Poema de camoes e a sua analise

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (605 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Em prisões baixas fui um tempo atado
Em prisões baixas fui um tempo atado,
Vergonhoso castigo de meus erros;
Inda agora arrojando levo os ferros
Que a Morte, a meu pesar, tem já quebrado.Sacrifiquei a vida a meu cuidado,
Que Amor não quer cordeiros nem bezerros;
Vi mágoas, vi misérias, vi desterros:
Parece-me que estava assi ordenado.

Contentei-me com pouco, conhecendo
Que era ocontentamento vergonhoso,
Só por ver que cousa era viver ledo.

Mas minha estrela, que eu já agora entendo,
A Morte cega e o Caso duvidoso,
Me fizeram de gostos haver medo.

Luís Vaz de CamõesExplicação do Poema e Auto – caracterização do sujeito poético
Vi mágoas, vi misérias, vi desterros
Assim se pode considerar esta confissão-síntese de uma vida passada que se pressente estarpróxima do fim. O sujeito poético teve uma vida de magoas , miséria e no fim da vida passada o sujeito poético relembra esta vida marcada pela dor.
Mas minha estrela, que eu já agora entendoVersos doridos, desencantados e consciência de uma sorte dura e, finalmente, injusta, que designa de “minha estrela”.Esta “ESTRELA” de uma pessoa que já não absorve a vida , vive sim o passado amarguradoe doloroso .Sente – se ainda injustiçado pela destino que teve. Nunca encontrar o grande amor da sua vida ou gostar de uma mulher que o enganou como podemos constatar nos Lusíadas, Adasmastor.
Emprisões baixas fui um tempo atado
Alusão a “prisões baixas” (no sentido real – referência ás prisões sofridas; no sentido conotativo – amores “baixos”);Amores que não foram correspondidos.
Vergonhosocastigo de meus erros;
Erros que lhe sacrificaram a vida, vida essa que levou a mando do amor sendo esse o seu castigo nunca amar e ser correspondido, vergonhoso castigo pois no fim da vida morreusozinho na miséria.
Mas minha estrela, que eu já agora entendo,
A Morte cega e o Caso duvidoso,
Me fizeram de gostos haver medo.
O sujeito poético tem medo de ter gostos (de amar) e diz que os...
tracking img