Poesias africanas e afro-brasileiras

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (844 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Projeto: Poesias africanas e afro-brasileiras.
Série/ano: 9º Ano do Ensino Fundamental
Disciplina/área do conhecimento: Língua Portuguesa / Literatura
Área: Literatura

Tema: Poesiasafricanas e afro-brasileiras.

Objetivos

• Permitir que os alunos tenham contato com a literatura africana.
• Tratar da importância e valorização da cultura negra dentro da escola.
• Refinar asensibilidade e estimular a ver com outros olhos o que sempre viram e não perceberam.
• Estimular a escrever com o coração, desafiando a razão, exercitando dons.
• Pesquisar os poetas afro-brasileiros eafricanos, pois há grandes poetas que praticamente ninguém conhece, além disso, há a necessidade de repensar valores étnico-sociais e resgatar a cultura africana.

Metodologia

1º momento – Oprofessor expor aos alunos a importância e valorização da cultura negra dentro da escola e apresentação de algumas poesias de poetas afro-brasileiros e africanos;

2º momento - Pesquisa na internet sobre avida e obras de poetas afro-brasileiros e africanos;

3º momento - Apresentação de poesia de autores escolhidos pela turma e mural, onde os alunos, durante uma semana poderão fixar suas poesiaspreferidas encontradas na internet;

4º momento – Declamação de poesia.

5º momento - Produção de texto: Explorar temas como: preconceito, racismo e discriminação.

Algumas poesias africanas eafro-brasileiras: ( Entregar cópia destas poesias para os alunos)

Grito Negro - José Craveirinha (Moçambique)
Eu sou carvão!
E tu arrancas-me brutalmente do chão
e fazes-me tua mina, patrão.Eu sou carvão!
E tu acendes-me, patrão,
para te servir eternamente como força motriz
mas eternamente não, patrão.
Eu sou carvão
e tenho que arder sim;
queimar tudo com a força da minhacombustão.
Eu sou carvão;
tenho que arder na exploração
arder até às cinzas da maldição
arder vivo como alcatrão, meu irmão,
até não ser mais a tua mina, patrão.
Eu sou carvão.
Tenho que arder...
tracking img