Os tres ensaios sobre a sexualidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 65 (16018 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
OS TRES ENSAIOS SOBRE A SEXUALIDADE
Clinica da adolescência
Segundo ensaio “A sexualidade Infantil”

CONCLUSÕES DE FREUD SOBRE O PRIMEIRO ENSAIO
No final do primeiro ensaio Freud conclui: os sintomas são derivados de fatores sexuais. Afirma que contra todas as expectativas e idéias que se tem sobre a sexualidade humana, nada nela está pré-determinado por um esquema normativo inato.
Ele dizque mesmo causando uma reação a essa tese ele não pode fugir dessa realidade encontrada na análise dos seus pacientes porque não para por aí. Se os sintomas surgem das questões sexuais, não surgem da sexualidade considerada normal, mas exatamente das pulsões que seriam consideradas pervertidas pela sociedade. E isso ele constatou através das fantasias e das ações dos neuróticos.
Nesse primeiroensaio ele partiu do questionamento sobre o objeto e o alvo das pulsões sexuais e viu que todos possuem uma inclinação para a perversão
Então ele vai expor um axioma que resume o que ele tentou explicar nesse primeiro ensaio:
“A perversão é, por assim dizer, o negativo da neurose”.
Através desta idéia Freud destacou que as fantasias dos neuróticos e dos perversos são as mesmas. Deste modo, umaprimeira diferenciação a ser feita entre a neurose e a perversão se dá não pelo tipo de desejo sexual, mas por que modo este pode se expressar. Para o neurótico, o desejo vai se expressar pela formação do sintoma que é uma formação de compromisso entre o desejo e a censura. Já no perverso o desejo aparece pela via da atuação, ou, dito de outro modo, o perverso age, ele encena o desejo. Enquanto oneurótico vive sua sexualidade na fantasia, o perverso a vive através da atividade, da ação.
Resumindo:
A pulsão sexual dos neuróticos permite perceber todas as aberrações que estudamos como variações da vida sexual normal e como manifestações da patologia.
1- fixação da libido em pessoas do mesmo sexo.
2- tendência inconsciente de transgredir a anatomia ao invés de privilegiar a genitalidadeutilizando com mais intensidade a boca e o ânus.
3- na neurose as pulsões parciais se destacam na formação dos sintomas.
* Aparecem como pares de opostos que levam a novos alvos sexuais:
* Ex.: o prazer de ver x exibicionismo
a crueldade (sadismo) x masoquismo
A crueldade transforma o amor em ódio, o afeto em hostilidade.
O que Freud acha mais interessante disso tudo é que:1- todo o exibicionista, no inconsciente, também tem prazer em ver, e quem sofre de reações sádicas recalcadas também tem uma tendência masoquista.
2- na neurose é raro encontrar desenvolvida apenas uma pulsão perversa, na maioria das vezes encontramos vestígio de todas.
Apêndice da opinião de Lacan sobre o axioma freudiano “a perversão é o negativo da neurose”.
No seminário 4 “A relação deobjeto” Lacan questiona “o que é a perversão?” ele argumenta que alguns entendem como sendo apenas uma fixação da pulsão parcial que atravessaria o período do complexo de Édipo e não se juntaria a pulsão genital no final do processo. Nesse caso a perversão seria um acidente na evolução das pulsões. Outros entendem que a perversão faz parte do processo de fusões e desfusões atravessadas por umaneurose, onde se erotizaria a defesa. Mas Lacan não concorda com nenhuma dessas duas explicações. Ele argumenta que Freud apresenta uma prova de que a perversão é o negativo da neurose, não é o que está oculto no inconsciente, quando estamos diante de um caso de neurose. Na fantasia fundamental “Bate-se numa criança” que possui um fundo masturbatório, possui uma estrutura perversa. Então a perversão estáimplicada na neurose no nível da linguagem, ou seja, há uma estrutura inconsciente de significantes em estado puro, esvaziado de significação e que reduz simbolicamente a relação. Essa fantasia fixa, como no caso do fetiche, o sujeito antes do encontro com a castração. “A dimensão imaginária aparece, pois, prevalente a cada vez que se trata de uma perversão” (Lacan, p.121 seminário 4). Ele...
tracking img