Psicopatologias

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 21 (5059 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Transtornos Depressivos


Explicações Psicanalíticas:


Perda com raiva internalizada: Em Luto e Melancolia, de S. Freud, discute-se a perda do objeto amado e o sentimento de raiva por tal objeto ter ido embora. O fator crucial na depressão é a raiva internalizada e o evento que dispara esse processo é a perda.
Estresse e Depressão: Em muitos estudos, o estresse foi consideradoum melhor previsor do transtorno depressivo que a perda. Quanto maior o número de eventos estressantes, maior a chance de um indivíduo desenvolver depressão. O estresse agudo afeta mais as pessoas, porém o estresse crônico também pode contribuir para a depressão.
Fatores moderadores na relação estresse-depressão:
Apoio social: A quantidade de apoio social que a pessoa tem disponívelpara defrontar-se com o estresse é um fator importante na relação estresse-depressão. Quanto mais a pessoa pode compartilhar seus problemas, menores são as chances dela desenvolver a depressão.
Diferenças individuais: São as diferentes estratégias de enfrentamento usadas diante do estresse pelas pessoas. Pessoas deprimidas tendem a usar estratégias passivas (evitação, aceitação, pensamentomágico, etc.); pessoas não deprimidas usam estratégias ativas, tentando resolver e superar os problemas.
Condicionamento aeróbico: Trata-se da eficácia com a qual a pessoa pode processar o oxigênio. Pesquisas mostram que pessoas praticantes de exercícios físicos apresentam melhores respostas ao estresse, conseqüentemente menos chance de desenvolverem depressão.

Limitações na relaçãoestresse-depressão:

1- Nem todos os indivíduos que são expostos a estresse tornam-se deprimidos.
2- Nem todos os indivíduos que se tornam deprimidos foram expostos a estresse.
3- O estresse pode levar a transtornos diferentes da depressão.
4- A hipótese estresse-depressão não especifica o processo pelo qual o estresse resulta em depressão.


Explicações Cognitivas:Conjuntos cognitivos negativos e processamento de informações:
Os indivíduos deprimidos têm conjuntos cognitivos negativos que os levam a focalizar sua atenção sobre falhas pessoais.O indivíduo deprimido tem fortes e ativas redes associativas que ligam memórias que envolvem depressão. Além disso, a pessoa deprimida usa atenção seletiva e focaliza as informações depressivas que estãoentrando na memória sensorial. Devido às extensas redes de depressão que continuam a desenvolver-se, os indivíduos deprimidos tendem mais a recordar informações depressivas.Entretanto, não há evidências fidedignas que as cognições negativas causem níveis clínicos de depressão.
Cognições negativas podem predispor indivíduos à depressão quando eles são expostos a estresse, e também podem prolongar adepressão.
Desamparo aprendido: Os indivíduos aprendem, correta ou incorretamente, que não podem controlar resultados negativos futuros, conseqüentemente sentem-se desamparados, e tais sentimentos levam à depressão.
Diferença: Auto-incriminação (presente nas cognições negativas) X incontrolabilidade sobre eventos negativos (presente no desamparo aprendido).O desamparo aprendidopossui, primordialmente, um efeito prolongador que causador da depressão.


Explicações Fisiológicas:


Hipótese Amina: O baixo nível de atividade neurológica em áreas do cérebro que são responsáveis pelo prazer, originado de quantidades insuficientes dos neurotransmissores norepinefrina e serotonina (conhecidos como aminas) é a causa das depressões.
A queda no nível dessesneurotransmissores causa a depressão, e o aumento causa a mania.
Subtipos de depressão fisiologicamente causada: Há pacientes que respondem ao tratamento para norepinefrina e não respondem para serotonina, e vice-versa.
A ansiedade presente na depressão é explicada pelo baixo nível do neurotransmissor GABA no cérebro.
Os fatores genéticos desempenham um papel muito importante na...
tracking img