Retorno a produtividade de pacientes com traumatismo cranio encefalico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (453 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Retorno à produtividade após reabilitação de pacientes deambuladores vítimas de trauma craniencefálico
Return to productivity after rehabilitation by walking patients, traumatic brain injurysurvivors
Cleuza Braga da Silva1, Ana Beatriz S. Brasil2, Daniel Bonucci Bonilha2, Luciana Masson2, Milene Silva Ferreira3 Colaboradoras: Rita C. M. Neves, fisioterapeuta; Carolina S. Lolo, psicóloga
1Fisioterapeuta; Chefe da Clínica de Lesão Encefálica Adquirida no Setor de Fisioterapia Adulto da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente, São Paulo, SP) Fisioterapeutas do Setor deFisioterapia Adulto da AACD Médica fisiatra; Coordenadora da Clínica de Lesão Encefálica Adquirida da AACD

2

3

ENDEREÇO PARA
CORRESPONDÊNCIA

Cleuza B. Silva Av. Prof. Ascendino Reis, 724Ibirapuera 04027-000 São Paulo SP e-mail: cleuza.braga@bol.com.br

RESUMO: Vítimas de trauma craniencefálico (TCE) freqüentemente alcançam independência nas atividades de vida diária, mas encontramlimitações quanto à participação na comunidade ou no trabalho produtivo. Este estudo visou verificar o índice de retorno, após programa de reabilitação, à produtividade (estudo e/ou trabalho) de sujeitosque haviam tido TCE. Participaram 60 sujeitos deambuladores comunitários (média de idade 30,4 anos, mínima 18, máxima 53), selecionados dentre os prontuários de pacientes com diagnóstico de TCE quefreqüentaram o programa de reabilitação entre 2002 a 2004 no Setor de Fisioterapia Adulto da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) em São Paulo, SP. Em entrevista, foi aplicado umquestionário elaborado pela equipe da AACD. Os participantes – 51 homens e 9 mulheres – tinham sofrido em sua maioria (95%) trauma grave. Os resultados mostram que 71,7% dos participantes retomaramatividades ocupacionais ou escolares, mas apenas 38,3% estavam trabalhando por ocasião da entrevista. Embora sem significância estatística, o tempo decorrido entre o trauma e o início da reabilitação parece...
tracking img