Plano real e as reformas neoliberais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1023 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Das várias modernidades emergidas na contemporâneidade o neoliberalismo se destaca, pois, o seu projeto de pretensão universal, um Imperium Mundi como diz Marcos Del Roio e o que carrega imanente a este a maior agressividade e barbarie de todos os projetos do ocidente.
A sua institucionalização no pós-crise, era de ouro, na terminologia de Eric Hobsbawm , deve-se a uma agressiva ofensiva quearticulava um bloco histórico que associava, globalização, reestruturação produtiva, e o neoliberalismo. Este emerge no contexto de uma fase regressiva a partir da crise do Welfare State, do ‘‘socialismo real’’ e na periferia com a crise do modelo de ‘‘modernização acelerada’’.
Dentre estes analisaremos a emergencia do neoliberalismo em um dos países da periferia, o Brasil, perscrutando como oneoliberalismo carrega um aspecto regressivo socialmente e culturalmente nos lugares onde este foi implantado, neste caso na correlação de forças específica do Brasil dos anos 90.
O estado desenvolvimentista n fim dos anos 80 vinha dando seus ultimos suspiros (desde a ultima tentativa de sava-lo com o plano cruzado) com uma crise econômica, inflacionaria, que a burguêsia não conseguia superar.Além disso a crise social vinda da falta de hegemonia pelo conflito no bloco do poder vai gerar desde o governo Sarney uma serie de conflitos entre a burguesia que perduraram ate o governo FHC.
Pois, ate então haviam dois motivos principais para estes conflitos: 1) O fisiologismo partidario que impedia uma direção mais centralizada nos partidos burguêses (o que propicia em parte a eleição deFernando Collor de Melo); 2) Os conflitos com relação a implantação do neoliberalismo entre os grupos pertencentes ao bloco no poder, já que, a desregulamentação do mundo do trabalho interessava a todos, as privatizações ao grande capital industrial e financeiro e em um circulo mais circunscrito a questão da abertura comercial de interesse do capital financeiro ( relação que é desenvolvida porArmando Boitto em ‘‘Neoliberalismo e política sindical’’).
E neste contexto e que o plano real a partir do FHC como ministro da fazenda se enquadra buscando ir além das reformas neoliberais já implantadas em germe por Collor. Para Luis Filgueiras em ‘‘O plano real’’ este e as suas reformas neoliberais bebem em duas fontes, em essência, o congresso de Washington e a experiência que a equipe de FHCteve com o plano cruzado.
O congresso de Washington buscava a partir de um contexto de oferta de liquidez criar as diretrizes para os países perifericos superarem o estatismo e a grande inflação para poderem ter acesso a esta oferta. Estabelencendo algumas políticas macroeconômicas para estes países: 1) Dolarização das econômias; 2) Privatização; 3) Corte de gastos estatais; 4) Superação dainflação e abertura comercial.
Já a experiência do plano cruzado fornece para estes a questão de não superar a inflação a partir de medidas monetaristas, como também congelando a econômia, e criando uma moeda sem ancoragem em uma moeda forte. E dentro destas duas experiências e que o plano real e materializado, assumindo uma série de praticas para romper com a escalada inflacionaria: 1) Corte degastos estatais; 2) Criação de uma moeda ancorada no dolar que vai gradativamente, a partir do controle estatal, emparelhando os preços.
Instituindo por um tempo um crescimento econômico baseado na baixa da inflação que faz com que o trabalhador tenha um maior poder de compra. Este crescimento faz com que o FHC, que ate então nãoera o candidato da direita, o anti-lula da burguesia no dizer deLucia, se torne e faça com que a burguesia no bloco do poder entre em consenso (como pensa tambem Boito) e também as próprias classes baixas instituindo e tornando o neoliberalismo a partir plano real praticamente incontestavel.
É por isso e eleito e concretizara no seu mandato uma busca por manter a estabilidade inflacionaria a partir de medidas neoliberais: altos juros, abertura comercial,...
tracking img