bem vindos ao sistema econômico,
pois achata o valor do trabalho humano e barateia os custos de produção,
passou a exercer efeitos sociais contrários à ordem vigente das
ideologias burguesas. Para Milton Santos (1), nasce desse fenômeno uma
novaforma de movimento social para este século, que se apropria dos
meios técnicos de informação e impõe forte pressão social aos poderes
políticos e econômicos nacionais. Partindo desse princípio, as ideologias
que sustentam “a cidade do pensamento único” (2) passam a sofrer fortes
impactos das reações e mobilizações sociais em prol de uma sociedade e um
mundo menos unilateral, que considere asespecificidades culturais de
cada lugar, bem como priorize o ambiente e a equidade social.
A urbanização brasileira nos últimos 50 anos transformou e inverteu a
distribuição da população no espaço nacional. Se em 1945, a população
urbana representava 25% da população total de 45 milhões, em 2000 a
proporção de urbanização atingiu 82%, sob um total de 169 milhões. Na
última década, enquanto apopulação total aumentou 20%, o número de
habitantes nas cidades cresceu 40%, especialmente nas nove áreas
metropolitanas habitadas por um terço da população brasileira (3).
Todavia, nas últimas décadas assistiu-se a uma desaceleração do
crescimento demográfico nacional e mundial, alterando a conjuntura da
ocupação humana no território e, conseguintemente, nas respectivas
cidades de um mundocada vez mais urbano. Assim, projeções estatísticas
do IBGE que em 2004 apontavam uma população brasileira no ápice com o
patamar de 260 milhões de habitantes por volta de 2060, foram revisadas
em 2008 (4) e, amparadas por novos cenários demográficos, ponderou-se que
a população brasileira atingiria o máximo de 219 milhões por volta de
2039, quando, a partir de então, esse número tenderia aregredir
lentamente. Se atualmente a população brasileira é de 185,7 milhões de
habitantes (5), com uma população urbana (6) de aproximadamente 160 mi,
em 2039 serão mais de 200 milhões de habitantes em áreas urbanas, o que
relega às cidades brasileiras um agregado humano de 40 milhões de
indivíduos lutando por espaços e oportunidades cada vez mais escassas.
Portanto questiona-se, como...
tracking img