Seres hibridos na arte

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2782 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
SERES HÍBRIDOS FIGURATIVOS



JOÃO CAMPOS FASOLINO
Dentro da historia da arte, há centenas de anos a aparição de seres humanos híbridos é uma vertente presente e intrigante, não só por formas extraordinárias, mas pelo conceito que esta por trás da figura, nesta pesquisa vou tentar decifraralgumas dessas aparições.
Vou começar falando sobre os híbridos históricos, existentes em culturas passadas, os mesmos tem um caráter, mas religioso do que artístico, fugindo um pouco da intenção pessoal do artista, porem em relação a toda uma cultura os mesmos eram de extrema importância.
A cultura Egípcia, Sendo adoradora de vários deuses, os egípcios costumavam adorar distintas divindades quepoderiam representar forças da natureza, animais e figuras humanas. Alguns desses deuses poderiam ser adorados por toda a população egípcia, já outros estavam inseridos nas práticas religiosas de uma única região. Além de politeístas, os egípcios também costumavam homenagear figuras antropozoomórficas, seres híbridos que possuíam o corpo com partes humanas e animais. Por exemplo, o deus Rá
ou Ré, éa principal divindade da mitologia egípcia, Rá é um deus com cabeça de falcão conhecido como o deus do sol, o falcão representava o sol no seu auge do esplendor.


Deus Rá
A mitologia grega está povoada de estranhas figuras, desde monstros terríveis, como a Medusa, que trazia na cabeça não fios de cabelos, mas serpentes, aos Ciclopes, homens gigantesque traziam um olho no meio da testa, ou Cérbero, cão de muitas cabeças que guardava as portas do inferno. Os monstros mitológicos normalmente são seres malignos que desafiam os heróis e os deuses, sendo por eles destruídos ou aprisionados.
Dentro da criatividade mitológica, há alguns monstros de caráter benéfico, que acompanham os deuses em seus cortejos, tendo a aparência híbrida, metadehumana, metade animal. Nos mares vamos encontrar as sereias e os tritões, metade humanos, metade peixes, que seguem o cortejo do deus dos mares, Poseidon. Nos campos temos as alegres figuras das divindades campestres, que trazem duas naturezas, a humana e a caprina, representada pelos Sátiros e os Silenos. Não são deuses, mas não são meros mortais, pois tomam do néctar e assim como as ninfas, nãoenvelhecem, têm uma longa vida. São gênios campestres que protegem os homens e os seus rebanhos das feras da floresta. Os Sátiros têm o seu mito ligado não apenas ao campo, mas à fertilidade e à música, sendo que o mais famoso deles, Pã, foi o inventor da flauta que leva o seu nome.
Também possuidores de duas naturezas, a humana e a equestre, estão os Centauros, originários da Tessália, lugar cheio demontanhas e terras áridas, que tinha no pecuário a sua principal atividade econômico. Este povo montava os seus cavalos para mais facilmente conduzir os seus rebanhos. Esta fusão homem-cavalo originou a figura do Centauro, homem da cabeça ao tronco e cavalo da cintura para baixo. Monstro benéfico representava a eterna luta das civilizações, do homem que traz em si o irracional e o racional.Sátiros, Silenos e Centauros, estranhas e fascinantes criaturas mitológicas que com a dualidade do seu corpo, traduziam a essência da evolução da civilização humana, muitas vezes racional, outras vezes meramente animal.

Medusa, Caravaggio Sereia, John W. WaterhouseCentauro

Sátiros, Rubens

No hinduísmo, Ganexa ou Ganesha é um dos mais conhecidos e venerados semideuses. Ganesha é o símbolo das soluções lógicas e deve ser interpretado como tal. Seu corpo é humano enquanto que a cabeça é de um elefante; ao mesmo tempo, seu transporte (vahana) é um rato.

Cada elemento do corpo de Ganesha tem seu...
tracking img